Despolitização: Fé é mais importante que educação e maioria não sabe quem é o vice

Pesquisas Datafolha mostram o nível de despolitização do brasileiro. Fica muito difícil querer que a turma entenda a atual conjuntura e o projeto “Brasil neo-colônia”, por Jackson da Viola

Foto: Reprodução
Do leitor Jackson da Viola

Juntando o resultado das pesquisas, vemos claramente o nível de (des)politização da maioria de nossos cidadãos. Fica muito difícil querer que a turma entenda a atual conjuntura e o projeto “Brasil neo-colônia” da elite endinheirada (mais ”irmãos do norte”). Faltou muita “educação política” de base, explicar desde a mais “tenra idade” o que é Republica, Democracia e Cidadania, como funcionam o sistema político, os Poderes e a representatividade.

Fé religiosa é mais importante que educação para mudar de vida, diz brasileiro em pesquisa. Levantamento feito por Oxfam e Datafolha (leia aqui) mostra visões diversas sobre como reduzir desigualdade no país.

Um trecho:
Quanto às prioridades que levariam a uma melhora de vida, os entrevistados tiveram de elencar em ordem de importância oito aspectos pré-definidos. Aquele que recebe o maior contingente de prioridades é a “fé religiosa”, com 28%, seguido por “estudar” (21%) e “ter acesso à saúde” (19%). Em último, aparece “cultura e lazer”, com 2%.

E seis de cada 10 brasileiros não sabem quem é o vice de Bolsonaro (aqui).

Se Mourão fosse um vice “apagado/discreto” a pesquisa não seria tão reveladora, mas no caso do atual vice que está “estampado” nas mídias “dia sim e outro também” é bastante “sintomático” a (des)politização do nosso povo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  No Brasil, Bolsonaro culpa ONGs. Na Bolívia, Evo Morales cria gabinete para combater incêndios

2 comentários

  1. Tenho falado sobre essa despolitização e da falta de cultura do brasileiro. Uma e outra são importantes para que o Pais não seja apenas um peão nas mãos dos poderosos, mas uma verdadeira nação. E o que temos hoje na condução da Educação brasileira não poderia ser mais catastrofico.

  2. Prezada Maria Luiza
    Não sei qual é o grau de politização do povo brasileiro, e este é um julgamento que depende do nível idealizado. Mas no momento estou desinformado. Pois politizado ou não, com certeza o povo brasileiro é o mais mal informado. Nossa concessões públicas de radio televisão e nossa imprensa escrita e agora “internética” constituem, sem dúvida, a principal arma de desinformação e de concentração de poder. A informação é a palavra chave , pois a visão política de mundo depende dela. A imprensa e a mídia criaram um fosso invisível, onde a realidade do outro lado, mal pode ser vista.
    Mas temo que não posso utilizar esta generalização onde toda a culpa recai sempre sobre a tal ” população brasileira”. Esta população desinformada e com pouco acesso ao conhecimento, paga o pato por esta casta que detém conhecimentos e informação . Não se pode acusar de falta de cultura, um Ministro como Barroso, ou Weber, e todos os outros. Mas o que é que isto significa ? (Nada) .

    Como compreender tantas pessoas com tantos diplomas seguindo um mentecapto como Olavo de Carvalho que também tem muitos diplomas e muita “cultura”. Não se pode falar que Guedes e Moro não tenham tido e acesso a educação, no entanto pode-se notar que são ignorantes sociais. No caso de Guedes é grave, pois se estudou economia, devia saber vinculá-la a uma realidade. Guedes pensa que planilha é a realidade, e que desemprego é apenas um índice que pode desaparecer se intervir no IBGE. No caso de Moro, depois do conge, fico em dúvidas quanto a sua cultura, mas com certeza, conhecimento para ele é essencialmente uma arma de poder .
    Não se pode chamar o príncipe da Academia FHC de ignorante nem desinformado. Mas foi ele e todo os doutos de seu partido que deram apoio a esta destruição total que ora voga no país.
    Não foi por falta de educação ou cultura da população que o nazismo proliferou, em toda a Europa nos anos 40 do século passado, e volta a proliferar. E não se pode dizer que não havia movimentos politizados naquela Alemanha.
    Portanto acho que temos que compreender melhor qual é de fato o nosso problema.
    Continuamos sendo um país com uma cultura e arte e música porém…. Eu defendo ardentemente a educação e a ciência, mas todos devem ter consciência que o conhecimento é o objeto de desejo. E grupos tem-se apropriado deste conhecimento para impor seus interesses. O conhecimento é um campo de luta, pois fica evidente que quem se apropria do conhecimento o tem utilizado como arma de destruição em massa.
    Bolsonaro teve acesso ao conhecimento e sabe do poder contido nele. Mas incapaz de dominar o conhecimento, nutre um ódio intestino e quer destruí-lo. Bolsonaro e os seus são mestres em estimular os mais baixos instintos, e agora Bolsonaro tenta mobilizar aqueles cujos sentimentos estão marcados pela exclusão e obstáculos de acesso. Daí o MEC ser uma de suas prioridades, não como educação, mas como arma para destruir toda possibilidade de conhecimento.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome