Subnotificação do coronavírus: As mortes pelo Covid-19 não registradas

Os níveis de subnotificação, que podem chegar a 17%, segundo estudos, revelam que os casos e mortes são muito maiores

André Penner/AP

Jornal GGN – O Brasil fechou esta quinta-feira (09) com mais de 18 mil casos confirmados do novo coronavírus. Os números, entretanto, são somente os notificados de acordo com os testes realizados nos pacientes suspeitos. Mas os níveis de subnotificação, que podem chegar a 17%, segundo estudos, revelam que estes números são muito maiores.

Em São Paulo, a própria direção do Cemitério da Vila Formosa, o maior da América Latina, reconheceu que muitos enterros foram feitos paralelamente ao aumento exponencial da pandemia na capital paulista, enquanto que as simples suspeitas, sem confirmações por falta de serem testados, fizeram os funcionários enterrar os corpos com caixões lacrados e bolsas especiais.

Uma fotografia do cemitério brasileiro, inclusive, chegou a ser capa do The Washington Post na semana passada, com centenas de covas sendo criadas para lidar com o aumento dos enterros por coronavírus. Reportagem do Fantástico, da TV Globo, do último domingo mostrou que 27 enterros foram feitos em apenas um dia no Vila Formosa.

Outros estados, como Minas Gerais, também admitiram os altos níveis de subnotificação pela incapacidade de realizar testes em todos os suspeitos, apenas nos casos sintomáticos mais graves. No Pará, também a Fiocruz registrou um aumento de 28% nas internações hospitalares por sintomas respiratórios.

Com informações do podcast de Renata Lo Prete, no G1.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Ministério Público recomenda lockdown de 15 dias no Rio de Janeiro

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome