Coronavírus: EUA registra o maior número de mortes diárias desde maio

Foram também mais de 187.000 novos casos confirmados na quinta, mais um recorde para a contagem diária de infecções.

Foto iG

Jornal GGN – Foram 2.015 mortes registradas na quinta, dia 20, o maior número de mortes em um único dia ocorrida nos Estados Unidos desde maio. Os dados são da Universidade Johns Hopkins. Um especialista da Casa Branca alertou para o agravamento da disseminação da doença.

Foram também mais de 187.000 novos casos confirmados na quinta, mais um recorde para a contagem diária de infecções.

Poucas semanas depois que os EUA ultrapassaram os 100.000 novos casos em um único dia no início deste mês, novos casos estão agora a caminho de atingir a marca diária de 200.000.

Na quarta-feira, o total de mortes no país devido à Covid-19 chegou a 250. Pelo menos 11 milhões de americanos foram infectados com o vírus durante o curso da pandemia, que começou a atingir os Estados Unidos em janeiro.

Este mês, o número de americanos hospitalizados atualmente com o coronavírus foi o maior de todos os tempos, ultrapassando 80.000 pessoas em todo o país na quinta-feira, de acordo com o Covid Tracking Project.

Ao contrário dos surtos anteriores do vírus, o aumento nos casos não está concentrado em uma única região. Os casos têm aumentado em quase todos os estados, um cenário preocupante à medida que a temporada de férias nos EUA começa.

Especialistas em saúde pública vêm implorando ao público americano há semanas para limitar ou cancelar qualquer reunião tipicamente vista por volta do Dia de Ação de Graças. Uma nova campanha publicitária de uma coalizão de sistemas de saúde em todo o país implora que os americanos usem máscaras, à medida que os hospitais ficam mais lotados.

Leia também:  Bolsonaro tentou sabotar combate ao Covid-19, diz relatório mundial

Os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) divulgaram novas diretrizes em torno do Dia de Ação de Graças que reitera que “ficar em casa é a melhor maneira de proteger a si e aos outros este ano”. A maioria dos estados tem algum tipo de quarentena obrigatória para viajantes, com algumas exceções para aqueles que apresentam teste negativo para o vírus.

Na quinta-feira, o Dr. Anthony Fauci, o maior especialista em doenças infecciosas do país, fez sua primeira aparição em uma coletiva de imprensa sobre coronavírus na Casa Branca, após meses sendo afastado por Donald Trump e evitando infecções nos principais círculos de Trump. No pódio, Fauci destacou a importância de “medidas simples de saúde pública” à medida que o país se aproxima de uma vacina para o vírus.

“Usar máscara, distância social, evitar ambientes fechados, fazer coisas na medida em que podemos ao ar livre e dentro de casa”, disse Fauci. “Se fizermos isso, seremos capazes de adiar as coisas até que a vacina chegue.”

Especialistas em saúde pública acreditam que uma vacina pode estar disponível para os americanos com a maior prioridade até o final deste ano. Na sexta-feira, a farmacêutica Pfizer disse que pediu à Food and Drug Administration para aprovar o uso emergencial de sua vacina Covid-19. Na coletiva de imprensa da Casa Branca, Fauci elogiou as vacinas desenvolvidas pela Pfizer e pela Moderna, outra empresa farmacêutica, vista em testes clínicos.

“Precisamos realmente dobrar as medidas de saúde pública, pois esperamos que essa ajuda chegue, o que acontecerá em breve”, disse ele.

Leia também:  Drauzio Varella: Coronavac é capaz de ajudar a frear a pandemia

Com informações do The Guardian.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Até Janeiro, quando será chutado da casa branca, este doido vai engrossar muito estes números de contágio e óbitos.
    O pior, é que como os débeis mentais tupiniquins só importam dos eua o que não presta, vamos nos preparar para novas tragédias.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome