Rússia é acusada de espionar vacinas contra COVID-19 em desenvolvimento

Centro Nacional de Segurança Cibernética do Reino Unido diz que empresas farmacêuticas e grupos de pesquisa são alvos de um grupo conhecido como APT29

Foto: John Williams / Alamy

The Guardian

Os hackers patrocinados pelo estado russo têm como alvo organizações do Reino Unido, EUA e Canadá envolvidas no desenvolvimento de uma vacina contra o coronavírus, de acordo com autoridades de segurança britânicas.

O Centro Nacional de Segurança Cibernética (NCSC) do Reino Unido disse que as empresas farmacêuticas e os grupos de pesquisa estão sendo alvo de um grupo conhecido como APT29, que “quase certamente” faz parte dos serviços de inteligência do Kremlin.

As autoridades britânicas não disseram se algum dos ataques teve êxito em seu objetivo de roubar segredos médicos. Eles enfatizaram, no entanto, que nenhuma das pesquisas sobre vacinas havia sido comprometida como resultado.

A Grã-Bretanha está na vanguarda dos esforços de pesquisa para produzir uma vacina contra o coronavírus, com cientistas da Universidade de Oxford e do Imperial College de Londres, entre os que lideram os esforços globais para encontrar o medicamento vital.

É raro o Reino Unido declarar explicitamente que acredita que outro país está por trás de uma campanha coordenada de ataques cibernéticos, mas autoridades britânicas indicaram que ele compartilhou sua avaliação com os EUA e o Canadá, e espera-se que ambos divulguem suas próprias atualizações em breve.

O secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, disse que é “completamente inaceitável” que os serviços de inteligência russos tenham como alvo pesquisas sobre a pandemia de Covid-19.

Ele disse: “Enquanto outros perseguem seus interesses egoístas com comportamento imprudente, o Reino Unido e seus aliados estão continuando com o trabalho duro de encontrar uma vacina e proteger a saúde global. O Reino Unido continuará a combater aqueles que conduzem esses ataques cibernéticos e trabalhará com nossos aliados para responsabilizar os autores.”

Leia também:  Fracassamos Como Nação? Confira todas as entrevistas da série com Luis Nassif

O grupo APT29 está ativo há vários anos e também é conhecido na comunidade de hackers como Dukes ou Cozy Bear. O mesmo grupo foi vinculado a ataques ao Partido Democrata dos EUA nas vésperas das eleições de 2016.

O Cozy Bear ganhou destaque em 2015, quando pesquisadores do Kaspersky Lab colocaram no grupo hackers devastadores do departamento de estado não classificado e das redes da Casa Branca. Alega-se anteriormente que este grupo é controlado pela agência russa de espionagem FSB.

O APT29 usa uma variedade de ferramentas e técnicas para tentar roubar segredos, incluindo o uso de emails de phishing e malware personalizado conhecido como “WellMess” e “WellMail”. Governos, grupos de reflexão e setor de energia também estão sendo alvo.

Paul Chichester, diretor de operações do NCSC, disse: “Condenamos esses ataques desprezíveis contra aqueles que fazem um trabalho vital para combater a pandemia de coronavírus”.

A organização está lançando um aviso de segurança para ajudar grupos potencialmente afetados a enfrentar a ameaça.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. O mundo conhece a generosidade dos ingleses e o quanto eles adorariam desenvolver uma vacina contra a COVID para distribuí-la a todos com “altiva magnanimidade”.
    Aquela mídia quer nos fazer crer que a Rússia, diferentemente da grande coroa, em vez de se envolver profundamente em pesquisas próprias, aplica todo o seu tempo em “copiar” a vacina alheia.
    Talvez, quem sabe, até os pacientes em teste estejam sendo levados escondido para a Rússia só para apressar a pesquisa e dar os louros da descoberta para aquele país.
    Sinceramente, a circunstância convida para uma pesquisa e desenvolvimento conjunto. É pandemia, afeta a todos, e personalismos geográficos são de todo dispensáveis.

  2. Só acho que é muita coincidência tal denúncia ter surgido justamente agora que a Russia anunciou ter descoberto a vacina e que a mesma estará pronta em agosto, só acho.
    Quer dizer que se os Russos realmente tiverm criado a coisa antes que todo mundo, o Reino Unido e seus aliados vão pedir ao mundo para não adquirir o produto por ser pirata, ou vão retaliar que compra a vacina pirata da Russia?

  3. Talvez (frise-se!) esta denúncia tenha tanta credibilidade quanto aquela de 2002 que moveu ingleses, americanos e outros coadjuvantes a invadirem o Iraque. O motivo: “armas de destruição em massa”, reveladas por Blair, então primeiro ministro, e creditadas por Bush. A imprensa inglesa e americana, praticamente sem distinção apoiou abertamente a invasão. Mais tarde, com o leite já derramado, fez juras de arrependimento e promessas de maior rigor investigativo.
    Mas, Saddam já era morto e o Iraque destruído. O arsenal de armas químicas e biológicas de Saddam até hoje não foram encontrados. E nem mais se procura, pois sabe-se que não existiam ali e naquela época. Mas parece que a imprensa inglesa não quis, de verdade, aprender a lição. Agora se esquece que Putin não é Saddam e que o Iraque não é uma Rússia.

  4. Os russos acreditam que agentes do FBI que trabalham com a PF poderiam usar os telefones capturados durante as prisões arbitrárias em massa de turistas russos no Brasil (Manaus) para criar páginas falsas do Facebook e simular “interferência russa” nas eleições dos EUA.

    http://cstcommand.com/index.php/countries/severnaya-amerika/ssha/item/1021-agent-fbr-rassledovavshij-rossijskoe-vmeshatelstvo-v-amerikanskie-vybory-uchastvoval-v-amerikanskom-vmeshatelstve-v-brazilskie-vybory

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome