Coronavírus: Além do vírus, é preciso conter a ignorância

Relatos de membros da comunidade chinesa e de grupos de direitos italianos relatam atos de violência, discriminação e assédio com italianos e turistas de origem chinesa e asiática.

Jornal GGN – O surto de coronavírus provocou uma onda ‘histérica’ e ‘vergonhosa’ de Sinofobia na Itália. Relatos de membros da comunidade chinesa e de grupos de direitos italianos relatam atos de violência, discriminação e assédio com italianos e turistas de origem chinesa e asiática. A reportagem é do Al-Jazeera.

Os incidentes incluem agressões, ameaças de violência sexual, insultos e boicotes a empresas. “O que você está fazendo na Itália? Vá embora! Você está nos trazendo doenças”, disse alguém a um menino chinês italiano de 15 anos antes de dar um soco e um chute no rosto na cidade de Bolonha, ao norte, no dia 2 de fevereiro.

Outros casos foram relatados à reportagem. O problema é que o vírus se tornou uma justificativa para expressar preconceito e ódio, disse uma especialista. ‘Não foi tão ruim durante a epidemia de SARS há 17 anos’, completou.

O novo coronavírus, detectado pela primeira vez em Wuhan, na China, matou mais de 1.800 pessoas e infectou mais 70 mil em todo o mundo. Ele se espalhou por mais de duas dezenas de países, incluindo a Itália com três casos confirmados, mas quase 99% das mortes e infecções relatadas são da China continental.

O governo da Itália reagiu com alarme, suspendendo voos para a China e declarando estado de emergência por seis meses para combater o vírus.

Italianos e ativistas chineses dizem que a desinformação perpetrada por políticos e falsas alegações nas mídias sociais e convencionais resultou em uma ‘atmosfera de ódio’. Procurado, um porta-voz do Ministério da Saúde se recusou a comentar.

Enquanto isso, alguns funcionários públicos pediram que estudantes de origem chinesa e asiática ficassem em casa.

Contribuindo para o caos, o diretor do Conservatório de Música Santa Cecília, uma famosa escola de música da capital italiana, disse que as lições para todos os ‘estudantes orientais’, incluindo os da China, Coréia e Japão, serão suspensas por causa da ‘epidemia chinesa’. Eles só poderiam retornar após uma verificação de saúde, disse o diretor.

O surto viral também forneceu combustível a uma longa campanha anti-imigração de grupos de extrema direita italianos.

Matteo Salvini, ex-vice-primeiro ministro e líder da extrema-direita Lega Nord, pediu o fechamento de todas as fronteiras italianas em 31 de janeiro, dizendo: ‘Precisamos interromper todas as conexões de viagem com a China, isso deveria ter sido feito há muito tempo’.

Além disso, empresas chinesas na Itália estão sendo visadas. Cartazes com os dizeres ‘Coronvírus? Compre italiano. É um dever moral’ foram colocados nas vitrinas de dezenas de empresas chinesas italianas no final de janeiro. Os cartazes exibiam o logotipo do grupo de extrema direita Forza Nuova.

Os italianos chineses com negócios nas diversas cidades já estão sentindo uma queda acentuada nas vendas e negociações. Um lojista disse à Al-Jazeera que ‘todo esse extremismo está acontecendo por causa do que está sendo dito e compartilhado online’. ‘Pessoas sem conhecimento do assunto, mas com milhares de seguidores nas mídias sociais, dizem e reivindicam fatos sem evidências em suas postagens que inevitavelmente incitam ao ódio. Veja o que os políticos dizem online’, disse ele.

A Anistia Internacional ecoou esse sentimento em um comunicado no início deste mês. ‘Informações cientificamente incorretas, afirmações irresponsáveis ​​de políticos e medidas locais incompreensíveis [tomadas contra a disseminação do vírus] levaram a uma onda vergonhosa de Sinofobia’, disse Gianni Ruffin, diretor geral da Anistia Internacional da Itália.

Em 5 de fevereiro, o Corriere Bergamo informou que Maurizio Esti, prefeito da cidade de Solto Collina, no norte, culpou o vírus pelo que os chineses comem. ‘Esses malditos chineses comem tudo. Morcegos, cobras, cães e insetos, devem ser as únicas pessoas a morrer nessa epidemia’, escreveu no Facebook.

Alguns observadores dizem que os meios de comunicação também são os culpados. O TG24, um canal de notícias operado pela Sky Italy, informou em 25 de janeiro que o coronavírus poderia ter vazado de um laboratório militar em Wuhan. Apesar de a denúncia ter sido amplamente desmentida, o diretor do TG24, Paolo Liguori, continuou apoiando o relatório.

Essa alegação foi popularizada pela primeira vez em uma mensagem de áudio no WhatsApp, na qual um homem que afirma ser jornalista italiano em Wuhan disse que o vírus foi vazado por acidente em um laboratório de Wuhan. Mais tarde, o autor da mensagem, um empresário italiano na China, pretendia que fosse uma brincadeira para seus amigos íntimos, segundo o jornal Il Resto del Carlino.

Separadamente, os influenciadores nas mídias sociais também espalharam falsas alegações sobre o coronavírus, aproveitando o pânico para promover produtos.

Giulia Calcaterra, uma estrela de televisão com 750.000 seguidores, postou um vídeo no Instagram em 29 de janeiro, culpando os hábitos alimentares chineses pela suposta epidemia. Ela terminou o vídeo com um código promocional para uma loja online que vende produtos para fitness.

O aumento do sentimento anti-chinês na Itália levou a uma intervenção do presidente italiano Sergio Mattaralla.

Em 6 de fevereiro, ele fez uma visita surpresa à Scuola Daniele Manin, uma escola em Roma frequentada por muitos italianos chineses e onde 45% dos estudantes não são etnicamente italianos. ‘As escolas são para todos, todos devemos aprender a ficar juntos’, disse ele.

Mas Emanuele Russo, presidente da Anistia na Itália, disse que o governo italiano precisa fazer muito mais.

FONTE: AL JAZEERA NEWS

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora