Jejum, oração e canalhices presidenciais covardes, por Alexandre Filordi

Segundo Jung, toda religião é “uma existência ou efeito dinâmico não causado por um ato arbitrário”. Ou seja: ela é uma atitude livre do espírito

Os retirantes - Portinari
Jejum, oração e canalhices presidenciais covardes
Por Alexandre Filordi (EFLCH/UNIFESP)

 

Na vultosa obra Psicologia da religião ocidental e oriental, o psicanalista Jung explicou que toda religião é “uma existência ou efeito dinâmico não causado por um ato arbitrário”.  Em outros termos, por ser uma experiência também inconsciente da condição humana, a religião, qual seja ela, é uma atitude livre do espírito humano.

Daí a riqueza e a beleza das expressões religiosas. Cada uma emanaria a centelha inexplicável de ligação com a própria vida. Eis a necessidade também de se respeitar cada dimensão religiosa em sua plena liberdade, pois a fé singular é um encontro livre com a sua própria crença, com a expressão múltipla da força simbólica e dos desejos envolvidos naquilo que se crê e se pratica.

A religião se reduz, contudo, a ato arbitrário ao ultrapassar o limite espontâneo da experiência humana ligada ao simbólico. Assim, quando o cristianismo se transformou em religião oficial de Roma, com Constantino, também se fixou como forma de poder dominante de governamento, distanciando-se da experiência autêntica dos fiéis. O mesmo pode ser dito quando a Inquisição começou deliberadamente a perseguir, a julgar e a matar quem fosse pretensa ameaça à religião oficial.

Não foi diferente com Calvino expulsando de Genebra quem não aderisse ao presbiterianismo no século XVI. De igual modo ocorreu com a matança dos povos autóctones nos processos de colonização – povos destituídos de alma, como se dogmatizava – necessitados de conversão à marra; o mesmo diapasão valeu para os povos africanos escravizados com suas crenças e experiências religiosas idiossincrásicas, quase sempre consideradas diabólicas no caldo dos preconceitos dominantes.

Leia também:  Além de Witzel, outros 7 governadores são alvos por gastos com coronavírus

No Brasil atual, vemos um presidente impondo o jejum e a oração como formas de combate à pandemia do Cov-Sars-2. Seria nobre, se não fosse um ato de cretinice covarde. Cretinice porque fez de tal convocação uma imposição ignorante contra o que é real: a ameaça concreta à vida de milhares de brasileiros, destituídos de amparo social e cuidados básicos de saúde.

Cretinice, pois ao necessitar de exames clínicos, cuidados médicos e intervenções cirúrgicas, o Presidente se dirige aos melhores hospitais e profissionais do Brasil, e não jejua e ora apenas, como deveria fazer. Nesse caso, aliás, a sua fé é faca cega. Cretinice porque manipula a possível fé autêntica de alguns em nome de sua incompetência e de seu delírio face às obrigações elementares que ele deveria executar como chefe de Estado.

O pior, no entanto, é que tal cretinice é covarde. Covarde porque coloca na linha de frente os mais humildes e desprotegidos de recursos quaisquer. Covarde porque faz do aparelho do Estado não uma engrenagem para ações concretas, mas simbólicas. É preciso lembrar que aos famintos Cristo multiplicou os pães e os peixes, não os mandou embora dizendo: “orem e tudo se resolverá”.

Covarde pois o Brasil é um país com pobreza estrutural, cujas pessoas não comem fartamente, ainda mais agora na precarização imposta como modo normal de vida. Covarde porque faz da religião um escudo contra o atestado de seu fracasso absoluto em governar, sem saber o que fazer, quando fazer e por que fazer.

Manipulada dessa forma, a religião se reduz a uma milícia, já que defende exclusivamente os interesses de alguns de modo impositivo, passando por cima de infindas necessidades de outros.

Leia também:  Bolsonaro, o insurgente do Estado democrático de direito, por Francisco Celso Calmon

No tema do jejum e da oração, no entanto, uma coisa, o presidente ignorou. “Sabeis qual é o jejum que eu aprecio? – diz o Senhor Deus: é romper as cadeias injustas, desatar as cordas do jugo, mandar embora livres os oprimidos, e quebrar toda espécie de jugo. É repartir seu alimento com o faminto, dar abrigo aos infelizes sem asilo, vestir os maltrapilhos, em lugar de desviar-se de seu semelhante.” Podem conferir: está na Bíblia, no livro do profeta Isaías, capítulo 58, versículos 6 e 7.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

9 comentários

  1. Excelente contribuição, Alexandre! A hipocrisia sendo desmascarada. Destaco: “É preciso lembrar que aos famintos Cristo multiplicou os pães e os peixes, não os mandou embora dizendo: ‘orem e tudo se resolverá'”.

  2. Excelente Alexandre. Perfeito! Todo seu relato é o fiel retrato da história e da incompetência do actual governante. Que num momento aonde o país necessita da sua liderança e bom senso não o tem. Mais no le podemos pedir peras al Olmo!

  3. Sempre que estão perdendo dinheiro, ocorre esta chamada aos fiéis para restauração do estado anterior de tapeação…
    poderiam orar e jejuar pelos que já morreram, mas mortos não pagam

  4. Alexandre, parabéns!

    “Ao necessitar de exames clínicos, cuidados médicos e intervenções cirúrgicas, o Presidente se dirige aos melhores hospitais e profissionais do Brasil, e não jejua e ora apenas, como deveria fazer”.

    Faça o que eu digo, não o que eu faço.

  5. Ao que tudo indica nesse governo ninguém quer repartir “o alimento com o faminto ou dar abrigo ao sem asilo”, romper com a cadeia de injustiças. A atenção é para os sonegadores e beneficiados pelas renuncias fiscais, pelos juros exorbitantes, financiadores do neofacismo. O presidente hipócrita, cínico, brinca com a fé das pessoas, convoca Deus para a arena política, o transforma em seu avalista. Aos pobres nem mesmo batatas. A estratégia? manipulação. A farsa : eram homens de pouca fé. , Concordo!!! Canalhice presidencial e covardia… seguimos no combate.

  6. Alexandre, você fala sem ter todas as informações, o presidente só convocou esse jejum por pedidos de parte de sua base eleitoral, a liderança evangélica no Brasil, houve essa movimentação por parte dos líderes evangélicos, e ele acatou, afinal de contas se ele eleito foi, deve-de muito a essa fatia da sociedade que não para de crescer e que em 2022 deve reelege-lo novamente.

  7. Alexandre, você fala sem ter todas as informações, o presidente só convocou esse jejum por pedidos de parte de sua base eleitoral, a liderança evangélica no Brasil, houve essa movimentação por parte dos líderes evangélicos, e ele acatou, afinal de contas se ele eleito foi, deve-de muito a essa fatia da sociedade que não para de crescer e que em 2022 deve elege-lo novamente.

  8. A esta o hora bozo,.que certamente nunca acreditou num Deus, deve estar jejuando com a boca ainda engordurada do pernil de ontem.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome