Aprovada no Senado, reforma do ensino médio deve aprofundar desigualdades educacionais

Apesar de críticas e resistência dos secundaristas, reforma do ensino médio é aprovada pelo Senado e será sancionada por Michel Temer.

Por Dafne Melo, do Centro de Referências em Educação Integral

A reforma do ensino médio, feita por meio da Medida Provisória 746/2016, foi aprovada pelo Senado Federal na noite de quarta-feira (8/02), com 43 votos favoráveis e 13 contra. A MP segue agora para as mãos do presidente Michel Temer (PMDB), para sanção.

A medida vem sendo fortemente criticada desde que o governo federal anunciou as mudanças, em setembro de 2016. Em dezembro, o texto foi aprovado pela Câmara dos Deputados, apesar das mobilizações de estudantes secundaristas pelo país, contrários à medida. Eles também protestavam contra a PEC 55 e o movimento Escola sem Partido

À revista Carta Capital, Daniel Cara, coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, classificou a reforma como um retrocesso. “[Ela] faz com que os estudantes sejam divididos entre aqueles que vão ter acesso a um ensino propedêutico e aqueles que vão ter acesso a um ensino técnico de baixa qualidade. Temer teve a coragem ou a pachorra de assumir isso quando enfatiza que na época dele a educação se dividia entre clássico e científico, que eram dois caminhos que geravam uma educação incompleta”, explica.

Cara se refere à entrevista do presidente ao programa Roda Viva, da TV Cultura, em que afirmou: “Nós estamos voltando a um passado extremamente útil”. O coordenador da Campanha acredita que a reforma irá aumentar as desigualdades educacionais no Brasil, à medida que “vai empurrar os jovens com menor renda para carreiras de subemprego, enquanto que os mais ricos poderão focar os estudos nas áreas que desejam”.

Leia também:  Embaixada da Venezuela em Brasília é invadida

Leia + “Reforma do ensino médio é um retorno piorado à década de 90”

A vice-presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Vanderlan da Silva Bolzani, também acredita que a MP 746 coloca a educação do país de volta ao passado, ao apostar em um modelo educacional “retrógrado” e que não resolverá os verdadeiros problemas da educação brasileira.

Ela também destacou a falta de debate que envolveu o processo. “Não se faz uma reforma do ensino médio por decreto em um país que tem grande deficiência na educação. Isso é extremamente grave”, disse a cientista.

Em entrevista ao Jornal de Ciência, o educador José Pacheco, um dos idealizadores da Escola da Ponte, experiência educacional portuguesa prestigiada em todo o mundo, falou em “modelo obsoleto”.

“Essa medida provisória é fundamentada no velho modelo educacional, com modelo pedagógico do século 19”, criticou. A seu ver, a reforma não irá combater os atuais índices de evasão escolar da etapa. “É um modelo de desperdício humano e de custos sociais”, disse o pedagogo.

Outros especialistas de outros países, como Espanha, Portugal e Finlândia, também teceram críticas, veiculadas no vídeo abaixo, divulgado pelo Mídia Ninja.

Mudanças

O Centro de Referências em Educação Integral analisou, em dezembro, o conteúdo da MP 746 junto a especialistas da área, que apontaram os principais problemas do documento.

Saiba + Especialistas avaliam impactos da reforma do ensino médio.

No tocante à ampliação da jornada e da oferta de educação em tempo integral, os entrevistados apontaram a procupação com o financiamento necessário, que deverá ser feito pelo governo federal por apenas 10 anos, cabendo aos estados suprir essa demanda após esse período, em um contexto no qual a PEC 55 estará já estará alguns anos em vigor. Como esta deverá diminuir a contribuição do governo federal para a educação, a tendência é que os estados e municípios sejam ainda mais sobrecarregados.

Leia também:  Dez políticas que aprofundaram crise no Brasil em 300 dias de governo Bolsonaro

A oferta de disciplinas é outro ponto polêmico da reforma. O texto considera que 60% da carga horária seja dedicada aos conteúdos da Base Nacional Comum Curricular (BNCC); os 40% restantes devem ser utilizados para a chamada “parte diversificada”, constituída de itinerários formativos que deverão se enquadrar em um dos cinco eixos: 1. Linguagens e suas Tecnologias; 2. Matemática e suas Tecnologias; 3. Ciências da Natureza e suas Tecnologias; 4. Ciências Humanas e Sociais Aplicadas; 5. Formação Técnica e Profissional.

Para o professor do programa de pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP), Carlos Roberto Jamil Cury, o desenho aponta para uma restrição das oportunidades. “Para uns a possibilidade do ensino superior; para outros, o mercado de trabalho”, constatou fazendo referência à Reforma Capanema, realizada durante a Era Vargas.

“A diferença é que lá isso era colocado como o destino do pobre e aqui aparece como opção. Você acha que uma cidade pequena do sertão vai ter condições de ofertar os cinco itinerários formativos? Por que o que vem de uma família mais vulnerável não tem direito a saborear um Jorge Amado antes de se embrenhar nos caminhos da educação técnica?”, considerou.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Tácito. Por isso a pressa

    Tácito. Por isso a pressa deles…..

    ‘Eles querem q quem vem

    de onde nós vem (SIC)

    seja mais humilde, baixe a cabeça

    nunca revide, finja q esqueceu aquilo tudo.

    Eu quero q eles se f*da.’

     

    não vai levar 21 anos de novo.

  2. Pior que está?

    Os professores e sindicatos tiveram doze anos de acesso ao governo para pensar em algo melhor e o que fizeram?

     

    Reformar o ensino no país é crucial, em todos os níveis (fundamental, médio e superior). Não sei se essa reforma presta, mas pelo menos servirá de motivo para pensar em algo melhor para aqueles que permaneceram inertes todo esse tempo. 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome