Coronavírus: África ultrapassa a marca de dois milhões de infectados; mas há subnotificação

A UA acredita que muitas infecções e mortes por Covid-19 no continente de cerca de 1,3 bilhão de pessoas não estão sendo registradas.

Foto El País

Jornal GGN – A África registrou 2.013.388 casos no continente, o que representa menos de 4% do total de casos do mundo. Comparado com outras regiões ao redor do mundo, foi um crescimento lento, disseram os Centros Africanos para Controle e Prevenção de Doenças.

O órgão de saúde da União Africana (UA) relatou este número, mas paira sobre o continente o problema da subnotificação de casos. A UA acredita que muitas infecções e mortes por Covid-19 no continente de cerca de 1,3 bilhão de pessoas não estão sendo registradas. Até o momento, foram relatadas menos de 48.000 mortes por coronavírus.

Países como Sudão, Chade e Egito relataram as maiores taxas de mortalidade em todo o continente: 7,81%, 6,28% e 5,82%, respectivamente.

A África do Sul tem o maior número de casos notificados de COVID-19 do continente, com menos de 750.000, com uma taxa de mortalidade de 2,71%, de acordo com uma contagem da Reuters.

Com o continente representando quase 16,7% da população mundial, cerca de 15 casos de coronavírus são relatados para cada 10.000 pessoas.

O menor número de infecções e mortes na África em comparação com a Europa, América do Sul e os Estados Unidos pode em parte ser atribuído a vários fatores além de uma provável subnotificação.

O vírus atingiu a África mais tarde do que em outros continentes, dando à equipe médica tempo para montar hospitais de campo, fornecer oxigênio e ventiladores e aprender com as melhorias no tratamento.

A África do Sul introduziu um dos bloqueios mais difíceis do mundo no final de março, quando o país havia confirmado apenas 400 casos.

Leia também:  Melatonina produzida no pulmão impede infecção pelo novo coronavírus

Os especialistas também apontam para a demografia do continente.

O risco de desenvolver COVID-19 grave aumenta com a idade, de modo que a população relativamente jovem do continente está provavelmente contribuindo para uma menor taxa de mortalidade geral, dizem os especialistas.

Os governos africanos também têm experiência no combate a doenças infecciosas mortais, como o Ebola, que matou mais de 11.000 pessoas na África Ocidental de 2013 a 2016.

Por isso, as autoridades notaram quando o novo coronavírus começou a se espalhar pelo mundo e muitos adotaram medidas iniciais para conter a disseminação.

Mais recentemente, no entanto, a pandemia está afetando outros serviços de saúde vitais na África, à medida que os países são forçados a redirecionar recursos já esgotados, disse um chefe regional da Organização Mundial da Saúde.

Com informações da Al Jazeera.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome