Um novo teste da OMS pode ser um divisor de águas na luta contra a Covid, por Charlotte Summers

A OMS está trabalhando para implementar esses testes em todo o mundo, especialmente em continentes como a África e a América do Sul, que atualmente não têm acesso a recursos de teste suficientes.

 'Continentes como a África e a América do Sul não têm atualmente acesso a recursos de teste suficientes.' Uma equipe de projeto de teste Bora Testar em São Paulo, Brasil, setembro de 2020. Foto: Carla Carniel / AP

Muitas nações não têm acesso a testes acessíveis. Agora, 120 milhões de testes de antígeno ajudarão a combater essa desigualdade perigosa

Os princípios de gerenciamento de surtos de doenças infecciosas, sejam de sarampo, tuberculose ou Covid-19, são semelhantes. Você identifica quem foi infectado por meio de testes para a doença, descobre onde adquiriu a infecção e quem também pode ter sido infectado por meio de rastreamento de contato e interrompe a propagação pedindo às pessoas afetadas que se isolem. As pessoas infectadas são tratadas com terapias que modificam o curso da doença.

Parece simples, não é? Agora pense em como você pode implementar essa estratégia em escala global, pois uma doença que ninguém sabia que existia 12 meses atrás. Este é o lugar onde organizações como a World Health Organi zação (OMS), que fornece a liderança, especialização e coordenação, entram. Desde o início de 2020, a OMS tem trabalhado com diferentes grupos para apoiar o desenvolvimento de testes, rastreamento e programas de isolamento para coronavírus. Com razão, defendeu que todos deveriam ter acesso a essas coisas, não importa onde vivam no mundo.

O problema é que o teste do Covid-19 é caro e os laboratórios necessários para processar os testes não estão disponíveis em muitos países. Os testes da Covid são feitos com mais frequência usando testes baseados em reação em cadeia da polimerase (PCR), que exigem amostras clínicas, geralmente obtidas por profissionais de saúde treinados, para serem entregues a laboratórios com recursos adequados e funcionários de saúde altamente qualificados.

Nesse contexto, o recente anúncio da OMS de que um novo tipo de teste Covid será lançado em todo o mundo pode ser inovador. Duas novas versões de diagnóstico rápido, uma fabricada nos EUA e a outra na Coreia do Sul, são tão simples de usar quanto um teste de gravidez e serão fornecidas a países de baixa e média renda por menos de US $ 5 cada. É importante ressaltar que eles não exigem acesso a equipamentos de laboratório ou cientistas para produzir um resultado. Eles ainda precisam de um swab clínico para ser coletado da pessoa que está sendo testada, mas novos trabalhos estão em andamento para desenvolver testes semelhantes que só precisam de amostras de saliva ou swabs nasais para funcionarem, que são muito mais fáceis de coletar. Um dos testes já recebeu aprovação emergencial da OMS; espera-se que o outro receba em breve.

Os novos testes de diagnóstico rápido detectam antígenos Covid-19 (proteínas que fazem parte do vírus) em vez do material genético do vírus e são capazes de produzir um resultado em menos de 30 minutos. Em contraste, o tempo de resposta dos testes de PCR pode ser de horas ou até dias. Os novos testes foram avaliados em comunidades onde há um alto nível de transmissão do coronavírus e se mostraram mais eficazes na detecção da doença entre dois dias antes do início dos sintomas e 5-7 dias depois que os sintomas se tornaram aparentes. Este é o momento em que a quantidade de vírus presente em uma pessoa (o que é conhecido como “carga viral”) está em seu pico.

Nessas condições, a “ especificidade ” dos novos testes de antígeno, que se refere à proporção de pessoas que não têm a infecção que apresentam resultado negativo ao fazer o novo teste de antígeno, se compara bem ao teste de PCR. O mesmo acontece com sua “sensibilidade”, o termo dado à proporção de pessoas que têm coronavírus e geram um teste positivo.

O coronavírus ampliou as desigualdades no acesso à saúde em todo o mundo. Atualmente, os países de alta renda estão realizando cerca de 290 exames por 100.000 habitantes, enquanto os países de baixa renda podem realizar cerca de 14 exames por 100.000 habitantes. A capacidade dos países de renda baixa e média de conter o vírus com eficácia e impedir sua propagação foi limitada por seu acesso a testes escaláveis, acessíveis, confiáveis ​​e fáceis de usar. Esses novos testes de diagnóstico rápido são um grande passo nesse sentido.

Mas esses novos testes não são significativos apenas para países de baixa renda. Eles também podem ser úteis em países de alta renda. Em países como o Reino Unido , onde a capacidade de teste se provou ineficiente e lenta em face de um vírus de disseminação rápida, esses novos testes diagnósticos podem ser usados ​​para investigar surtos localizados quando a demanda exceder a capacidade das instalações de teste de PCR.

A OMS está trabalhando para implementar esses testes em todo o mundo, especialmente em continentes como a África e a América do Sul, que atualmente não têm acesso a recursos de teste suficientes. Cento e vinte milhões dos novos testes foram garantidos e serão lançados a partir do próximo mês. Mas a OMS só tem financiamento inicial para apoiar este programa e precisa urgentemente de financiamento adicional para garantir que alcance o maior número de pessoas possível.

Embora os testes de PCR continuem sendo o “padrão ouro”, os novos testes rápidos de antígenos são uma ferramenta útil para controlar a pandemia. Como já ouvimos frequentemente durante esta crise, os vírus não respeitam as fronteiras nacionais. Portanto, é fundamental que todas as nações sejam capazes de fornecer programas eficazes de teste, rastreamento de contatos e isolamento. Garantir que testes mais baratos, fáceis e confiáveis ​​estejam disponíveis para países de baixa renda não é apenas uma questão moral. É uma boa ciência também.

• A Dra. Charlotte Summers é professora de medicina intensiva na Universidade de Cambridge

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Portugal torna obrigatório uso de máscara ao ar livre

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome