Coronavírus: etnia munduruku perde duas lideranças em 24 horas

Cacique Vicente Saw e Amâncio Ikon Munduruku perderam a vida para o vírus; até o momento, cinco anciões da etnia morreram em meio à pandemia

Amâncio Ikon Munduruku faleceu aos 59 anos, vítima do novo coronavírus. Foto: Reprodução/Facebook - Associação Indígena Pariri - Munduruku, Médio Tapajós

Jornal GGN – A etnia indígena munduruku perdeu duas lideranças em 24 horas para o coronavírus: Amâncio Ikon Munduruku, aos 59 anos, e o cacique Vicente Saw, aos 71 anos.

Com isso, a etnia perdeu cinco anciões para a doença até o momento: além de Amâncio e Vicente, morreram Jerônimo Manhuary (86 anos), Angélico Yori (76 anos) e Raimundo Dace (70 anos). Outros seis Munduruku estão internados em estado grave nas cidades paraenses de Jacareacanga e Itaituba.

O anúncio foi feito pela Associação Indígena Pariri – Munduruku, Médio Tapajós. “Nosso choro também vem trazer a memória de uma vida de muita luta, sempre com serenidade e alegria. Também uma vida de dedicação e ensinamentos a seus filhos, familiares, parentes e amigos”m diz a entidade, em nota.

Amâncio Ikon Munduruku esteve em sua casa com febre e falta de ar durante cinco dias até ser encaminhado a uma Unidade de Pronto Atendimento em Itaituba, onde testou positivo para COVID-19.

“Com muito esforço dos nossos parceiros e principalmente da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, conseguimos que fosse transferido para um hospital em Belém, pois a cidade de Itaituba não tem uma estrutura de UTI minimamente capaz de atender os casos graves”, diz a associação. “O descaso do Governo com a saúde pública e a precariedade de atendimento na saúde indígena não são por acaso. Todos os que sempre se omitiram e ignoraram nossas reivindicações pela saúde e os que agora se omitem diante dessa situação emergencial e descontrolada são responsáveis”.

Leia também:  Jornalista da Folha não cometeu crime em artigo sobre Bolsonaro

Amâncio foi um dos fundadores da Associação Indígena Pariri, em 08 de novembro de 1998. Até 2005, esteve na coordenação da entidade e atualmente era vice-coordenador, somando mais de vinte anos de luta. À frente da Associação, realizou inúmeros projetos e conseguiu introduzir a educação bilíngue nas aldeias do médio Tapajós.

Junto a associações do alto Tapajós, atuou na defesa dos direitos territoriais do povo Munduruku e dos direitos indígenas em geral. Participou ativamente do Ibaorebu, projeto de educação diferenciada, e se formou em Agroecologia em 2015.

“Seus conhecimentos sobre a história e o pensamento do nosso povo fizeram dele um grande professor para todos nós. Seus saberes foram e são fundamentais para os processos de demarcação de nossas terras e para despertar nos jovens o orgulho de ser Munduruku”, diz a associação.

 

Leia Também
Coronavírus: OMS anuncia retomada de estudos com hidroxicloroquina
Governo Bolsonaro será investigado por falta e atraso de investimentos no combate ao Covid-19
Coronavírus: Bolsonaro veta uso de R$ 8,6 bi no combate à pandemia

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome