Bebê foi infectado com coronavírus no útero, relata estudo

Um bebê nascido em um hospital de Paris em março de uma mãe com Covid-19 deu positivo para o vírus e desenvolveu sintomas de inflamação no cérebro

Gustoimages / Science Source

Do New York Times

Pesquisadores divulgaram na terça-feira (14) fortes evidências de que o coronavírus pode ser transmitido de uma mulher grávida para um feto.

Um bebê nascido em um hospital de Paris em março de uma mãe com Covid-19 deu positivo para o vírus e desenvolveu sintomas de inflamação no cérebro, disse Daniele De Luca, que liderou a equipe de pesquisa e é chefe da divisão de pediatria e cuidados intensivos neonatais nos hospitais universitários de Paris-Saclay. O bebê, agora com mais de 3 meses de idade, se recuperou sem tratamento e “está muito melhorado, quase clinicamente normal”, disse De Luca, acrescentando que a mãe, que precisava de oxigênio durante o parto, é saudável.

De Luca disse que o vírus parece ter sido transmitido através da placenta da mãe de 23 anos.

Desde o início da pandemia, houve casos isolados de recém-nascidos que deram positivo para o coronavírus, mas não há evidências suficientes para descartar a possibilidade de os bebês serem infectados pela mãe após o nascimento, disseram especialistas. Um caso recentemente publicado no Texas, de um recém-nascido que apresentou resultado positivo para Covid-19 e apresentava sintomas respiratórios leves, forneceu evidências mais convincentes de que a transmissão do vírus durante a gravidez pode ocorrer.

No caso de Paris, disse De Luca, a equipe conseguiu testar a placenta, o líquido amniótico, o sangue do cordão umbilical e o sangue da mãe e do bebê.

Os testes indicaram que “o vírus atinge a placenta e se replica lá”, disse De Luca. Em seguida, ele pode ser transmitido ao feto, que “pode ​​ser infectado e apresentar sintomas semelhantes aos pacientes adultos do Covid-19”.

Leia também:  Refundação do Brasil passa por desencarcerar e descriminalizar a cannabis, diz Valois

Um estudo do caso foi publicado na terça-feira na revista Nature Communications.

Yoel Sadovsky, diretor executivo do Instituto de Pesquisa Magee-Womens da Universidade de Pittsburgh, que não participou do estudo, disse que achava que a alegação de transmissão placentária era “bastante convincente”. Ele disse que os níveis relativamente altos de coronavírus encontrados na placenta e os níveis crescentes de vírus no bebê e a evidência de inflamação da placenta, juntamente com os sintomas do bebê, “são todos consistentes com a infecção por SARS-CoV-2”.

Ainda assim, disse Sadovsky, é importante observar que os casos de possível transmissão de coronavírus no útero parecem ser extremamente raros. Com outros vírus, incluindo zika e rubéola, a infecção e a transmissão placentária são muito mais comuns, disse ele. Com o coronavírus, ele disse, “estamos tentando entender o contrário – o que está por trás da proteção relativa do feto e da placenta?”

Outro estudo publicado na terça-feira na eLife, uma revista de pesquisa on-line, pode ajudar a responder a essa pergunta. Ele descobriu que, embora as células da placenta possuíssem muitas das proteínas receptoras que permitem a propagação do vírus, havia evidências de apenas quantidades “desprezíveis” de um receptor-chave da superfície celular e uma enzima que se sabe estar envolvida em permitir a entrada do coronavírus. células e replicar. O estudo foi liderado pelo Dr. Robert Romero, chefe do ramo de pesquisa em perinatologia do Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano Eunice Kennedy Shriver .

Leia também:  Quando a Covid cedeu, Israel reabriu suas escolas. Não foi bem

O relatório dos médicos de Paris disse que a mulher estava grávida de 35 semanas quando chegou ao hospital com febre e tosse que ela desenvolveu alguns dias antes em uma gravidez saudável. Ela testou positivo para o coronavírus. Após três dias, o monitoramento cardíaco fetal indicava sinais de angústia e o bebê foi entregue por cesariana de emergência.

O bebê foi colocado na unidade de terapia intensiva neonatal e conectado a um ventilador por cerca de seis horas, relataram os autores. Ele parecia estar indo bem, mas no terceiro dia ficou irritado, teve problemas para se alimentar e experimentou espasmos musculares e rigidez.

Uma varredura cerebral mostrou alguma lesão na substância branca, que De Luca disse que se assemelhava a sintomas de meningite ou inflamação no cérebro. Ele testou negativo para outros vírus ou infecções bacterianas que poderiam ter causado esses sintomas, enquanto os testes de sangue e fluidos dos pulmões foram positivos para a infecção por coronavírus, disseram os autores. O bebê se recuperou gradualmente e deixou o hospital após 18 dias.

Os autores disseram que os níveis mais altos do coronavírus foram encontrados na placenta, mais altos que os do líquido amniótico e no sangue da mãe e do bebê, o que o Dr. De Luca disse sugerir que o vírus poderia se replicar na placenta. células.

De Luca, que também é presidente eleito da Sociedade Europeia de Terapia Intensiva Pediátrica e Neonatal, disse que sua equipe está analisando outros casos suspeitos de transmissão placentária do coronavírus.

Leia também:  Facebook remove post de página oficial de Trump

“Isso será útil para clínicos e formuladores de políticas, a fim de gerenciar mulheres grávidas, verificar recém-nascidos e reduzir o risco de transmissão viral de mães para recém-nascidos”, disse ele, acrescentando: “A boa notícia é que o bebê se recuperou espontânea e gradualmente, apesar de tudo”. isso e isso confirma que a doença é mais branda no início da infância. ”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome