Consultoria compara filho de Bolsonaro na embaixada com monarquias e ditaduras

Na pesquisa realizada pelos consultores, os técnicos detectaram que há três casos semelhantes ao dessa indicação no mundo, todos em regimes não democráticos

Jornal GGN – A Consultoria do Senado considerou que a indicação de Eduardo Bolsonaro, filho do presidente da República, para a embaixada do Brasil nos Estados Unidos seria nepotismo. Na pesquisa realizada pelos consultores, os técnicos detectaram que há três casos semelhantes ao dessa indicação no mundo, todos em regimes não democráticos.

 

[O GGN prepara uma série no YouTube que vai mostrar a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto pelo interesse público? Clique aqui]

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  O pistoleiro Billy the Kid e o deputado Eduardo Bolsonaro, por Sebastião Nunes

2 comentários

  1. Amaral Peixoto

    Alguns desinformados, ou interessados como o “jornalista” Élio Gaspari, teem a ousadia de comparar a indicação de Eduardo com a de Amaral Peixoto de 1956, pois este era genro de Getulio Vargas, o que é um absurdo, afinal Getulio já estava morto e enterrado desde 1954, e Amaral Peixoto embaixador do Brasil nos USA de 56/59, teve junto ao governo norte-americano no periodo da 2.a GM uma participação importante, até mesmo contraria aos “eixistas” que pululavam nas FFAA.
    Mas vamos combinar o seguinte, citando Nelson Rodrigues, pois para puxar o saco de Trump/Bolton/Rubio etc.. , um “continuo” como Dudu é mais que o suficiente.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome