Coronavírus: Cerco de Israel deixa sistema de saúde de Gaza próximo ao colapso

O COVID está se espalhando exponencialmente em Gaza - um dos lugares mais populosos do planeta - especialmente em campos de refugiados, e o ministério da saúde alertou para implicações “desastrosas”.

A Faixa de Gaza é o lar de mais de 2,1 milhões de palestinos [Walid Mahmoud / Al Jazeera]

Jornal GGN – Cidade de Gaza – Um rápido aumento nas infecções por coronavírus na Faixa de Gaza atingiu um “estágio catastrófico”, com o sistema médico do enclave palestino bloqueado provavelmente entrando em colapso em breve, alertam as autoridades de saúde.

O COVID está se espalhando exponencialmente em Gaza – um dos lugares mais populosos do planeta – especialmente em campos de refugiados, e o ministério da saúde alertou para implicações “desastrosas”.

O Dr. Fathi Abuwarda, conselheiro do ministro da Saúde, disse à Al Jazeera que o recente aumento nas infecções pode se tornar incontrolável em breve, com centenas de pessoas contraindo o vírus todos os dias e sem nenhum lugar para tratá-las.

“Entramos na fase de catástrofe e se continuarmos assim, o sistema de saúde entrará em colapso”, disse Abuwarda. “A melhor solução é um bloqueio total por 14 dias, o que permitirá que as equipes médicas controlem e combatam o vírus, mantendo abertas apenas lojas que fornecem alimentos”.

Abuwarda disse que o ministério da saúde preparou o Hospital Europeu de Gaza para tratar pacientes com COVID-19, mas a capacidade do hospital era insuficiente, com 300 dos 360 leitos já ocupados.

“Na Faixa de Gaza, existem cerca de 500 leitos [hospitalares] espalhados por todo o enclave costeiro…. Mas considerando que cerca de 5.000 palestinos vivem em cada quilômetro quadrado em Gaza, esses hospitais não podem acomodar todos os casos”, disse ele.

A falta de kits de teste de coronavírus e equipamentos de proteção individual (PPE) também está complicando a luta, já que Israel continua a impor restrições ao fornecimento de medicamentos que chegam a Gaza.

Leia também:  Covid-19: Bolsonaro ironiza eficácia da Coronavac e ignora sua proteção definitiva sobre casos fatais

Gaza tem estado sob um cerco de terra, ar e mar por mais de 13 anos por Israel e Egito, isolando-se do resto do mundo. As primeiras esperanças de que o isolamento de Gaza a pouparia da pandemia foram destruídas, pois a região costeira densamente povoada ficou sob grave ameaça com um sistema de saúde dilapidado que é incapaz de lidar com o número de pacientes.

Em 24 de agosto, apenas quatro palestinos foram infectados com o vírus na Faixa de Gaza. Até segunda-feira, 23, 14.768 pessoas haviam contraído COVID-19, com 65 mortes. O número de casos críticos é de 79.

As autoridades dizem que o cerco de Israel é uma sentença de morte para os pacientes do COVID-19 de Gaza.

“A Faixa de Gaza carece de máquinas geradoras de oxigênio, ventiladores, equipamentos de proteção e materiais de higiene”, disse o Dr. Basim Naim, chefe de relações internacionais do governo liderado pelo Hamas.

“Trinta e dois por cento dos medicamentos básicos e 62% dos medicamentos e materiais para laboratórios médicos não estão disponíveis.”

O ex-ministro da saúde exortou a comunidade internacional e as agências de ajuda a intervir imediatamente para impedir a “catástrofe iminente”, acusando Israel de restringir a entrada de suprimentos médicos sob “o pretexto de segurança”.

“A liderança do Hamas não aceitará a morte do povo palestino, seja por passar fome, seja por deixá-los morrer devido à pandemia”, disse Naim. “Apelamos à comunidade internacional para nos fornecer os recursos financeiros necessários para comprar todos os itens necessários para combater o vírus.”

Leia também:  Bolsonaro tentou sabotar combate ao Covid-19, diz relatório mundial

Salama Marouf, chefe do escritório de informações do governo, ressaltou a necessidade de trazer ventiladores salva-vidas para Gaza. Ele acrescentou que “todas as medidas estão sobre a mesa agora, incluindo um bloqueio total” para manter as infecções sob controle.

As autoridades dizem que, apesar da mediação egípcia, Israel ainda se recusa a permitir a entrada de ventiladores em Gaza, condicionando a concessão dessa permissão à devolução dos corpos dos soldados mantidos pelo Hamas desde a guerra israelense de 2014 em Gaza.

A Faixa de Gaza – uma área costeira de 100 km de extensão (45 milhas) que abriga mais de 2,1 milhões de palestinos – foi uma das últimas regiões a ser atingida pelo COVID-19 em todo o mundo.

Mas muitas pessoas aqui ignoraram os conselhos para usar máscaras, realizaram grandes festas de casamento e protestos contra a ocupação de Israel e continuam a socializar em reuniões de massa.

Abuwarda destacou a “falta de compromisso” entre os palestinos no que diz respeito ao uso de máscaras, distanciamento social e prática de higiene adequada. “Devemos contar com a conscientização das pessoas para impedir a disseminação do vírus”, disse ele.

O influxo de pacientes com coronavírus em hospitais regulares também ameaça aqueles com outras doenças.

“Esses hospitais não estão totalmente preparados para lidar com pacientes COVID-19 e terão um impacto negativo no serviço médico prestado a pacientes normais”, disse Naim.

Muitos palestinos eram a favor de que o governo tomasse medidas drásticas para conter a rápida disseminação do coronavírus.

Leia também:  Drauzio Varella: Coronavac é capaz de ajudar a frear a pandemia

Mas algumas autoridades dizem que não podem impor um bloqueio geral, já que as necessidades essenciais mínimas das pessoas não seriam atendidas devido ao estado de deterioração da economia.

Ahmad Abu Mustapha, 35, proprietário de uma loja de equipamentos elétricos, pediu ao governo que aplique um bloqueio total para “ajudar a salvar vidas”, mesmo que isso inflija problemas econômicos.

“Tememos por nós mesmos, nossas famílias e filhos. Queremos um bloqueio total, mesmo que isso nos prejudique economicamente”, disse Mustapha.

O jornalista Hassan Islayih, 32, concordou com a necessidade de parar o movimento na Faixa de Gaza, observando que “a consciência das pessoas não é como deveria ser”.

“Hoje a situação é perigosa. Algumas pessoas perderão seus empregos, o que é triste, mas não há outra solução a não ser um bloqueio total”, disse ele.

Com informações da Al Jazeera.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome