Coronavírus: Vacinação inicial em Israel traz esperança, aponta estudo preliminar

Estudos preliminares apontam para uma queda significativa na infecção após apenas uma dose de vacina de duas doses e resultados melhores após a segunda dose.

Foto BBC

Jornal GGN – Os primeiros resultados da vacinação contra o coronavírus na população em Israel traz um alento: estudos preliminares apontam para uma queda significativa na infecção após apenas uma dose de vacina de duas doses e resultados melhores após a segunda dose.

Baseados na vacina Pfizer-BioNTech, os estudos são preliminares e ainda não submetidos a testes clínicos. Mesmo assim, o Dr. Anat Ekka Zohar, vice-presidente da Maccabi Health Services, uma das organizações israelenses de saúde, que divulgou os dados, considerou o resultado inicial ‘muito encorajador’.

No primeiro relatório inicial, o Clalit, o maior fundo de saúde de Israel, comparou 200.000 pessoas com 60 anos ou mais que receberam a primeira dose da vacina com um grupo equivalente de 200.000 que ainda não haviam sido vacinados. Ele disse que 14 a 18 dias após suas vacinas, os pacientes parcialmente vacinados tinham 33 por cento menos probabilidade de serem infectados.

Quase ao mesmo tempo, o braço de pesquisa do Maccabi disse ter encontrado uma queda ainda maior nas infecções após apenas uma dose: uma redução de cerca de 60 por cento, 13 a 21 dias após a primeira injeção, nas primeiras 430 mil pessoas a recebê-la.

O Maccabi não especificou uma faixa etária ou se comparou os dados com um grupo compatível não vacinado.

Na segunda-feira, o Ministério da Saúde israelense e o Maccabi divulgaram novos dados sobre pessoas que receberam as duas doses da vacina, mostrando taxas de eficácia extremamente altas.

O ministério descobriu que de 428.000 israelenses que receberam sua segunda dose, uma semana depois, apenas 63, ou 0,014 por cento, contraíram o vírus. Da mesma forma, os dados do Maccabi mostraram que, mais de uma semana depois de receber a segunda dose, apenas 20 das cerca de 128.600 pessoas, cerca de 0,01%, contraíram o vírus.

Em testes clínicos, a vacina Pfizer se mostrou 95 por cento eficaz após duas doses na prevenção da infecção por coronavírus em pessoas sem evidência de infecção anterior. Os resultados israelenses, se se confirmarem, sugerem que a eficácia pode ser ainda maior, embora comparações rigorosas com pessoas não vacinadas ainda não tenham sido publicadas.

“Esses dados são muito encorajadores”, disse Zohar. “Vamos monitorar esses pacientes de perto para examinar se eles continuam a sofrer apenas de sintomas leves e não desenvolvem complicações como resultado do vírus.”

Tanto Clalit quanto Maccabi alertaram que suas descobertas eram preliminares e disseram que logo seriam seguidas por análises estatísticas mais aprofundadas em publicações científicas revisadas por pares.

Israel, onde mais de 40% da população já recebeu a primeira dose da vacina, tornou-se uma espécie de caso de teste internacional para eficácia da vacinação.

Com sua pequena população, sistema de saúde universal altamente digitalizado e implementação rápida de vacinas com auxílio militar, os dados de Israel fornecem um suplemento útil para testes clínicos para pesquisadores, empresas farmacêuticas e legisladores.

Com informações do The New York Times.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora