Dilma está preocupada, mas não vai “arrancar os cabelos” pela baixa popularidade

Jornal GGN – Antes de embarcar para os Estados Unidos, a presidente Dilma Rousseff concedeu uma entrevista ao jornal Washington Post, na qual afirma que está preocupada com o índice de impopularidade apontado pela última pesquisa Datafolha, mas que não vai “arrancar os cabelos” por causa disso.

Pela primeira vez, Dilma admitiu que vê algumas doses de machismo (“preconceito sexual ou de gênero”) em críticas que lhe são feitas. “Sou descrita como uma mulher dura e forte que coloca o nariz em coisas que não deveria, e eu estou [me dizem] cercada por homens muito fofos”, no sentido de mais gentis e frágeis do que ela. A Folha de S. Paulo traduziu que Dilma acha que está cercada por “homens muito bonitos”.

Presidente do Brasil , Dilma Rousseff aponta “viés sexual ” de seus críticos

Do Washington Post

O relacionamento da presidente Dilma Rousseff com a Casa Branca bateu as botas há dois anos, quando ela soube que a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos tinha grampeado seu telefone. Na próxima semana, com a economia brasileira em apuros, os números das pesquisas [de popularidade] em baixa e escândalos políticos, Rousseff vai visitar Washington para restaurar as relações com o presidente Obama e atrair o investimento dos EUA. Na véspera da viagem, ela falou com a correspondente do The Washington Post, Lally Weymouth, em sua residência em Brasília. Trechos editados seguir:

Quando eu estive aqui da última vez, sua economia estava crescendo, mas agora está lutando para sobreviver. Sua taxa de inflação é alta. O boom das commodities é longo. O novo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, está promovendo medidas de austeridade. Esta é uma grande mudança. Como o Brasil vai sair desta situação?

O Brasil tem lutado por seis ou sete anos, de modo a não adotar medidas que possam reduzir as oportunidades de emprego ou renda.

Mas isso não funcionou , não é?

Funcionou por sete anos. Nós não vimos qualquer redução dos níveis de emprego ou renda.

Leia também:  E Bolsonaro recua, mas não muito, quanto a esvaziar o ministério de Moro

Mas então você tinha o boom das commodities , que agora caiu aos pedaços, e também há uma desaceleração na China.

Sim. Nós experimentamos o fim do superciclo do boom das commodities.

No passado, você pensou que o governo poderia fazer tudo?

Não, eu não pensei isso. Se você acha que o Estado pode cuidar de tudo, você não está levando em conta o fato de que a economia é muito maior do que isso. O Brasil tem um forte setor privado. Nós não queríamos que o setor privado entreasse em em depressão. Nós reduzimos os impostos para o setor privado.

Você está correndo atrás de um déficit agora?

Não é muito alta porque a nossa moeda se desvalorizou.

Agora, o novo ministro da Fazenda propôs medidas de austeridade e cortes no orçamento. Seu próprio partido se opõe a essas mudanças, como fazem alguns na oposição. Você acha que você pode obtê-los [aprovar o pacote fiscal] por meio do Congresso?

Sim, o programa atual não está sendo tocado somente pelo meu ministro da Fazenda – é tocado, obviamente, pelo meu governo. Estamos absolutamente certos de que [o ajuste fiscal] é essencial para pôr em prática todas as medidas que são necessárias, não importa quão duro elas seja, a fim de retomar as condições de crescimento no Brasil. Algumas medidas são fiscais. Outras, estruturais.

As reformas do mercado de trabalho, por exemplo?

Sim, [mudanças em] benefícios de seguro de desemprego, bem como pensão por morte e subsídio de licença médica. Nós não acreditamos que os ajustes são um fim em si mesmos. Temos um objetivo – para retomar o crescimento.

O que você espera de sua visita ao presidente Obama?

Os Estados Unidos são o maior investidor privado no Brasil. Nós compartilhamos uma visão que pode nos levar a uma grande parceria na agenda da mudança climática. Nesta viagem eu espero desenhar laços mais estreitos em matéria de ciência, tecnologia e inovação. Esperamos também que a cooperação no domínio da educação, principalmente no ensino primário.

Onde você acha que as coisas estão no escândalo envolvendo a Petrobras, a companhia estatal de petróleo? Dois CEOs [presidentes] das maiores empresas de construção do Brasil foram presos este mês, além de acusações anteriores contra políticos e ex- executivos da Petrobras em conexão com contratos e pagamentos a políticos. Você foi presidente da Petrobras por um longo tempo. Você tem alguma ideia que isso estava acontecendo?

Leia também:  Alemanha descarta liberação de verba para Amazônia

Nós apoiamos totalmente as investigações. Foi sob a minha administração [não como presidente da Petroras, como como presidente do Conselho de Administração da Petrobras] que eles [ex-executivos da Petrobras presos] foram destituídos – muito antes de o escândalo vir à tona. Essas pessoas cometeram crimes, ou pelo menos é o que a promotoria pública está dizendo. Eu não posso dizer isso.

E quanto à alegação de que o Banco Nacional de Desenvolvimento [BNDES] estava envolvido neste escândalo? Que ele estava dando empréstimos às grandes empresas de construção a taxas favoráveis? E que ao Partido dos Trabalhadores foi dado pagamentos pela Petrobras e aqueles que se beneficiaram com o esquema?

O BNDES não estava envolvido. Não há investigação sobre isso. A oposição quer saber sobre todos os empréstimos que foram feitas pelo BNDES para países estrangeiros, e que não envolve a Petrobras em tudo.

Será que isso envolve as empresas de construção? 

Sim. Mas essas empresas de construção são apenas isso. Assim como Enron e os bancos americanos foram investigados nos EUA , é parte integrante da democracia.

Quando você era presidente [do Conselho de Administração] da Petrobras, você não tinha ideia da corrupção que estava acontecendo?

Não. Uma investigação teve que ser conduzida pela Polícia Federal e o Ministério Público antes que pudéssemos encontrá-la. Você não costuma ver corrupção acontecendo. Isso é típico de corrupção – ela se esconde.

As pessoas dizem que você é um “micromanager” [chefe que dá pitacos em tudo]. Mas eles também dizem que, desde a última eleição, você mudou e decidiu capacitar as pessoas, como o seu ministro da Fazenda e seu vice-presidente, Michel Temer, a quem permitiu negociar com o Congresso.

Leia também:  Lula e Dilma geraram mais emprego que Bolsonaro no primeiro ano de governo

Alguma vez você já ouviu alguém dizer que um presidente do sexo masculino coloca o dedo em tudo? Eu nunca ouvi falar disso.

Então você acha que é um comentário sexista?

Eu acredito que há um pouco de preconceito sexual ou um viés de gênero. Sou descrita como uma mulher dura e forte que coloca o nariz em coisas que não deveria, e eu estou [me dizem] cercada por homens muito fofos.

Seu índice de aprovação está em 11% [segundo pesquisa Datafolha]. Você deve se preocupar com isso.

Sim, mas não significa que eu vou arrancar meus cabelos. Você tem que viver com as críticas e com o preconceito. Eu não tenho qualquer problema com cometer erros; se alguém comete um erro, deve mudar. Não há um plano pronto para dizer: “Este é o caminho certo, este é o caminho errado.” Em qualquer atividade, incluindo o governo, você deve incessantemente fazer ajustes e mudanças. Se não o fizer, a realidade não vai esperar por você. O que muda é a realidade.

O que você quer que seja legado?

Eu acredito que a parte mais importante do meu legado é garantir que uma enorme redução da desigualdade ainda é possível. Espero que no final do meu mandato, vou ter construído as condições para fazer esses ganhos permanentes. Fomos capazes de levar 50 milhões de pessoas à classe média, e nosso principal objetivo é que o Brasil se tornar um país de classe média.

Leia a entrevista completa clicando aqui.

 

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Sexismo

    Claro que há um viés machista quando se trata da presidente. Cristiana Lobo, comentarista de política da Globonews, disse que ” Dilma precisaria ser mais doce que uma mãe, precisaria ser doce como uma avó” …o que significa? Isso é só um exemplo, pois como já disse a “falecida” Marta Suplicy :”quando UMA parlamentar briga pelas suas idéias é histérica e mal amada, quando é UM parlamentar é considerado forte e decidido…”.

     

  2. “Nesta viagem eu espero

    “Nesta viagem eu espero desenhar laços mais estreitos em matéria de ciência, tecnologia e inovação. Esperamos também que a cooperação no domínio da educação, principalmente no ensino primário”:

    Nao existe “cooperacao” nos EUA.  So existe gigolagem.  Dilma esta enganadissima se esta pensando que o fantoche vai oferecer qualquer coisa pra ela ou pro Brasil que nao seja a proverbial “cooperacao que nao se pode recusar”.

    E eles entram com a cara.

    Por sinal, micromanager eh “gerenciamento por estrangulamento”.  Como ter uma putada nas suas costas te gigolando 24 horas por dia em audio, video, texto, e telemetria, ano apos ano apos ano, sem aparecer um unico filho da puta pra falar por voce.

    Nao eh Dilma que eh micromanager nao.

  3. A Presidente não tem com o que se preocupar com pesquisas!

    Até porque ninguém sabe se o reduto de onde saiu os números foram em sua maioria de coxinhas.

    Presidente siga com o seu projeto de governo! Até porque há um contigente muito real lhe apoiando! No qual me incluo!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome