Andifes publica material em defesa das Universidades Federais

Jornal GGN – A Andifes (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior) produziu e lançou um caderno que aborda o contexto atual dos Universidades Federais. Com o título “Universidades Federais – Patrimônio da Sociedade Brasileira”, o caderno traz um panorama das contribuições que as 63 universidades federais e seus 328 campi trouxeram ao desenvolvimento econômico e social do Brasil.

Além disso, o caderno traça o reconhecimento social da qualidade e da importância do Sistema Público de Universidades Federais, seu histórico de financiamento e os compromissos derivados da política de estado prevista no Plano Nacional de Educação (PNE).

Assine

Segundo o presidente da Andifes, reitor Emmanuel Zagury Tourinho, o debate sobre financiamento das universidades públicas volta à pauta com as ameaças de cortes e contingenciamentos orçamentários. “Nosso objetivo, com esse caderno, é apresentar informações relevantes e esclarecer que não há crise de gestão, mas, sim, há falta de continuidade nas políticas de financiamento das universidades federais”, explica ele.

O caderno compila dados sobre as universidades e seu papel social. “Não se trata de um evento, mas de uma ação permanente. Vamos nos unir nesse propósito indispensável de defender as condições de funcionamento das universidades públicas federais”, conclui Tourinho.

O caderno pode ser visto abaixo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Bolsonaro anuncia que Brasil foi aceito como aliado extra-Otan

1 comentário

  1. É tarde!

    É tarde. A Andifes silenciou diante do golpe, em 2016. Julgou que seria possível manter diálogo com o Maria Helena. Silenciou diante da aprovação da pec do teto, quando docentes e técnicos-administrativos paralisaram suas atividades, no fim de 2016. Silenciou durante a ocupação de universidades pelos estudantes, sendo conivente com a repressão desencadeada porteriormente. Nestes casos, como na UFTPR, o reitorado abriu processos contra estudantes e docentes que participaram das manifestações. 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome