Coronavírus: A vacina Oxford AstraZeneca apresenta até 90% de eficácia

Esta é a terceira vacina a produzir resultados de eficácia, seguindo a Pfizer/BioNTech e a Moderna, cujas vacinas foram feitas com uma tecnologia diferente.

Foto BBC

Jornal GGN – A vacina desenvolvida no Reino Unido pela Oxford University e AstraZenca pode proteger 70,4% das pessoas contra doenças e, em um resultado surpreendente, até 90% se uma primeira dose mais baixa for usada. Estes são os resultados mostrados pelo estudo final.

Esta é a terceira vacina a produzir resultados de eficácia, seguindo a Pfizer/BioNTech e a Moderna, cujas vacinas foram feitas com uma tecnologia diferente. Pfizer e Moderna relataram quase 95% de eficácia e a Pfizer solicitou uma licença nos EUA e no Reino Unido.

Embora os resultados de Oxford possam não parecer tão bons imediatamente, os cientistas dizem que não são comparáveis, porque incluíram pessoas que ficaram levemente doentes, bem como gravemente doentes, ao contrário dos outros dois. A vacina da Oxford tem algumas grandes vantagens, porque é estável em geladeira, facilmente transportada e usada em qualquer lugar do mundo. Também é substancialmente mais barata, cerca de £ 3 a dose, em vez de mais de £ 20 para os outros.

O Reino Unido pré-encomendou doses de 100 milhões da vacina Oxford, que é fundamental para seus planos de vacinação contra a pandemia. A produção já começou e 4 milhões de doses foram fornecidas até agora, que não podem ser usadas até que a vacina seja licenciada.

É importante ressaltar que Oxford/AstraZeneca já demonstrou que a vacina funciona tão bem em pessoas mais velhas como em grupos mais jovens e é segura. Existem indícios iniciais de que também pode ajudar a interromper a transmissão da doença.

Leia também:  Caos em Manaus: Polícia apreende 33 cilindros de oxigênio escondidos em caminhão

“O anúncio de hoje nos leva mais perto do momento em que podemos usar vacinas para acabar com a devastação causada pela [Covid-19]”, disse a professora Sarah Gilbert da Universidade de Oxford, que liderou a pesquisa. “Continuaremos trabalhando para fornecer informações detalhadas aos reguladores. É um privilégio fazer parte deste esforço multinacional, que vai trazer benefícios para todo o mundo”.

Os cientistas disseram que não conseguiam explicar por que uma primeira dose mais baixa parecia oferecer uma proteção melhor. “Achamos que, ao dar uma primeira dose menor, estamos preparando o sistema imunológico de forma diferente – estamos configurando-o melhor para responder”, disse o professor Andrew Pollard, diretor do Oxford Vaccine Group e investigador-chefe do estudo.

“E o que não sabemos neste momento é se essa diferença está na qualidade ou na quantidade da resposta imunológica. E isso é algo que iremos investigar nas próximas semanas”.

Gilbert acrescentou: “Pode ser que, ao dar uma pequena quantidade da vacina para começar e continuar com uma grande quantidade, essa seja a melhor maneira de colocar o sistema imunológico em ação e nos dar a resposta imunológica mais forte e mais eficaz resposta.”

Aqueles que receberam meia dose e dose completa quatro semanas depois estavam em um grupo menor de 3.000 pessoas, das quais 90% estavam protegidas contra Covid. No grupo maior, com duas doses completas, com quatro semanas de intervalo, a eficácia foi de 62%. Nos EUA, os testes deram apenas duas doses completas e o outro regime agora precisará ser testado.

Leia também:  TRF-1 nega pedido do governo Bolsonaro e mantém suspensão do Enem no Amazonas

A análise provisória é baseada em 131 infecções entre os participantes, metade dos quais recebeu a vacina, enquanto o restante, em um grupo de controle, recebeu uma vacina contra meningite comprovada. A AstraZeneca ainda está coletando dados, mas disse que enviaria imediatamente suas evidências para aprovação emergencial da vacina em todo o mundo.

“Essas descobertas mostram que temos uma vacina eficaz que salvará muitas vidas”, disse Pollard. “Com entusiasmo, descobrimos que um de nossos regimes de dosagem pode ser cerca de 90% eficaz e, se esse regime de dosagem for usado, mais pessoas podem ser vacinadas com o fornecimento planejado de vacina.

“O anúncio de hoje só é possível graças aos muitos voluntários em nosso teste e à equipe talentosa e trabalhadora de pesquisadores em todo o mundo.”

Com informações do The Guardian.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. E o negacionista e cloroquinista Osmar Terra que dia destes, ao postar que havia sido positivado pelo vírus Sars-coV-2, mencionou que iria iniciar seu tratamento com a cloroquina. Nada adiantou e agora teve de ser internado em hospital, situação que na visão de seu amigo presidente, entraria na maricagem. O que se espera é que com as melhoras, Osmar possa sair com sequelas permanentes de empatia, sensatez, respeito ao próximo e amor pela ciência.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome