Diretoria de hospital público no MT pede demissão por situação de calamidade

Estado não repassa verbas desde março; estoque de comida e gás medicinal chegam ao nível zero colocando vida de pacientes em risco 

Estado não repassa verbas desde março; estoque de comida e gás medicinal chegam ao nível zero colocando vida de pacientes em risco

Jornal GGN – Em resposta a situação de calamidade causada pelo atraso dos repasses do governo Pedro Taques (PMDB), a diretoria do Hospital Regional de Sorriso, localizado à 420 km de Cuiabá (MT), pediu demissão. Desde março os funcionários do centro médico estão sem receber salários e parte dos atendimentos foi parcialmente suspensa, alcançando alimentação, lavanderia e centro cirúrgico. 

 
O Estado deve, atualmente, R$ 8 milhões ao hospital, que é uma instituição pública que tem o Sistema Único de Saúde (SUS) como único cliente. 
 
O caso ganhou repercussão nacional após um vídeo, viralizado nas redes sociais, com o trecho da entrevista coletiva feita pelo diretor técnico do hospital, dr. Roberto Yoshida, que chegou a chorar, emocionado, afirmando que em trinta anos de formado nunca viu nada igual.
 
“O hospital chegou a tal ponto que até pensamos em fechar a porta para o atendimento de emergência, mas isso seria o caos total para a população, equipe médica e sociedade em geral. Mas o caos já chegou, quarta-feira a comida já vai estar no estoque zero, na quinta o gás para a cozinha vai terminar e na sexta o gás medicinal atingindo pacientes do centro cirúrgico e UTI neonatal. Para assegurar esses pacientes estamos tentando fazer a transferência, caso contrário, vão começar a morrer, um atrás do outro”, disse.
 
Segundo informações do portal de notícias local, Cenário MT, Yoshida não suportou o estado de calamidade, e acabou pedindo demissão nesta quarta-feira (24) e, um dia antes, a diretoria regional do Hospital de Sorriso pediu demissão durante uma audiência pública realizada na Câmara dos Vereadores. 
 
Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) disse estar surpreendida com as demissões e que enviou uma equipe técnica para fazer um diagnóstico da situação, com a promessa de realizar um levantamento de cada setor, desde o atendimento, até as áreas clínica e cirúrgica. 
 
Também em resposta a situação extrema, o governo do Mato Grosso informou que irá repassar, ainda nesta semana, R$ 54 mil para comprar comida e retomar parte dos serviços, iniciando uma ação para quitar os repasses atrasados. 

https://www.youtube.com/watch?v=OYDbERChmbA&feature=youtu.be width:700

 
Assine
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Serviço Geológico lança mapa online sobre áreas de risco no país

7 comentários

  1. Agro é pop. Agro é tudo.

    Interessante… Sorriso é a capital nacional da soja. Já foi até tema de samba enredo.

     

    http://g1.globo.com/economia/agronegocios/noticia/2016/01/escola-de-samba-do-rio-de-janeiro-tem-agricultura-como-tema.html

    Edição do dia 31/01/2016

    31/01/2016 09p0 – Atualizado em 31/01/2016 09p0

    Escola de samba do Rio de Janeiro tem a agricultura como tema

    Sorriso é a capital nacional do agronegócio.
    Cidade já é dona da quarta maior economia de MT.

     

  2. Caos total em MT.

        Não é só em Sorriso. Em todo Mato Grosso ,desde o inicio deste atual ,a primeira medida ,foi a suspensão de passagens ,para tratamento especifico de doenças graves ,fora do Estado.A medicação de alto custo ,também foi suprimida como é o caso do Glivec . O inquilino do Palácio ,passa o tempo ,dando entrevistas e mais entrevistas , à midia chapa branca ,e aos blogs aderentes do atual mandatário. Agora surge o caso dos ¨grampos¨,de fazer inveja a CIA . 

  3. resumiu

    Ana, seu comentário conciso encerra qualquer discussão. A saúde dos menos afortunados “não vem ao caso”

  4. Na reportagem que vi esse

    Na reportagem que vi esse mesmo vídeo pela televisão, depois repórteres dizem que o secretário de saúde faz alegações que só faltam dizer que o médico tá fazendo drama. Ou seja, que o médico não pediu os recursos ao secretário.

    FHC fez um dia a comparação da ponte pro futuro de Temer como pinguela. No programa da band de domingo ele tentou se desculpar, mas não deu muito certo sua argumentação, até porque está mais do que claro que de ponte para o futuro estamos muito mais para uma pingela para o meio dos infernos.

  5. tapa na cara…

    de quem pediu saúde padrão fifa quando todo ano já era bom para tudo, inclusive para o grão

    mas, com o glpe, a avidez pelo dinheiro passou a ser tanta que dentro do próprio goveno ainda há quem defenda que não sobra dinheiro para curar e alimentar ao mesmo tempo

    aos imbecilizados recomendo que, antes de morrerem de fome e doentes, gritem Fica Temer

  6. Governo tucano e do MP

    Essa é uma amostra do que espera os coxinhas de um governo do PSDB, com membro egresso do MPF.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome