Doria diz que “pela primeira vez” houve queda “leve” nas mortes por coronavírus

Doria agora diz que não fez um "plano de flexibilização", mas uma "quarentena heterogênea"

Foto: Governo SP

Jornal GGN – O governador João Doria disse à imprensa nesta quarta (1º) que a “curva da pandemia” de coronavírus, mais precisamente a que trata do número de óbitos, registrou uma “leve” mudança em São Paulo.

O secretário de Saúde Luiz Henrique Germann informou que o Estado São Paulo registra 289,9 mil casos confirmados de coronavírus. Do acréscimo ocorrido nas últimas 24 horas, 55% dizem respeito a casos ativos e 43% de casos que estão em investigação epidemiológica. Considerando os casos ativos, o aumento diário foi de 1,6%. O acréscimo de óbitos nas últimas 24 horas foi de 1,8%. O total de mortes é de 15 mil. “Isso significa que podemos estar próximos de um platô.”

“Pela primeira vez desde o começo da pandemia, tivemos um leve declínio na curva de vítimas fatais”, disse Doria. “É um dado significativo. Nós conseguimos reduzir em 144 falecimentos nesta última semana”, disse ele, afirmando ainda que “fechamos em junho na margem inferior da projeção de óbitos do comitê de saúde. Centenas de vida foram poupadas no mês.”

Para Doria, “São Paulo está chegando no platô, que é a faixa superior [da pandemia, quando os casos atingem um pico] e terá uma certa horizontalidade e, na sequência, esperamos o decréscimo de pessoas infectadas e principalmente de vítimas”, disse.

Na visão de Doria, os dados “indicam mudança na curva da pandemia, especialmente na cidade de São Paulo, e confirmam os estudos e projeções do nosso centro de contingência para encaminhamento do plano São Paulo”, que flexibilizou a quarentena em todo o Estado de maneira heterogênea e faseada.

Leia também:  Fracassamos Como Nação? Confira todas as entrevistas da série com Luis Nassif

O governador permitiu a reabertura de comércios, shoppings e outros estabelecimentos antes de o Estado verificar queda substancial no número de mortes por covid-19.

Doria agora diz que não fez um “plano de flexibilização”, mas uma “quarentena heterogênea”.

Segundo Germann, a taxa de ocupação de leitos de UTI em todo o Estado é de 64,4%. Na Grande São Paulo, 65,4%.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome