Bases ideológicas por trás da Lava Jato, segundo Fernando Horta

Operação marca ponto de encontro de visões de mundo das diferentes elites brasileiras
 
http://youtu.be/t48RYl78BWA width:700]
 
Jornal GGN – A Lava Jato é mais do que uma operação para desvendar um esquema de corrupção revelando, desde seu início, um viés de cunho ideológico para conseguir destituir do governo central do país um partido mais correspondente aos anseios das classes populares.
 
Essa tese é defendida pelo colunista do GGN, historiador e relações internacionais Fernando Horta, em entrevista para Luis Nassif. “O objetivo da Lava Jato sempre foi construir ou reconstruir uma narrativa sobre os últimos 13 anos. Isso ficava muito claro a partir do momento em que o juiz [Sérgio] Moro diz muito abertamente que não investigaria nada antes de 2003”, pontua o pesquisador da UnB.
 
Segundo Horta, o argumento do juiz que coordena a Lava Jato para realizar esse corte é que os crimes antes daquele ano estariam prescritos. Mas para o professor a alegação não se sustenta pelo caráter impetuoso das ações da megaoperação que, em muitos momentos, não seguiu o processo jurídico correto. 
 
Outro ponto que pesa contra a idoneidade da Lava Jato é a simbiose com os meios de comunicação, com indícios de que os constantes vazamentos de informações podem ter partido do alto comando da operação para manter sua popularidade frente a opinião pública.  
 
Horta também chama atenção para o frequente discurso dos operadores da Lava Jato de que o esquema de corrupção desvendado nos últimos 13 anos é o maior da história do país. “Isso não está de todo correto para quem conhece a história do Brasil como um conjunto”, destacou o historiador. 
 
O intenso uso dos meios de comunicação expondo para a população esse discurso de forma incisiva e constante levou os brasileiros a terem uma percepção distorcida não entendendo os últimos 13 anos como um momento de crescimento do produto interno brasileiro, diminuição das desigualdades e aumento da inclusão social, mas sim como o ápice da corrupção em todas as instituições brasileiras.
 
A grande imprensa, com uma visão institucional muito mais afiada que os atores da Lava Jato, aproveitou a operação para, junto com outros agentes da elite nacional, orquestrar a retomada do poder executivo, culminando com o impeachment da presidente Dilma. Dessa forma a Lava Jato foi um ponto de encontro de visões de mundo das diferentes elites brasileiras, especialmente da direita elitista, “mais contrária às modificações sociais que vinham sendo feitas no Brasil”.
 
Horta também levanta uma tese de que a visão da elite atual replica a visão da corrente positivista no Brasil, que influenciou a proclamação da república, e que defendia para o Estado a função de mediador do conflito entre as classes sociais, e não como um ente regulador dos direitos e responsável pela redução das diferenças de classe.
 
“[Para eles a função do Estado é mitigar conflitos, e não importa como isso deve ser feito, mesmo que seja necessária a imposição pela violência”.    
 
*Fernando Horta, é colunista do Jornal GGN, graduação em história pela UFRGS e mestre em Relações Internacionais pela UnB. Atualmente é doutorando da UnB, com experiência na área de História, ênfase em História da Ciência, Epistemologia e Teoria de História e de Relações Internacionais. 
 
Assine

Leia também:  Crise na Bolívia: missão da OEA não comprova fraude eleitoral e atua politicamente, diz CEPR em relatório

Lava Jato marca ponto de encontro de visões de mundo das diferentes elites brasileiras
Foto: Agência Brasil

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

18 comentários

  1. Erosão da esquerda? De que esquerda que ele fala?

    Só não entendi algo, ele fala numa erosão da esquerda brasileira no momento, acho exatamente ao contrário, no momento a esquerda está se reconstruindo.

    Com uma brevíssima pesquisa na Internet acha-se este primor escrito pelo mesmo analista em 2 de setembro de 2016, intitulado, 

    Do que é feito o Brasil? (por Fernando Horta)

    “Não, a destituição de Dilma Rousseff não nos incomoda. Precisamos falar sério. Dilma não era líder de massas, não tinha história na política. Era uma burocrata alçada à presidência por um processo de impressionante transferência de votos que vieram de Lula. Dilma não fazia um bom governo, pendia irregularmente entre um trabalhismo conservador pontificado por um neoliberalismo (mal) disfarçado e um discurso garantista à la “onda rosa” europeia dos anos 70 e 80. Dilma não tem o dom da retórica. Tem história, mas não sabia usá-la. Seu maior discurso, até então, era uma resposta ao senador Agripino Maia dada ainda quando ministra da casa civil, entre 2005 e 2007. Rousseff se embananava na imensa maioria de suas falas e pouco conseguia instilar e inspirar na sua audiência. Como um “poste” se transformou na “coração valente”? Como se deu este milagre sabendo-se que sua assessoria de comunicação era a parte mais ignóbil e incapaz de todo seu staff (com folga)?

    ……

    …..

    Dilma finalmente se achou no Brasil. Ela viu que não é daqui. Porém, ao fazer isto Dilma nos mostrou do que somos feitos, do que o Brasil é feito, desde o tempo do império (que por sinal tinha representante da família real na “tribuna de honra” a favor do golpe). O Brasil é feito disto aí. Não há como se exigir mais. Não se pede aos outros o que eles não têm. Nossa pequenez nos saltou aos olhos, nos magoou a alma, deu-nos calafrios por compreendermos que nos falta substância. Foi terrível. Aquela mulher íntegra, altiva de mais de três metros de altura e uma voz tonitroante a nos humilhar fazendo chacota daqueles anões sórdidos e mentecaptos com suas teses insustentáveis.

    Vá embora do Brasil Dilma! Vá e deixe-nos com nossa histórica pequenez. Não suportamos vê-la como você é, por isto criamos a ideia de um “coração valente”, porque não sabemos reconhecer nossa tacanhice.”

  2. Visão lúcida, a de Fernando

    Visão lúcida, a de Fernando Horta. Fiquei pensando… será que Moro tem consciência de que está construindo a versão golpista dos anos de PT? Digo Moro especificamente porque é óbvio que funcionários de empresas como a “Globo”, cuja expertise é justamente a construção de narrativas, tem plena ciência disso; dramatrugia, publicidade comercial e jornalismo – enfim, comunicação de massas – estão sendo praticados sem a menor observância aos seus respectivos fundamentos. Será possível que Moro, MPF-PR e demais acusadores trilhem tão precisamente o caminho da criação e estabelecimento dessa narrativa apenas por intuição?

    E fazendo coro ao colega rdmaestri, me pergunto se não seria parte dessa narrativa golpista e a-histórica (existe isso?) o discurso de que a “esquerda” está, agora, desconstruída? Quando foi que, por exemplo, o PCB e o PT convergiram? Digo isso porque conversando com comunistas “de raiz”, marxistas-leninistas entre outros, percebo que nunca antes socialismo e trabalhismo estiveram tão convergentes, dispostos a concessões estratégicas. Todas as “esquerdas” concordam em relação à necessidade de educação como antídoto à mídia do Instituto Millenium (apesar de discordarem quanto ao conteúdo e à prática), quanto ao componente educativo da participação em manifestos de rua, além de outros pontos. Se as “esquerdas”, diferentemente da “direita”, não têm um candidato consensual isso não significa que estão esfaceladas. A propósito, faz tempo que a gente diz “as esquerdas” (no plural) e diz “a direita” (no singular). Será?

  3. É a “perna da cobra” dizer

    É a “perna da cobra” dizer que os fatos criminosos anteriores não vêm ao caso porque antigos e muitos já fulminados pela prescrição.

    A anterioridade dos fatos – ao contrário do que entende “moro” e a còsca de Curitiba” – é importantíssima para a existência e reconhecimento de conduta criminosa (dolo “malus”) como também como circunstância a ser sopesada na possível fixação da pena.

  4. Até cair a ficha…

    No mundo inteligente, sempre é melhor ter mais compreensão, ter mais entendimento dos problemas para poder superá-los!

    Aqui é ao contrário!

    Imagine se um médico, abstraísse o histórico de uma doença quando fosse examinar um paciente?

    Ele poderia até supor que descobriu uma nova doença e que aquele sujeito seria a fonte dessa doença!

    Quando ministério público acusou o LULA de ser o chefe de tudo, essa percepção é por que se reduziu a faixa de percepção, do ‘range” do processo da corrupção!

    Fazendo isso ele acobertou TODAS as fraudes que ocorreram na petrobrás!

    Explico: O LULA nunca seria o chefe da corrupção se verificassem que havia corrupção na Petrobrás antes do governo LULA.

    Ai teriam que avaliar quais as diretorias mais sensíveis de serem fraudadas!

    A partir disto poderiam avaliar quais partidos ao longo do tempo requisitaram tais diretorias!

    Empreiteiros afirmaram que este cartel na Petrobrás e em outras estatais existem há várias décadas!

    Por isso é intencional o “Não vem ao caso”, ou que o PSDB não seria alvo!

    É burrice em cima de burrice, com fins meramente políticos…

  5. “EU JÁ SABIA”: OCASO DE MORO, “ACORDÃO” E LUTA PELA PRESIDÊNCIA

    “EU JÁ SABIA”: OCASO DE MORO, “ACORDÃO” E A LUTA PELA PRESIDÊNCIA

    O Núcleo Duro passa o noticiário (nada…) caótico dos últimos dias em revista.

    E ligando todos os pontos “soltos”.

    Sempre torcendo para estar errado, né…

    O que, infelizmente, nunca se confirma.

    (suspiro)

    Não mesmo! – Fernando Morais conseguiu um furo “exclusivo” dos termos do “acordão” sendo negociado.

    Quer dizer… “exclusivo” apenas para que ~não~ leu o blog nas últimas semanas… rs

    Porque os leitores vão todos repetir comigo em jogral:

    <<EU JÁ SABIA!!>>

     

    LEIA MAIS »

  6. ORCRIM

    Fica cada dia mais claro que a Organização Criminosa apelidada de Farsa a Jato, com um agente da CIA travestido de “juiz” dando shows midiáticos nunca teve a ver com “combater a corrupção”. Foi um grupo, chamado de “força-tarefa” contratado de fora do país (e estão recebendo por isso) para destruir a economia pujante que o país vinha construindo e transformá-lo numa colônia agrícola dos EUA apenas para venderem alimentos baratos a eles. Há corruptores e corruptos, mas a farsa centrou fogo nos corruptores que lhes dava o álibi perfeito para destruir a engenharia pesada nacional, a indústria de defesa, a nossa energia nuclear com tecnologia própria, etc. Por outro lado organizaram uma rede de proteção aos corruptos que mais acumularam riquezas nas últimas décadas desviando dinheiro público, promovendo fraudes diversas, extorquindo os grandes empresários, sonegando todos os tributos federais, etc. Não é por outra razão que a nata da bandidagem política foi (e é) protegida e blindada por esta Organização Criminosa que nunca incomodou o Careca, o Mineirinho, o MT, o Aloísio800mil, o Botafogo, o Angorá, o Santo, etc.

  7. O JUIZ DO CASO BANESTADO LIDER E COLUNISTA DA GLOBO EM CURITIBA

    Senhores leitores é no nivel de “contribuição histórcia” que elenco algumas informações valiosas ao Digníssimo Historiador para que confirmasse nas fontes da “republica de curitiba” quemsão alguns dos que estão por trás disto tudo que levou e está levando o Brasil a bancarrota e sucateada para os Capital.

    Um dos elementos deste enredo tem sua iniciação n movimento estudantil de direita no final da decada de 70 e inicio dos 80.

    lutava pela elite e com as elites num partido na época PP – partido popular do ja falecido Afonso Camargo, era tudo capitaneado já naquele periodo por filhonhos de papai e herdeiros das elites paranaenses.

    e com o passar dos anos vimos o CASO BANESTADO aonde se cuidou direitinho pra que nenhum dos amigos ficassem nas cadeias ou quando muito com os bens bloqueados por um periodo , mas tudo resolvido nos autos e todos sabem a história que veio a tona agora com o Sergio Moro que atuava como principiante na epoca.

    Nos governos Lula e Dilma anotou-se um Colunista Juiz Federal colega de trabalho e mentor do Moro ( talves até Criador deste ) que “militou” e “idealizou” todos os principios dos pensadores fascistas e direitistas de Curitiba e do paraná, sendo sutil em seus ataques e muitas vezes direto contra tudo oq ue se chamava Democracia, Eleições, Participação Popular e principalmente a ascenção dos mais pobres aos mais diversos serviços e riquezas que este e os “moros do paraná” não aceitam, e nunca aceitarão…sempre quiseram desde a decada de 70 e 80 entregar tudo aos estrangeiros e foram preparados todos estes anos apara isto!

    Entrevistem as lideranças politicas estudasntis da época de curitiba da UPE da UNE dos Diretorios de Direito ( o Dr Rochinha que recepcionou o Lula em Curitiba conhece muito bem quem são estes quem são eles) e verão que o fascismo não morreu deste a decada de 70 e ainda hoje tem suas pensadores e filosofos atuantes e liderando classas inteiras com seus pensamentos absolutistas a favor dos poderosos e do capital mesmo que isto custe a miséria e desgraça do povo Brasileiro!

    acessem o site do jornal do globo do paraná : http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/colunistas/friedmann-wendpap/

     

  8. Prescrição é matéria de defesa

    Ora, cabe às autoridades apurar os crimes e acionar juicialmente os criminosos. Juizes e Agentes do Ministério Público não devem alegar prescrição, pois isso é matéria de defesa.

    Mesmo que os crimes estejam prescritos, sua apuração serve como medida pedagógica.

    Esses Jateiros são uns cagões, juntamente com o Japonês e o Hipster da Fedeca..

  9. “ACORDÃO”: MORO, JANOT E FACHIN DANÇANDO NESSE “BAILE”

    OLHO NO “ACORDÃO”: MORO, JANOT E FACHIN DANÇANDO NESSE “BAILE”

    Por Romulus & Núcleo Duro

    Como temos registrado no blog, houve nos últimos dias muitas “piscadelas”, de um lado, e “exibição de músculo”, do outro, entre os diferentes atores do “baile” do acordão possível. E segue a valsa!

    Depois da confirmação, ontem, pela fonte de Fernando Morais de TODAS as nossas especulações, surge mais uma peça: Nassif revela hoje um dos vários “esqueletos no armário” que empurrarão, ao fim e ao cabo, a PGR e o MPF para esse acordão.

    Eis o que foi colocado na mesa de negociação ~hoje~:

     

    LEIA MAIS »

  10. A prescrição dos crimes dos Tucanos

    “Percebe-se uma mudança de narrativa, ou pelo menos uma tentativa. Vejo a população, em geral, ainda muito positiva e apoiando. Mas se percebe em formadores de opinião, uma lenta campanha, seja por interesses de estabilidade econômica, ou seja por interesses inconfessáveis, de manutenção do sistema como ele sempre funcionou. Um sentimento de ‘o partido já saiu do poder, vamos resolver os problemas’. Isso acontece, essa tentativa de mudança de narrativa.

    Sabemos que não vamos ter 100% do apoio em 100% do tempo. Mas não temos que buscar o apoio da população, e sim trabalhar, independente do que digam a nosso respeito.”

    Procurador Federal Carlos Fernando

  11. Política

    A corrupção é endêmica sim, qualqer brasileiro sabe disso, o Estado está todo aparelhado e qualquer repartição pública tem o dedo de algum político. É preciso quebrar o paradigma da forma de se fazer política no Brasil, não aguentamos mais sustentar essa classe de privilégios.  O PT matou a esquerda no Brasil, viramos uma espécie de zumbis, ideologias apenas servem como cortina de fumaça para esconder a verdadeira face desse estamento burocrático que nos escraviza. Me respondam, o que a esquerda fez para romper com esse sistema ? Sarneys, Renans entre outros foram ao invés de expurgados, alimentados pela esquerda. Como sempre somos nós que pagamos o pato. CHEGA, BASTA, JÁ DEU… No momento precisamos menos de ideologia e mais de justiça.

  12. Estou pasmo. O colunista

    Estou pasmo. O colunista cita, aparentemente discordando, que a direita não aceita que um governante governe apenas para uma parte da sociedade. Mas é óbvio que os governantes não podem fazer isso! Ora essa! Eles têm o dever de governar para todos. Incrivelmente autoritária e excludente essa visão dele, por isso estou chocado.

    • Olá Hudson Moraes, sugiro que

      Olá Hudson Moraes, sugiro que ouça novamente a fala do Fernando Horta, pois ele não disse em nenhum momento que a direita não aceita que um governante governe”APENAS” para uma parte da sociedade, o vocábulo “APENAS” não está na sua fala, vc que o colocou em sua boca. Na real, ele disse, muito diferente disso que vc captou,  que a direita não aceita que se governe ” tb”  para o povão. Anotando que o termo “tb”, não está explicitamente dito, mas é a isso que ele se refere claramente. Aliás, durante tds estes anos de governo petista, as classes privilegiadas ganharam muita grana e não perderam seus privilégios de td sempre, a diferença foi que “TAMBÉM” se governou para os mais pobres como nunca antes o fizeram, e é isso que parece não terem suportado infelizmente. 

    • Olá Hudson Moraes, sugiro que

      Olá Hudson Moraes, sugiro que ouça novamente a fala do Fernando Horta, pois ele não disse em nenhum momento que a direita não aceita que um governante governe”APENAS” para uma parte da sociedade, o vocábulo “APENAS” não está na sua fala, vc que o colocou em sua boca. Na real, ele disse, muito diferente disso que vc captou,  que a direita não aceita que se governe ” tb”  para o povão. Anotando que o termo “tb”, não está explicitamente dito, mas é a isso que ele se refere claramente. Aliás, durante tds estes anos de governo petista, as classes privilegiadas ganharam muita grana e não perderam seus privilégios de td sempre, a diferença foi que “TAMBÉM” se governou para os mais pobres como nunca antes o fizeram, e é isso que parece não terem suportado infelizmente. 

    • Olá Hudson Moraes, sugiro que

      Olá Hudson Moraes, sugiro que ouça novamente a fala do Fernando Horta, pois ele não disse em nenhum momento que a direita não aceita que um governante governe”APENAS” para uma parte da sociedade, o vocábulo “APENAS” não está na sua fala, vc que o colocou em sua boca. Na real, ele disse, muito diferente disso que vc captou,  que a direita não aceita que se governe ” tb”  para o povão. Anotando que o termo “tb”, não está explicitamente dito, mas é a isso que ele se refere claramente. Aliás, durante tds estes anos de governo petista, as classes privilegiadas ganharam muita grana e não perderam seus privilégios de td sempre, a diferença foi que “TAMBÉM” se governou para os mais pobres como nunca antes o fizeram, e é isso que parece não terem suportado infelizmente. 

  13. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome