Disputa pela Presidência da Câmara carrega peso de apoio a Maia

 
Jornal GGN – O ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, critica os atuais candidatos ao posto, de dentro do Complexo Médico Penal, no Paraná. Além disso, estaria palpitando sobre “favores” feitos a alguns deputados, enquanto ocupava o posto, enxergando a sua cassação como culpa de Rodrigo Maia (DEM-RJ).
 
A informação é do Painel, da Folha de S. Paulo, que aponta ainda que em conversa recente, Cunha comentou que indicar Maia à relatoria da reforma política foi um favor prestado ao deputado.
 
Do outro lado, também não deixa de criticar Rogério Rosso (PSD-DF), do centrão, do qual aponta uma “campanha errática” na última chance pelo cargo, em julho. Chegou a comentar até o uso da camisa da Chapecoense para se lançar candidato, que foi, na verdade, um presente de um colega da bancada. 
 
Enquanto isso, a decisão de Maia poder disputar novamente o cargo depende de uma resposta do Supremo Tribunal Federal (STF), que concedeu 10 dias para o atual presidente da Câmara se manifestar em ação, na qual André Figueiredo (PDT-CE) questiona a viabilidade de reeleição de Maia.
 
Apesar da ação estar tramitando, a eleição na Casa Legislativa está marcada em pouco mais de duas semanas, para o dia 2 de fevereiro, sem tempo suficiente para o Judiciário analisar o caso.
 
Se de dentro do núcleo político de Cunha obtinha adversários, agora Rodrigo Maia alcança apoio desde figuras de influência como o governador Geraldo Alckmin, até partidos do centrão, incluindo o PSD de Rosso.
 
Isolado, a candidatura do dia 2 de fevereiro deve contar com pouco apoio a Jovair Arantes (PTB-GO), que passou a ter sua candidatura estudada pelo PT, inclusive para fechar questão da sigla. Deputados do PT devem se reunir nesta terça-feira (17) para debater os apoios.
 
 

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome