Interferência de Bolsonaro é levantada por governistas, em possível racha do PSL

Nesta quinta (22), Bolsonaro voltou a defender o direito de intervir na PF: "se eu não posso trocar o superintendente, eu vou trocar o diretor-geral"

Jornal GGN – Com a interferência de Jair Bolsonaro em órgãos como o Coaf, e os comandos da Receita Federal e da Policia Federal, parlamentares governistas indicam um possível racha dentro do PSL.

Mas o motivo principal da ameaça é outro: a paralisação do mandatário frente ao polêmico projeto de lei de abuso de autoridade. A falta de ação de Bolsonaro sobre o tema teria disparado uma serie de questionamentos de deputados do PSL, abrindo uma ala para a possível dissidência.

De acordo com o Painel, da Folha de S.Paulo, deputados como Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP) afirmaram que não irão votar mais com as orientações do governo dentro da Casa se não fosse feita uma deliberação anterior às votações para se chegar a acordos.

Entre os questionamentos que foram abertos, por exemplo, o empenho dedicado pelo presidente para livrar seu filho, Flavio Bolsonaro (RJ), das acusações judiciais e para tornar seu outro filho, Eduardo, embaixador nos EUA.

[O GGN prepara uma série no YouTube que vai mostrar a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto pelo interesse público? Clique aqui]

E relacionado ao primeiro caso, os parlamentares também questionaram as interferências do mandatário nos órgãos como a Receita, Coaf e PF, indicando que as intenções seriam de salvar seu filho Flavio do processo.

Nessa linha, Bolsonaro voltou a defender, nesta quinta-feira (22), o direito de intervir na Policia Federal e, de maneira autoritária, disse que se não puder trocar um superintendente da PF, poderá mudar o diretor.

Sugiro o cara de um estado para ir para lá: ‘Está interferindo’. Espera aí. Se eu não posso trocar o superintendente, eu vou trocar o diretor-geral. Se eu trocar hoje, qual o problema? Está na lei que eu que indico e não o Sergio Moro. E ponto final”, disse, ao ser questionado se queria retirar Mauricio Valeiro da diretoria-geral da PF.

Leia também:  Caso Paraisópolis: PSOL protocola pedido para criar comissão externa para investigar mortes

Em seguida, insistiu que Valeiro “é subordinado a mim, não ao ministro [Sergio Moro]. Deixo bem claro isso aí. Eu é que indico, está bem claro na lei”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Moro é o verdadeiro lúcifer. Está em uma gaiola, preso nas grades do inferno, assando e sendo difamado. É o que dá ter vendido a alma ao diabo e ter se mancomunado com milicianos sem palavras.
    Bolsonaro trouxe o apocalipse e o julgamento final.

  2. Sérgio Moro é alvo de mais uma humilhação pública de Bolsonaro. E nem pode se queixar, pois quem alegremente aceitou se envolver com merda não tem o direito de reclamar quando lhe cagam na cabeça – pra usar a linguagem do presidente! 😝😝😝😝😝

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome