Gerente da Petrobras fala à CPI sobre refinarias suspeitas na terça

Cintia Alves
Cintia Alves é graduada em jornalismo (2012) e pós-graduada em Gestão de Mídias Digitais (2018). Certificada em treinamento executivo para jornalistas (2023) pela Craig Newmark Graduate School of Journalism, da CUNY (The City University of New York). É editora e atua no Jornal GGN desde 2014.
[email protected]

Jornal GGN – A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) instituída no Senado para apurar denúncias contra a Petrobras ouvirá, nesta terça (17), a partir das 10h15, o gerente de Engenharia de Custos da estatal, Alexandre Rabello. Ele deve abordar o eixo da investigação que trata de indícios de superfaturamento na construção de refinarias no Brasil, incluindo a Abreu e Lima, em Pernambuco.

Uma auditoria iniciada em 2008 pelo Tribunal de Contas da União (TCU) verificou irregularidades na elaboração do projeto e execução das obras de terraplenagem, drenagem e pavimentação da unidade industrial. Faturas de serviços não previstos originalmente e aditivos de contratos também estão sob suspeita.

Rabello será a oitava pessoa a depor na Comissão. Antes dele, os senadores já receberam o ex-presidente da Petrobras Sérgio Gabrielli; os ex-diretores da área Internacional Nestor Cerveró e Jorge Luiz Zelada; a presidente da estatal, Graça Foster; o ex-gerente-executivo Luis Carlos Moreira da Silva; o diretor de Segurança Empresarial, Pedro Aramis de Lima Arruda; além de Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento.

Também na terça, no período da tarde, a CPI Mista da Petrobras, que conta com deputados e senadores, vai se reubir para deliberar sobre requerimentos pendentes. Entre as demandas aprovadas até agora, o núcleo pede a abertura de documentos da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, à CPI. 

Com Agência Senado

Cintia Alves

Cintia Alves é graduada em jornalismo (2012) e pós-graduada em Gestão de Mídias Digitais (2018). Certificada em treinamento executivo para jornalistas (2023) pela Craig Newmark Graduate School of Journalism, da CUNY (The City University of New York). É editora e atua no Jornal GGN desde 2014.

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. E por ai vai…

    …vão começar com o modelo do TCU que é de estrada e que o modelo Petrobras é de piso para tanque, Que dois modelos diferentes não chegam a conclusão nenhuma. Que o TCU não aceita a 2745/98, e por aí vai…

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador