Pfizer diz que Carlos Bolsonaro participou de reunião com Wajngarten sobre vacinas

A participação de Carlos em reuniões sobre a pandemia foi revelada pela primeira vez pelo ex-ministro Luiz Henrique Mandetta

Jornal GGN – O CEO da Pfizer para a América Latina, Carlos Murillo, disse à CPI da Pandemia, na manhã desta quinta (13), que conversou com Fabio Wajngarten, ex-chefe da SECOM, em 9 de setembro de 2020, por telefone, para falar sobre a oferta da vacina da PFizer contra a Covid-19. Ele admitiu que Wajngarten colocou Jair Bolsonaro e Paulo Guedes na ligação. Àquela altura, Bolsonaro já havia recebido uma carta da Pfizer pedindo “celeridade” na resposta brasileira para a reserva de vacinas.

Na ligação “eu comentei as nossas ofertas e disse que estávamos em negociação com o Ministério da Saúde”. O ministro da Economia, Paulo Guedes, perguntou a quantidade de vacinas ofertadas e “disse que precisávamos de mais”. A Pfizer se comprometeu a “buscar mais doses para o Brasil”.

Murillo também relatou que duas diretoras da Pfizer tiveram reunião presencial com Wajngarten, em uma sala do departamento da Secretaria de Comunicação da Presidência da República, que teria contado com a presença de Carlos Bolsonaro e do assessor especial Filipe Martins.

Na terça (12), à CPI, Wajngarten negou ter participado de reuniões com a presença dos filhos de Bolsonaro para tratar de vacinas. Ele afirmou que conversou menos de 5 vezes com Carlos Bolsonaro em seus dois anos de governo, e alegou que tinha mais proximidade com o senador Flávio Bolsonaro. A participação de Carlos em reuniões sobre a pandemia foi revelada pela primeira vez pelo ex-ministro Luiz Henrique Mandetta.

VACINAS. O primeiro contato da Pfizer com o governo Bolsonaro se deu em maio de 2020. A primeira oferta foi formalizada em agosto de 2020. O Ministério da Saúde efetuou a compra de 100 milhões de doses do imunizante em março de 2020. Em 10 de maio de 2021, com a CPI em andamento, a Pasta assinou um novo contrato, requerendo mais 100 milhões de doses para o quarto trimestre de 2021.

O depoente disse ainda que o Ministério da Saúde brasileiro só admitiu comprar a vacina contra a Covid-19, ofertada ainda em 2020, após o Congresso aprovar a lei 14.124, em 10 de março de 2021. Para ele, a lei trouxe “segurança jurídica” para a negociação. “Nós pudemos assinar, somente, quando as condições foram dadas”, disse o depoente.

Leia mais: Relator da CPI pede prisão em flagrante de Wajngarten; presidente nega

Clique aqui para conhecer os detalhes das ofertas feitas pela Pfizer ao Brasil.

Acompanhe a CPI da Pandemia na TVGGN:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome