Maia diz que atraso de insumos de vacina da China não tem motivação política

"De forma nenhuma, haveria obstáculos políticos para a exportação dos insumos da China", disse Maia, após conversar com embaixador da China

Foto: Arquivo ABr

Jornal GGN – O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quarta (20) que o atraso dos insumos para a vacina de Oxford e Coronavac, da China, ocorrerá por problemas técnicos e não políticos.

A declaração foi dada após Maia conversar com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, que informou que os insumos chineses para a produção da vacina atrasarão de fevereiro para março.

“Ele [embaixador chinês] abriu a conversa já relatando que, de forma nenhuma, haveria obstáculos políticos para a exportação dos insumos da China”, disse Maia.

A vacina de Oxford e a Coronavac são as únicas autorizadas, até agora, pela Anvisa para o uso emergencial. As doses distribuídas pelo governo brasileiro foram do Instituto Butantan, em parceria com o laboratório chinês. Mas as próximas doses também devem sofrer atraso.

“Ele disse que trabalha junto ao governo chinês para que a gente possa acelerar – a exportação no nosso caso – desses insumos para que possamos restabelecer logo a produção. Entendi a reunião como muito positiva”, afirmou o presidente da Câmara.

Mesmo após ter incluído a vacina no Plano Nacional de Imunização, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, não cessaram as críticas contra o governo chinês e contra a vacina, levantando dúvidas sobre a sua eficácia.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora