Após quase quatro meses de paralisação, Uerj volta às aulas

uerj_tania_rego_abr.jpg

Foto: Tania Rego/Agência Brasi

Da Agência Brasil

por Felippe Flehr

A Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) retoma suas atividades acadêmicas a partir de hoje (10), após quase 4 meses de paralisação. A decisão foi tomada em reunião feita na última sexta-feira (7) entre a reitoria e o Fórum de Diretores das Unidades Acadêmicas. Também retornarão às aulas os alunos do Colégio de Aplicação da Uerj (Cap-Uerj). As aulas são correspondentes ainda ao segundo semestre de 2016.  O reitor Ruy Garcia Marques explicou voltamos por respeito aos alunos e à sociedade.
 
“Na realidade teríamos que retornar no dia 17 de janeiro, porém, a situação estava impraticável. Todos os campus se encontravam sujos, sem manutenção e outros fatores. Porém, nesses três meses de negociação muita coisa evoluiu. Hoje o campus Maracanã, por exemplo, está limpo, com os elevadores funcionando, ainda que não na sua totalidade, e outros avanços. É preciso ressaltar que isso é o mínimo. Falta muitíssima coisa para se fazer,” disse.

 
Com relação aos alunos cotistas, o reitor explicou que “temos 9.800 alunos cotistas, sendo 8 mil também bolsistas. A bolsa é um valor baixo, de R$ 450,00, mas que faz toda a diferença na vida deles. Hoje  soube a situação de uma aluna que mora na Região dos Lagos e estuda aqui no campus Maracanã. Ela está utilizando o valor da bolsa para pagar o aluguel de um apartamento próximo à Uerj. Sem essa bolsa como vai pagar o aluguel? É uma situação complicada”, lamentou. De acordo o reitor dos 12 elevadores nove estão funcionando e outros em manutenção.
 
O reitor Ruy Garcia Marques garantiu que todos os alunos que não receberam as bolsas, assim como os docentes que estão sem receber há três meses, não terão faltas caso não consigam comparecer. “Tem que haver compreensão e sensibilidade com o momento. Eu tranquilizo e garanto que nenhum deles receberá falta nessas circunstâncias”. A Associação de Docentes da Uerj (Asduerj) convocou para a tarde de hoje uma assembleia entre seus membros para discutir os próximos passos do movimento. Uma greve não está descartada. Segundo comunicado da Associação, as aulas só devem ser retomadas com as devidas condições, isto é, com recursos para custeio e manutenção, bolsas e salários em dia. O reitor também falou da assembleia dos professores, a partir das 14h.
 
“Se decretarem greve, sinceramente, não sei como vai ser. O que tenho conhecimento é que a maioria dos professores e alunos não querem uma greve agora. Só quem quer são os servidores técnicos, que já aderiram ao movimento grevista. No momento, as aulas estão de volta, mas com essa assembleia tudo pode mudar”, disse.
 
A aluna de engenharia elétrica Laura Peres está confiante com retorno às aulas, uma vez que muitos professores não pretendem entrar em greve. “Além de que em breve o calendário de pagamento dos servidores deve sair. Com isso, eles ficam  mais seguros para trabalhar. Não há o que reclamar deles [professores]. São comprometidos demais e fazem de tudo para contornar esses problemas que o Estado enfrenta. É uma crise feia. E quando a crise atinge a educação, consequentemente, alcança outros níveis também, pois a educação é a base de tudo”, acrescentou. 
 
Há 17 anos na Uerj, o professor de Física Vitor Lemes admitiu que esta crise é a pior desde que ingressou na instituição. Ele também enumerou as dificuldades que professores encontram dentro da universidade e não se mostrou muito confiante com o retorno. “Estamos sem o décimo terceiro salário, três meses atrasados com perspectiva de serem quatro. Vários professores e funcionários sem condição nenhuma de virem trabalhar, e as instalações sem condições de nos receber.”
 
 Ao citar os problemas em sala de aula,  o professor disse que “falta papel, tinta e impressora, por exemplo, para aplicar uma prova. Como recomeçaremos desse jeito? Eu não sei a resposta. A situação é ridícula e a chance de greve acaba sendo muito grande por conta disso.”
Leia também:  Avanço neoliberal faz fome atingir 42,5 milhões de pessoas na América Latina e Caribe

Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Esse reitor tem de ser

    Esse reitor tem de ser demitido e processado imediatamente, se não descontar o dia dos professores faltosos. E tem coragem de dizer, após quatro meses de paralisação, que “voltaram por respeito aos alunos e à sociedade”. Se tivesse mesmo um pingo de respeito, não teria nem começado a greve.

  2. É até provável q ocorra um acidente

    Um elevador já caiu no poço. Estava só com duas pessoas, uma delas se machucou. Já imaginaram com a lotaçao plena? Nao há profissionais de limpeza suficientes, com mais de 40.000 pessoas comendo lá, vai dar ratos. Funcionários em greve, professores que nao receberam nem o salário de fevereiro (fora o décimo-terceiro), alunos bolsistas sem condiçoes de ir às aulas, muitos professores também… (uma conhecida minha veio de Fortaleza para trabalhar na Uerj, alugou apartamento no Rio, nao tem família aqui e está sem salário…).

    • Deixa de ser ignorante!

      Para começar, as aulas de pós-graduaçao (que envolviam um número muito menor de alunos) nao pararam. Nem os trabalhos de pesquisa e extensao. Ou seja, os professores estavam trabalhando, o trabalho de professores universitários nao se resume a “dar aula”. E a paralisaçao foi decisao da própria reitoria que avaliou — corretamente — que nao havia condiçoes objetivas para a universidade funcionar a todo vapor, com as cerca de 40.000 pessoas que circulam pela Uerj normalmente. Deve ter havido grossa pressao para a reitoria voltar atrás.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome