Doria inicia vacinação contra covid-19 logo após reunião da Anvisa

Enfermeira do Emílio Ribas recebeu primeira dose da vacina; governador de São Paulo criticou o regime militar e alfinetou o presidente Jair Bolsonaro

O governador João Doria (PSDB, à esq) e a enfermeira Mônica Calazans, que recebeu a primeira dose da vacina contra covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan. Foto: GOVSP/via fotospublicas.com

Jornal GGN – O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), oficializou o início da campanha de vacinação contra a covid-19 no Estado logo após a reunião da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) que aprovou por unanimidade o uso emergencial da Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

A primeira dose da medicação foi aplicada na enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, e que trabalha na UTI do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Moradora de Itaquera, na zona leste de São Paulo, ela é obesa, hipertensa e diabética, e esteve no grupo placebo dos testes da vacinação.

“Hoje é o dia V, hoje é o dia da vacina. É o dia da vitória, é o dia da verdade, é o dia da vida”, diz Doria, citando ainda as 209 mil pessoas que perderam a vida durante a pandemia. “A vitória de hoje, o dia V da vacina, o dia V da vida, é daqueles que valorizam e trabalham pela vida, e bem ao contrário daqueles que nos últimos 11 meses flertaram com a morte”, disse Doria, durante a coletiva, onde não perdeu a oportunidade de alfinetar o presidente Jair Bolsonaro.

“(A vacina é) Um triunfo da ciência, o triunfo da vida contra os negacionistas, contra aqueles que preferem o cheiro da morte ao invés do valor e da alegria da vida”, disse Doria. “Foi uma vitória importante, a vitória da vida. Que sirva de lição para os negacionistas, para os que não têm compaixão, para os que não têm amor no coração, para os que desprezam a vida e se distanciam da realidade de um país que sofre, e sofre com a morte.

Ainda segundo Doria, a coronavac é uma conquista que fortalece milhões de pessoas que defendem a vida – “homens e mulheres que, no Brasil, tiveram a coragem de enfrentar negacionistas, mentiras, fake news, agressões, destemperos e palavrões para defender a vida”.

O governador de São Paulo chegou a fazer referências à ditadura militar, publicamente defendida por Bolsonaro, afirmando que vivenciou com os pais “as agruras da ditadura militar no Brasil, que acelerou a morte da minha mãe e do meu pai”.

“Hoje, eu também dedico a esse dia ao meu pai e à minha mãe, e a muitos pais, mães e avós de exilados que, como eu, como meu irmão Raul e tantos outros, sofreram as agruras de um regime autoritário. Hoje também, com a vacina, é a vitória da democracia, da liberdade, da saúde, da existência, que sirva de lição aos que flertam com a morte e aos que flertam com o autoritarismo”.

 

Leia Também
Enfermeira do Emílio Ribas é a primeira a receber dose da Coronavac
Anvisa recomenda uso emergencial de Coronavac
Coronavírus: Doria lançará campanha neste domingo
Governo Bolsonaro cancela compra de Boeing que poderia ajudar Manaus

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora