Projeto quer enquadrar movimentos sociais na Lei Antiterrorismo

Lei Antiterrorismo, aprovada em 2016, possui dispositivo que exclui os movimentos sociais da definição de terrorismo (MÍDIA NINJA)

da Rede Brasil Atual

Projeto quer enquadrar movimentos sociais na Lei Antiterrorismo

Autor da proposta diz que pretende pôr fim ao “abuso do direito de articulação”. Para advogada da Artigo 19, texto tem com como objetivo criminalizar movimentos como o MST e o MTST

São Paulo – Um projeto de lei apresentado na Câmara no último dia 7 pelo deputado Jerônimo Goergen (PP-RS) pretende modificar o artigo 2º da Lei 13.260/16, conhecida como Lei Antiterrorismo, para enquadrar manifestações e ocupações promovidas por movimentos sociais como possíveis atos terroristas. Para advogada da ONG Artigo 19 Mariana Rielli, o texto quer criminalizá-los. 

“Fica claro que o objetivo é criminalizar os movimentos sociais. Já acompanhamos outros projetos parecidos com esse e mostra a intenção de tornar a lei mais aplicável a esses grupos. A Constituição garante o direito à manifestação e à liberdade de expressão. A própria Corte Interamericana de Direitos Humanos e outros órgãos são contrários à criação desse tipo de lei”, afirma a advogada à jornalista Marilu Cabañas, na Rádio Brasil Atual.

A Lei Antiterrorismo aprovada em 2016 possui um excludente de tipicidade em relação aos movimentos sociais. “Há uma definição de terrorismo e esse dispositivo diz que movimentos sociais e manifestações com fins reivindicatórios não estão incluídos nessa definição. À época, isso não trouxe uma tranquilidade total para quem acompanhava a tramitação da lei porque ela ainda possui alguns pontos bastante complexos, mas diante do ímpeto criminalizador que ficou evidente nessa tramitação, foi considerado um bom exemplo de redução de anos a existência dessa salvaguarda”, conta.

Leia também:   A covardia das oposições, do Congresso e da mídia, por Aldo Fornazieri

O PL 9.604/2018 quer “criminalizar o abuso do direito de articulação de movimentos sociais”, de acordo com o texto. “Ele traz um exemplo do que seria esse abuso, que é a ocupação de imóveis rurais e urbanos. O que esse projeto de lei possibilitaria é a aplicação da Lei Antiterrorismo contra movimentos como o MST e o MTST”, explica.

O texto aguarda o despacho do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Se terrorismo tem a ver com, colocar medo e um dos meios é o de

    propagar falsidades (fake news) tem uns movimentos praticando terrorismo às claras da lei e apoiado pelo partido justiça/tucano: Movinto Brasil Livre (MBL) e Movimento Vem Pra Rua são dois dos principais culpados pelo ódio está a se alastrar

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome