FHC, Temer e Sarney vão a ato de Doria para defender vacina

"O objetivo do encontro é institucional, para a valorização da vida, da existência, da saúde e da proteção do povo brasileiro", disse Doria, negando o tom político

Dória posando com os três ex-presidentes do PSDB e MDB, com o "V de vacina" - Foto: Reprodução

Jornal GGN – O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), decidiu reunir três ex-presidentes – Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Michel Temer (MDB) e José Sarney (MDB) – em um evento para defender a vacinação contra a Covid-19, nesta segunda-feira (25).

Enquanto FHC esteve presencialmente no evento, Sarney e Temer participaram por videoconferência. De olho nas eleições presidenciais 2022, Doria afirmou que o ato não era político e que havia convidado todos os ex-presidentes. Dilma e Lula recusaram, assim como Collor.

“O objetivo do encontro é institucional, para a valorização da vida, da existência, da saúde e da proteção do povo brasileiro”, disse Doria, acompanhado de figuras importantes, fotos posadas com o “V de vacina” e falas de impacto.

Em suas declarações, os ex-presidente somente defenderam a vacinação, sem criticar diretamente Jair Bolsonaro. “A defesa que temos é vacina. É fácil dizer ‘fique em casa’ para quem tem casa. Minhas primeiras palavras são para aqueles que não têm como se defender”, disse FHC.

“O Brasil tem que aproveitar esse momento para sentir solidariedade prática”, continuou o ex-presidente e líder tucano, em tom de apelo.

“A presença de ex-presidentes aqui revela que há preocupação grande em torno da manutenção da vida. É algo essencial. Estou na fila e quando chegar minha vez, tomarei essa vacina”, concordou Temer.

“É hora de juntarmos esforços para dizer à população brasileira que colabore com autoridades sanitárias e com governos federal, estadual e municipal nessa luta”, disse o também emedebista José Sarney.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora