Coronavírus: Reino Unido registra o maior número de mortes na Europa

Na Inglaterra e País de Gales são 29.648 mortes até 2 de maio. Ao adicionar Escócia e Irlanda do Norte, o número de mortos no Reino Unido salta para 32.313, de acordo com a Reuters.

Jornal GGN – O Reino Unido registra mais de 32 mil mortes. Isso o coloca no pior recorde da Europa, ultrapassando a Itália como o país mais atingido. Na Inglaterra e País de Gales são 29.648 mortes até 2 de maio, com o Covid-19 registrado nos atestados de óbito. Ao adicionar Escócia e Irlanda do Norte, o número de mortos no Reino Unido salta para 32.313, de acordo com a Reuters.

Este número é superior ao registrado na Itália, que chega a 29.029 mortos, e até agora o país mais atingido da Europa. O total da Itália não inclui casos suspeitos.

Especialistas alertam contra comparações internacionais, afirmando que o número de excesso de mortalidade – o número de mortes por todas as causas que excedem a média da época do ano – é um indicador muito significativo.

Os últimos números para a semana que termina em 24 de abril mostram que houve 21.997 mortes, o que representa 11.539 a mais que a média daquela semana. Mas o número total semanal de mortes diminuiu ligeiramente em 354 mortes. Essa foi a primeira redução nas mortes semanais desde o início do surto e confirma outros números que mostram que o Reino Unido passou do pico de infecções.

Os números também mostram que as mortes hospitalares aumentaram mais lentamente na semana que terminou em 24 de abril do que na semana anterior e as mortes em casas de repouso por todas as causas aumentaram de 595 para 7.911.

Das mortes por coronavírus registradas até 1º de maio na Inglaterra e no País de Gales, 6.686 ocorreram em casas de repouso, o que representou 22,5% de todas as mortes por vírus nesse momento, mostram os números do ONS.

A vice-líder da Labour, Angela Rayner, twittou que os números das casas de repouso mostraram que era “sem sentido” falar em ter passado do pico do surto, como Boris Johnson afirmou na semana passada.

Leia também:  Vídeo: Movimento negro, candidatura coletiva e feminismo para os 99%, com Paula Nunes

Na última semana, as mortes em casas de repouso foram de 35% do total de mortes. Tem subido constantemente. Foi 26% há duas semanas.

Pela primeira vez na semana passada, o governo começou a incluir dados sobre mortes fora de hospitais nos casos em que as pessoas tinham resultado positivo para coronavírus, nos números diários de mortes por esse vírus.

Por outro lado, os números incluem todas as mortes em que o Covid-19 é mencionado nos atestados de óbito.

A Itália rapidamente se tornou o centro do surto de coronavírus na Europa, com as primeiras mortes no final de fevereiro, e foi o primeiro país europeu a entrar em confinamento.

À medida que o número de mortos aumentava, também aumentou o número de artigos que revelavam o que havia de errado. A grande população envelhecida da Itália, a cultura de interações sociais próximas e as cidades densamente povoadas, bem como a falta de tempo para se preparar e uma lenta resposta inicial ao vírus estão entre os motivos citados pelos quais o país foi tão atingido.

Jenny Harris, vice-diretora médica da Inglaterra, alertou contra comparações internacionais.

Falando aos deputados minutos após a divulgação dos números, ela disse: “É extremamente difícil comparar os países no momento. Precisamos não apenas olhar os números claramente, mas as taxas. O óbvio é a idade e as taxas de mortalidade padronizadas por milhão de habitantes. Esses não são os números relatados rotineiramente, por isso é realmente difícil fazer comparações diretas.”

Leia também:  O que é imunidade de rebanho e por que "não se aplica" a Covid-19

Com informações do The Guardian

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome