O abalo da percepção reportada com a ascensão dos “mortadelas”, por Francy Lisboa

Por Francy Lisboa

O aparelho burocrático brasileiro, composto por funcionários públicos, como juízes, promotores, analistas e outros, sempre foi conservador. O contrassenso, porém, fica evidente quando esse mesmo aparato conservador, parte integrante do Estado, une forças com aqueles que defendem o enxugamento estatal.

Talvez, por se sentirem imersos no merecimento meritocrático derivado da aprovação em concursos acirrados, tenham a tranquilidade suficiente para achar que nada, absolutamente nada, pode abalar suas estruturas, seus pomposos salários bem acima da média nacional.

Essa coesão também se dá pelas preferências informacionais. Há no aparelho burocrático brasileiro certo consenso de que as famílias midiáticas reportam nada mais do que a verdade dos fatos. Fora delas, o Brasil não existe, não ocorre, e as arapongas (grampos) estão na integra.

Para aqueles que assim pensam, as manifestações contra o golpe e pela Democracia parecem ter saído do outro lado da linha telefônica, onde não existe sociedade organizada e o mundo segundo a mídia. Nesse espaço, fora da percepção reportada, o que cresce são vírus comedores de mortadela que se proliferam no intuito único de obter benesses meritocraticamente não merecidas.

Contudo, esses vírus parecem ter surgido aos milhares pelo Brasil. Como exemplo, a avenida Paulista, a qual foi tomada por uma massa rubra de comedores de mortadela cujo ranger dos dentes lembrava cantos a favor da Democracia e defesa do estado de direito. De onde vieram esses vírus?

 A percepção reportada parecia garantir que os anticorpos “de bem do Brasil” não tinham antagonistas. Parecia. Quando foi que esse sistema imune falhou e deixou que essa pelegada virótica ganhasse massa o suficiente para abalar a crença do bem de que o mal estava prestes a ser extirpado?

Leia também:  Alemanha testará 200.000 pessoas por dia por coronavírus, replicando a Coréia do Sul

O aparelho burocrático brasileiro, na figura dos integrantes da República do Paraná, deve estar se fazendo as mesmas perguntas. Que detalhes deixamos passar? O detalhe é que o poder relativo de quem molda suas realidades foi quebrado. O sistema imunológico já não consegue mais controlar a propagação do vírus democrático fora dos seus domínios.

Eis que irrompe o pus vermelho e a República do Paraná se dá conta que a percepção reportada não é realidade de fato. O Brasil não é só ódio ao PT, eis o sintoma mais claro daquilo que se chama diversidade, para desespero dos cruzados moralistas e claramente caolhos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

9 comentários

  1. “Talvez, por se sentirem

    “Talvez, por se sentirem imersos no merecimento meritocrático derivado da aprovação em concursos acirrados, tenham a tranquilidade suficiente para achar que nada, absolutamente nada, pode abalar suas estruturas, seus pomposos salários bem acima da média nacional”:

    Mundial.  Nao existe juiz ou DA no resto do mundo que ganha o que os juizes e procuradores brasileiros ganham.

  2. “que comam brioches ! “…..

    deve ter dito FHC, respondendo ao comentário de uma amante jornalista ou jornalista amante,  refestelado num soberbo leito, em um certo apartamento de Paris…. a fome do povo pouco importava, desde que a casta “superior” formada pelos funcionários públicos graduados,  apoiada por burocratas menores e endeusada pela mídia, continuasse a usufruir do leite e mel que fluia sem parar do suor dos mortadelas….

    …. estamos chegando num ponto de ruptura, tal qual chegou a França à época de sua revolução,… o som dos tambores do novo tempo estremece o chão da casa grande, …. os escravos se foram,  em sua grande maioria,  engrossar as águas da mudança, …. a TV e o restante da mídia conseguem ainda segurar meia dúzia de mortadelas submissos e burros, ….  

     

    Mas a mudança é inevitável….

     

  3. Não confunda alho com bugalho

    Alto lá com “salários pomposos”. Os funcionários da Justiça, que não é a mesma coisa da Magistratura, estão há 10 anos tentando aprovar seu plano de cargos e salários. Para os capa preta, tudo, inclusive auxílio moradia. Para os “orea seca” dos analistas e técnicos judiciários, cumprimento de metas!! Mania da imprensa colocar tudo no mesmo saco!! Que preguiça!

    • Silvia, você tem toda

      Silvia, você tem toda razão.

      Entretanto, o orçamento da União não comporta pagar ao mesmo tempo um reajuste de 72% para os funcionários da Justiça e os salários pomposos dos capa preta com penduricalhos e tudo mais.

      Acho que tem uma estratégia errada na luta dos funcionários da Justiça por salários mais dignos.

      O correto seria conceder os 72% para o funcionalismo e congelar por 5 anos a remuneração dos capa preta.

      Mas, quem vai colocar a coleira no pescoço das ratazanas.

      O fato é que, na prática, quem impede o aumento dos funcionários são os capa preta.

      Uma coisa é certa, se houver golpe, o novo governo vai adiar para um futuro distante o aumento dos funcionários da Justiça.

      Os funcionários da Justiça cairam no conto do golpe.

       

       

  4. Gente, ainda há esperança.

    Pela manhã cedo, ouvi um burburinho numa sala ao lado da minha. Fui ver, era meia dúzia de colegas e uns quatro discutindo sobre a lava jato e a mídia. Eles não acreditam na Globo. Grata surpresa.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome