Nova CPMF esbarra na falta de apoio ao tema no Congresso

A equipe econômica se propõe a dar apoio à desoneração da folha de salários, desde que entre na pauta a nova CPMF

Foto Agência Brasil

Jornal GGN – O governo Bolsonaro tenta, mesmo em plena pandemia, emplacar novamente um novo imposto sobre transações financeiras, ao estilo da CPMF. Atrelou a discussão do novo imposto à desoneração da folha de salários, misturando as propostas que tentam minimizar o impacto da crise ao novo imposto.

Mas o Congresso não está aceitando bem o tema. Mesmo que o governo conte com o apoio de parte do Centrão, aliado de última hora do presidente Jair Bolsonaro, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e a maioria dos líderes de bancada ainda se posicionam contra a criação de impostos. O tema se desvia da proposta dos parlamentares desde antes da pandemia, que é simplificar a cobrança de tributos sobre bens e serviços.

Maia pretende a volta das discussões em torno da reforma tributária. Mas como o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, não tem certeza de que esse deve ser a próxima discussão, o tema deverá ser discutido fora da comissão mista, entre os deputados. Maia mantém seu posicionamento contra novos impostos, mas não descarta outros projetos no tema, como revisão de subsídios e isenções.

Mas Paulo Guedes quer mais. Já negociando com parlamentares, a equipe econômica se propõe a dar apoio à desoneração da folha de salários, desde que entre na pauta a nova CPMF, como compensação de arrecadação. A alíquota em pauta é entre 0,2% e 0,4% sobre toda a economia digital e o comércio eletrônico, inclusive as transações feitas por aplicativos de celular ou na Bolsa de Valores.

Leia também:  Parlamentares se unem em Frente para Fortalecimento do SUS

Com informações do Correio Braziliense

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. O problema não é o imposto, é a receita bisbilhotando nas contas de certa turma……Adib Jatrene já chamava a atenção para isso……..

  2. Quando se é mau caráter, não tem meio-termo.
    Afinal, a canalha não coloca em apreciação o Imposto sobre Grandes Fortunas.
    Provavelmente, afetará o bolso de muito congressista, por exemplo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome