Cortes ameaçam bolsas do CNPq, por Durval Muniz Jr.

Jornal GGN – Durval Muniz Jr, professor titular da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), alerta para os riscos de cortes em Bolsas de Produtividade em Pesquisa do CNPq. Segundo ele, os pesquisadores foram informados de que haveria um corte entre 20% e 30% das bolsas que estão em vigência. Além disso, novas bolsas não serão concedidas.

Muniz diz que o presidente do CNPq convocou uma reunião para tentar tranquilizar os Comitês de Área, mas afirmou que, se o novo corte previsto para o orçamento do CNPq pela Lei Orçamentária se confirmar, os corte poderão ocorrer.

Leia mais abaixo:

Por Durval Muniz Jr., via facebook

BOLSAS DE PRODUTIVIDADE EM PESQUISA AMEAÇADAS

Ao chegarmos hoje ao CNPq, como membros dos Comitês de Área, para o julgamento da demanda de Bolsas de Produtividade em Pesquisa, fomos presenteados com mais uma das boas notícias que o governo golpista não para de dar todos os dias ao país. O técnico da área nos informou que não só não haveria bolsas novas, como teríamos que proceder um corte entre 20% e 30% das bolsas já em vigência e que seriam renovadas.

Todos os Comitês entraram em polvorosa e tratamos de conversar uns com os outros e imediatamente tomamos a resolução de não colaboramos de forma nenhuma com mais esse crime contra o futuro do país, contra as universidades, a pesquisa, a ciência, a tecnologia. Imediatamente contactamos todas as  entidades vinculadas ao setor de ciência e tecnologia, pesquisadores com destaque no país, pró-reitorias e reitorias para que divulgassem mais um golpe no futuro do país, mais uma maldade tramada nos desvãos desse desgoverno ilegítimo.

A notícia rapidamente se espalhou e parece ter surtido efeito. Apressadamente o presidente interino do CNPq convocou uma reunião para o final da tarde onde perante todos os Comitês para, como sempre de forma sutil tentar responsabilizar o governo anterior pelo que chamou de situação difícil do CNPq. Ficou falando no empenho do ministro da Ciência e Tecnologia e do Ministério para que cortes orçamentários não ocorram, como se ignorasse que esse ministério nem mais existe e sim um Frankenstein  acoplado com o ministério das Comunicações. Disse que as bolsas PQ são prioridade da casa e que tudo vai ser feito para que esse corte não aconteça. Mas também disse que se o novo corte previsto para o orçamento do CNPq pela Lei Orçamentária se confirmar que esse corte poderá acontecer.

Leia também:  Sérgio Camargo, da Fundação Palmares, chama movimento negro de 'escória maldita'

Pressionado pelos presentes terminou dizendo que agente fizesse o julgamento como sempre foi feito, sem levar em conta os cenários de possíveis cortes.

Mas um técnico presente, ao perceber que os Comitês se articulam no sentido de evitar fazerem qualquer ranqueamento para não colaborar com o corte, sem querer deixou escapar que o formulário de avaliação mudou e que nós estamos dando notas e portanto o ranqueamento está sendo feito automaticamente. Diante disso, amanhã nos reuniremos novamente para ver que estratégia adotamos. Nossa disposição é não compactuarmos com qualquer corte de bolsa que advenha de restrições orçamentarias feitas por um governo que ao mesmo tempo beneficia empresas com isenções fiscais e que faz banquetes para encher a pança de deputados e faz empréstimos ao FMI e aumenta em mais de 900% os repasses para as empresas de mídia, a mídia que patrocinou e fez o golpe, que deu 47% ao Judiciário e aumentou o salário dos cargos comissionados enquanto corta tudo na área da educação, ciência e tecnologia.

REUNIÃO DOS COMITÊS DE ÁREA DO CNPq

Dando continuidade a nossa mobilização para demonstrarmos o nosso rechaço público a tentativa de corte de Bolsas de Produtividade em Pesquisa e dos recursos para Ciência e Tecnologia os Comitês Assessores presentes essa semana em Brasília se reuniram hoje a tarde no auditório do CNPq para discutirmos a minuta de uma nota que pretendemos tornar pública amanhã, como parte de uma manifestação de repúdio a essas medidas.

Nas discussões ficou clara a posição de que todos os Comitês não participarão de nenhuma maneira de cortes de bolsas por motivos orçamentários. Promoveremos os cortes advindos de motivações acadêmicas e devido a avaliação de mérito das propostas apresentadas e dos currículos. Mas queremos deixar claro que cortes por falta de recursos é um ônus que o CNPq e seus técnicos terão que assumir caso não revertamos junto com o próprio CNPq e o Ministério o planejado corte de recursos para a área.

Queremos deixar claro que é preciso além de não se materializar o corte nas bolsas de Produtividade, ser reposto o corte de 20% de bolsas de Iniciação Científica e retomado o pagamento, a publicação de resultado e lançamento de novo edital Universal. Sem a preservação desses três pilares toda a política de ciência e tecnologia no país estará comprometida.

Leia também:  Projeto de lei sobre fake news “coloca o checador numa berlinda", diz Cristina Tardáguila

Definimos que não faremos qualquer tipo de ranqueamento das propostas aprovadas até o limite de bolsas que cada área já contava para que esse ranqueamento não venha a ser utilizado para corte de bolsas em vigência (embora cada comitê fará isso à sua maneira). Tal como foi aconselhado pelo próprio presidente interino do CNPq continuamos realizando a avaliação normalmente inclusive com a indicação de nomes para serem promovidos de nível e para ingressarem no sistema no lugar daqueles que por ventura tenham saído por falta de mérito ou produtividade ou por terem se esquecido ou não solicitado a renovação.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. só observando…

    Muitos professores das federais se achando bem informados pediam a saída de Dilma e do PT do governo.

    Memória curta ou ódio de classe?

    Nos últimos anos as universidades federias ficarm cheias de pobres….

    Mas agora vai “sobrar” para eles também.

    Mas, na minha opinião, perderam o direito de reclamar.

    Afinal, tudo está como eles queriam, né não?

    • Isso mesmo

      Boa parte dos professores  das federais esqueceram o que os governos do PT fizeram pelas universidades públicas. Agora esses professores vão sentir o chicote estralar no lombo. Eu não vi uma manifestação dos reitores das federais a favor da Dilma ou do Lula. Esses reitores vão se arrepender amargamente e eu vou festejar.

       

  2. Para que pesquisa científica

    Para que pesquisa científica em colônia? Que emigrem todos os talentos formados ao longo desses últimos anos a fim de enriquecer os países desenvolvidos…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome