Abertura da CPI faz PT costurar alianças nos Estados

Sugerido por Gunter Zibell – SP

Do Estadão

 
Palácio do Planalto costura acordos políticos e inicia processo de reaproximação com os peemedebistas a fim de manter a base de defesa de Dilma com a iminente criação da Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar a estatal
 
João Domingos e Eduardo Bresciani – O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA – A iminência da abertura de uma comissão parlamentar de inquérito para investigar a Petrobrás levou o Palácio do Planalto e o comando da campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff a começar um processo de reaproximação com o PMDB, após semanas de uma intensa disputa política com o principal aliado. O objetivo é consolidar apoios no Congresso que ajudem a blindar Dilma durante a investigação. Em troca, o PT cede espaços na elaboração dos palanques regionais.

O primeiro caso a ser revisto foi justamente onde as negociações estavam mais complicadas: Ceará. No Estado, a crise na Petrobrás pôs fim à disputa de meses entre os irmãos Cid e Ciro Gomes e o senador Eunício Oliveira (PMDB), que reivindicava o direito de disputar o governo. Eunício, que chegou a ser convidado para assumir o Ministério da Integração Nacional para abrir caminho para os irmãos Gomes, rejeitou a oferta de Dilma e afirmou que só aceitaria a candidatura ao governo. Passou, desde então, a frequentar todas as reuniões de grupos dissidentes. Mas os problemas na estatal aceleraram a solução. Com o aval da presidente, ele será o candidato da base.

Aos irmãos Gomes restou o lançamento de Ciro ao Senado, numa disputa com seu ex-padrinho Tasso Jereissati (PSDB), apontado nas pesquisas como favorito à única cadeira em jogo. A entrada de Ciro na corrida ao Senado sacrificou o deputado José Guimarães, ex-líder do PT na Câmara e vice-presidente do partido.

A crise na Petrobrás também deverá empurrar o PT do Maranhão para uma aliança com o senador José Sarney (PMDB-AP) e com a governadora Roseana Sarney (PMDB). Até agora, uma forte ala do PT insistia em romper com os Sarney e apoiar Flávio Dino, do PC do B. Mas, por causa da CPI da Petrobrás, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva praticamente fechou o acordo para que os petistas desistam de Dino. Com isso, o PSB do governador Eduardo Campos formalizará aliança com o maior adversário de Sarney, lançando ao Senado o vice-prefeito de São Luís, Roberto Rocha.

Na Paraíba, a ordem é levar o PT para o PMDB do senador Vital do Rêgo. Escolhido em setembro ministro da Integração pelos senadores peemedebistas, Vital não chegou a ser convidado por Dilma para a função. No auge da crise com o PMDB, há um mês, ela ofereceu a ele o Ministério do Turismo. O senador não aceitou. Na coleta de assinaturas para a criação da CPI da Petrobrás, ele disse que não daria seu apoio por pertencer à base do governo. Dilma decidiu que o PT deverá apoiar o candidato Veneziano do Rêgo ao governo. Ele é irmão de Vital.

A CPI da Petrobrás deverá mudar também o quadro político em Goiás. O PT havia decidido que só se aliaria ao PMDB se o candidato fosse o ex-governador Iris Rezende. Mas o partido passa por uma disputa interna, com favoritismo de José Batista Júnior, o Júnior da Friboi. Há, nesse instante, uma pressão interna do PT para que o partido desista de lançar a candidatura do prefeito de Anápolis, Antonio Gomide, e apoie o nome do PMDB, mesmo que seja Júnior da Friboi.

O Planalto já sente os efeitos da reaproximação. A bancada do PMDB no Senado defende que o foco da CPI seja ampliado e alcance denúncias de cartel e fraudes em licitações de trens em São Paulo e o porto de Suape, o que atingiria partidos da oposição, como PSDB e PSB.

Danos. Com a estratégia de concessões nos Estados, o governo quer reduzir danos políticos que a CPI deverá causar. O mais certo deles é que Dilma vai atravessar a campanha presidencial tendo de administrar as denúncias contra a estatal e as revelações que forem surgindo. A economia também pode ficar mais vulnerável, já que a maior empresa do País estará sob investigação. Outro fator é que as condições da eleição na Bahia, o quarto maior colégio eleitoral do País, ficarão ainda mais difíceis.

“O ex-presidente da Petrobrás era do PT e agora está no governo Jaques Wagner, que era do Conselho de Administração na época em que a refinaria de Pasadena foi adquirida. A crise tem a digital do PT baiano”, disse o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB), do grupo dissidente, irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima, que pretende concorrer ao governo do Estado contra o PT. “O desenrolar da CPI pode significar uma diminuição no apoio a Dilma. Se ela perder credibilidade, até partido que recebeu ministério na reforma pode pular fora”, disse.

Como consequência, o PT da Bahia quer se fortalecer com outros partidos da base. O candidato a governador é o deputado Rui Costa, que terá na vice o deputado João Leão, do PP. Wagner desistiu de disputar o Senado para abrir espaço para o atual vice-governador, Otto Alencar (PSD).

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

6 comentários

  1. O PT tem medo de perder o

    O PT tem medo de perder o poder pq o destino deles será a cadeia, se os seus podres forem investigados por outro governo.

    Só os empréstimos internacionais feitos a revelia do congresso já dava pano pra manga, imagina o restante das maracutaias.

     

    • Aliança Liberal tem agora 9

      Aliança Liberal tem agora 9 mil amiguinhos novos, todos fakes contratados pelos tucanalhas para escrever mentiras na Internet, todos pagos com os bilhões desviados do Metrô paulista e da CPTM.

       

  2. Matéria do estadão não é confiável…

    Enfrentar o PMDB dá voto, todo mundo de saco cheio desse partido (tomara que diminua bastante o número de deputados). O Estadão sabe que se o PT não disputar nos estados, a reeleição de Dilma fica ameaçada.

    Até agora são 14 candidatos a governador do PT (número que pode aumentar). No Pará o PT cometeu a palhaçada de apoiar o filho do Jáder Barbalho.

    No Ceará, cresce a necessidade do PT de disputar o governo do estado, Luizianne Lins foi uma ótima prefeita de fortaleza e seria um sopro de renovação por ser uma petista mais ideológica e menos pragmatica (como a maioria dos políticos do Nordeste).

  3. O Estadão faz essa matéria

    O Estadão faz essa matéria com indisfarçável orgulho. “Factóide que eu criei influenciarão em todas as eleições, da nacional ao de (quase) todos os estados.

    Uma campanha que sem o Serra poderia ser de debate de idéias, preponderantemente do legado FHC versus legado Lula, será de troca de denuncias. Voce rouba mais que eu!

    O governo usando o PMDB para amplificar os podres dos tucanos, e a oposição usando o pig para tentar pegar a Dilma.

    E não venham dizer que “fiscalizar” é o papel da imprensa. Inventaram um escandalo onde no máximo haveria decisões erradas de uma empresa. Segundo o Cafezinho não foi um mal negócio. Está lá o Miguel com vários documentos. Mas agora isso não importa. O negócio é o escandalo, não uma discussão racional.

    Dilma, Aécio, e Dudu estarão expostos a uma CPI que na verdade será um palanque eleitoral sem freio e sem critério. Será que a idéia do pig é essa? Esculhambar tudo, e daí surge o salvador da moralidade? Barbosão com Marina de vice? Golpe de mestre da imprensa golpista.

    Daí a “esperteza” do Dudu e do Aécio está me parecendo muito com a do Lacerda e outros políticos que apoiaram o golpe, achando que era a “favor deles”. Nesse caso agora até é, mas se não houver outro jeito, descarta-se eles numa boa

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome