Brasil tem 663 barragens de rejeitos de mineração, diz especialista

Da Agência Brasil

O Brasil tem 663 barragens de contenção de rejeitos de mineração e 295 barragens de resíduos industriais. Só em 2008, houve 77 rompimentos de barragens no país, embora a maioria dos casos tenha ganhado pouca repercussão.

As informações foram divulgadas nesta quarta-feira (25) pelo engenheiro português Ricardo Oliveira, um dos maiores especialistas do mundo no assunto, citando dados da Agência Nacional de Águas (ANA), referente ao número de barragens.

Professor titular da Universidade de Lisboa, Oliveira deu palestra no Clube de Engenharia do Rio de Janeiro sobre a segurança de barragens e os reflexos sociais e ambientais.

O engenheiro evitou comentar diretamente o caso do rompimento da barragem do Fundão, em Mariana, de responsabilidade da Samarco, mas, segundo ele, ao se promover a elevação da barragem, necessariamente deve haver um estudo global que envolva também as fundações da construção.

Para Oliveira, em 30% dos acidentes com barragens, o problema é a ruptura das fundações. “É preciso refazer a análise de estabilidade do pacote barragem-fundação”, disse para uma plateia formada principalmente por engenheiros.

O especialista mostrou dados sobre as principais barragens que colapsaram, no Brasil, desde 1954. Dentre esses casos, totalizando 19 acidentes, seis rompimentos aconteceram em Minas Gerais, de 1985 até hoje, envolvendo justamente barragens de rejeitos de mineração, como a de Mariana. “Pode ser, eventualmente, o fato de ter havido menos cuidado na manutenção”, afirmou.

Segundo Oliveira, somente há pouco tempo a legislação federal obriga a estudos sismológicos na construção de barragens, pois antigamente havia o conceito de que o Brasil era um país livre de tremores de terra, o que hoje já não é aceito.

Leia também:  Governo Bolsonaro aumenta imposto de importação de oxigênio

“O que se dizia era que o Brasil não era um país sísmico. Só que ele tem sismicidade. Não destrói uma barragem se ela tem em conta essa ação sísmica adicional. Mas se a estrutura não está dimensionada para aguentar aquela sobre força que está fazendo o sismo, ela pode se romper”, disse.

A barragem do Fundão se rompeu na tarde do último dia 5, vazando cerca de 50 milhões de metros cúbicos de lama formada por óxido de ferro e areia. O rejeito destruiu o distrito de Bento Rodrigues, em Mariana. Até o momento, oito vítimas foram identificadas, quatro corpos aguardam identificação e há 11 pessoas desaparecidas. A lama desceu pelo Rio Doce e chegou ao mar, no litoral do Espírito Santo, causando um grave dano ambiental.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. É interessante a afirmação sobre o sismo? Será?

    Quase do mesmo dia em que a chefe do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília, Mônica Von Huelsen, falando para Subcomissão Permanente de Acompanhamento do Setor de Mineração em Brasília diz com todas as letras que tremores como os ocorridos em Mariana entre 2,4 a 2,6 na Escala Richter (tremores muito pequenos) são completamente inofensivos para barragens (a escala Richter é logarítma), ou seja, tremores de terra que ocorrem em zonas sísmicas de escala 6 (tremor forte) em relação ao ocorrido em Mariana (2,6 tremor muito pequeno) são 126.000 vezes mais intensos do que o ocorridos em Minas.

    Mais uma vez se vem com a falácia (MENTIRA) do tremor como uma possibilidade de causa do rompimento da barragem. Um tremor com 2,6 na escala Richter nem faz cócegas numa barragem, para que estas rompam devido a tremores é necessário que hajam deslocamentos diferenciais do maciço em função do tremor.

    Importante destacar que a publicação técnica começa a tentar estabelecer correlações entre tremores de terra e efeitos sobre barragens para valores acima de 4,5 ou seja, tremores com intensidade quase 500 vezes maiores do que os de Mariana.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome