Reforma política: poucos brasileiros se consideram bem informados

Jornal GGN – Segundo pesquisa realizada pelo Ibope (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística), 2 em cada 3 eleitores a Reforma Política é uma novidade. A pesquisa foi divulgada no jornal Estado de S.Paulo, deste domingo (25).

A pesquisa de abrangência nacional foi realizada entre os dias 15 e 19 de agosto, foram entrevistados 2002 pessoas.

Os dados da pesquisa revelam que apenas 36% disseram ter conhecimento das discussões sobre a Reforma Política, e 7% se consideram bem informado sobre o tema. Outros 34% se avaliaram pouco informados, sendo que a maioria absoluta, 52%, disse que nada sabe sobre o assunto e 7% nem sequer soube responder.

Entretanto, na soma entre os bem e pouco informados, neste caso 41%, a maioria é favor da Reforma, é o que revela a pesquisa: 39% concordam totalmente, 33% concordam em parte e 7% discordam.

Paradoxalmente, os 41% que se julgam bem ou pouco informado conseguiu dizer sobre todos os temas tratados na Reforma. Desses 28% não conseguiu afirmar nenhuma medida específica que vem sendo debatida na Reforma Política.     

Os pontos mais mencionados foram “acabar com os suplentes de senador, votações secretas no Congresso Nacional, com as coligações partidárias e com o voto obrigatório”. Já os mais lembrados foram “a realização de um plebiscito conforme proposto pelo governo federal (18%), mudar a forma de financiamento das campanhas eleitorais (12%) realizar uma constituinte sobre o tema (8%).

Sobre os 7 pontos específicos do que se trata a Reforma Política, o ponto sobre voto secreto apareceu como tema mais popularizado entre os entrevistados. O grande anseio dos brasileiros é saber como os deputados votam.

Segundo a matéria, o baixo nível de conhecimento sobre a proposta de Reforma Política, caracteriza o que chama de “imposição problemática” – a maioria dos entrevistados só tomam conhecimento do que está ocorrendo quando são questionados. Na prática isso significa que, “o apoio ou a rejeição ao projeto estariam sujeitas a grandes variações caso a reforma fosse popularizada via campanhas publicitárias durante a preparação para um plebiscito”, exemplifica a matéria.

Com informações Estado de S.Paulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. A

    A desinformaçao,despolitizaçao em nosso Brasil acontece até nos bancos universitarios com esse ensino pavoroso que praticamos.Na Venezuela o povo comprava na rua os livrinhos com a constituiçao deles,aqui,nem escolas de direito conhece alunos que conhecem a constituiçao.O mercado de informaçao em nosso pais encontra-se escancarado,Falta comunicadores/decencia/politizaçao.O pensador Nietzsche afirmava que o conhecimento acadêmico e erudito puro aborta o impulso critico e naõ é suficiente para a vida em sociedade.Veja o teatro de horrores chamado julgamento do mensalao.No outro extremo o funcionamento do cartel midiatico e sua desonestidade intelectual.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome