Rodrigo Maia nega estender estado de calamidade

Medida tem sido defendida por parlamentares para viabilizar criação do Renda Cidadã, prorrogar o auxílio emergencial e aumentar gastos em 2021

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que não pretende pautar a ampliação do estado de calamidade, declarado neste ano por conta da pandemia do novo coronavírus.

“Prorrogar a calamidade, em tese, vai gerar a prorrogação da PEC da Guerra e, automaticamente, prorrogando a PEC da Guerra vai passar uma sinalização muito ruim para aqueles que confiam e precisam da credibilidade da âncora fiscal para continuar investindo ou voltar a investir nesse país”, disse o presidente da Câmara neste sábado (17/10), segundo informações do portal G1.

O decreto relacionado ao estado de calamidade permitiu à União não cumprir a meta fiscal deste ano e aumentar os gastos para financiar ações de enfrentamento. Tal estado está programado para acabar em 31 de dezembro, mas parte do Congresso defende a extensão do decreto até 20201 para viabilizar o aumento de despesas no próximo ano – assim, seria possível viabilizar a criação do programa Renda Cidadã, ou mesmo prorrogar o auxílio emergencial.

Na visão de Maia, a prorrogação do auxílio ou a criação de um novo programa de distribuição de renda podem favorecer a popularidade no curto prazo, mas isso não se mantém em prazos mais longos.  “O curto prazo pode ser bonito, mas o médio e longo prazo…Temos metade desse governo ainda e, se isso acontecer, o governo vai pagar a conta com a sua popularidade.”

 

Leia Também

Salvador é a capital brasileira que mais rejeita Bolsonaro, aponta Ibope

Guedes confirma fim do auxílio, mas congressistas querem prorrogação

Por elogiar Ustra, Mourão é alvo de queixa-crime no STF

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Vacinação obrigatória será julgada no Supremo em ação de repercussão geral

2 comentários

  1. Ele e Guedes duas almas sebosas, como diz o povão aqui no nordeste. E tem mais, todo o séquito de ambos, que pensa igual: tudo pelo mercado financeiro parasita. O Brasil que se f…, digo, se dane.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome