Desigualdade nas vacinas cria ‘falha moral catastrófica’, diz OMS

Tedros disse que mais de 39 milhões de doses de vacinas foram administradas em 49 estados mais ricos, mas uma nação pobre tinha apenas 25 doses.

Jornal GGN – O chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus disse que o mundo enfrenta uma ‘falha moral catastrófica’ em decorrência das políticas desiguais de vacinas da Covid. Para ele, não é justo que pessoas mais jovens e saudáveis em países ricos recebam vacinas antes de pessoas vulneráveis em países mais pobres.

Tedros disse que mais de 39 milhões de doses de vacinas foram administradas em 49 estados mais ricos, mas uma nação pobre tinha apenas 25 doses.

Até agora, China, Índia, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos desenvolveram vacinas Covid, com outras sendo feitas por equipes multinacionais – como a vacina americana-alemã Pfizer. E essas nações priorizaram a distribuição para suas próprias populações.

“Preciso ser franco: o mundo está à beira de um fracasso moral catastrófico – e o preço desse fracasso será pago com vidas e meios de subsistência nas pessoas mais pobres do mundo países”, disse Tedros.

O Dr. Tedros disse que uma abordagem “eu primeiro” seria contraproducente porque aumentaria os preços e encorajaria a acumulação. “Em última análise, essas ações apenas prolongarão a pandemia, as restrições necessárias para contê-la e o sofrimento humano e econômico”, acrescentou.

E o chefe da OMS pediu um compromisso total com o esquema global de compartilhamento de vacinas Covax, que deve começar a ser lançado no próximo mês.

“Meu desafio a todos os Estados membros é garantir que, quando o Dia Mundial da Saúde chegar, em 7 de abril, as vacinas da Covid-19 sejam administradas em todos os países, como um símbolo de esperança para superar a pandemia e as desigualdades que existem no raiz de tantos desafios de saúde global “, disse o Dr. Tedros.

Até agora, mais de 180 países assinaram a iniciativa Covax, que é apoiada pela OMS e grupos internacionais de defesa de vacinas. Seu objetivo é unir os países em um bloco para que tenham mais poder de negociação com as empresas farmacêuticas.

Noventa e dois países – todos de baixa ou média renda – terão suas vacinas pagas por um fundo patrocinado por doadores.

“Conseguimos dois bilhões de doses de cinco produtores, com opções de mais de um bilhão de doses a mais, e pretendemos iniciar as entregas em fevereiro”, disse o Dr. Tedros.

Com informações da BBC News.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora