Edir Macedo, o bispo, recebe passaporte diplomático de Bolsonaro

Os documentos cedidos ao pastor, proprietário da TV Record e da Igreja Universal do Reino de Deus, e esposa, têm validade de 3 anos.

Foto Gospel Prime

Jornal GGN – Assinada por Ernesto Araújo, chanceler do governo Bolsonaro, foi publicada portaria concedendo passaporte diplomático para Edir Macedo e sua esposa, Ester Eunice Rangel Bezerra. Os documentos cedidos ao pastor, proprietário da TV Record e da Igreja Universal do Reino de Deus, e esposa, têm validade de 3 anos.

A portaria está no Diário Oficial da União desta segunda, 15 e, nela consta que ‘com o passaporte diplomático, seu titular poderá desempenhar de maneira mais eficiente suas atividades em prol das comunidades brasileiras no exterior’.

A relação de Jair Bolsonaro com os evangélicos já é bem conhecida. Na semana passada, em encontro com representantes evangélicos em hotel de luxo no Rio, Bolsonaro citou versículo da Bíblia para contar como são feitas as votações do Brasil na ONU, em questões de direitos humanos. Ele afirmou que em seu governo o País segue João 8:32, que diz ‘E conhecerão a verdade, e a verdade vos libertará’.

O presidente de todas as crenças disse que ganhou a eleição ‘por milagre’ e que isso torna o seu reinado uma missão de Deus. Disse mais, que a missão, junto com os evangélicos e ‘o povo de bem do Brasil’ será cumprida até o país chegar a um porto seguro.

Existem regras para a emissão de passaporte diplomático. No caso de políticos, poderão gozar do privilégio o presidente, vice e ex-presidentes da República. Além deles, ministros, titulares de secretarias da Presidência e governadores, deputados e senadores. Magistrados, militares, diplomatas de alto nível também são permitidos.

O tempo máximo de validade do documento é de cinco anos ou até seis meses depois do fim do mandato do titular.

As vantagens em países com acordo específico com o Brasil é a dispensa da exigência de visto. Além disso, vale ressaltar a vantagem no retorno ao país.

Bom lembrar que outro pastor foi agraciado com passaporte diplomático, o missionário R.R. Soares, da Igreja Internacional da Graça de Deus, e sua mulher. Quem concedeu foi o então chancelar José Serra, mas a concessão foi suspensa por decisão liminar da Justiça Federal de São Paulo. O pastor e sua cônjuge tiveram cinco dias para devolver os passaportes após a decisão.

A decisão da Justiça foi uma resposta à ação popular movida pelo advogado Ricardo Amin Abrahão Nacle, que alegou desvio de finalidade no benefício concedido.

 

13 comentários

  1. O desvio de finalidade permanece. Então, como já tem precedente, o que a justiça espera para invalidar mais esta aberração?

  2. gente como edir macedo, malafaia e outros são a prova viva de que infelizmente Deus não existe. E se existe, fica ainda pior para ele que não faz nada, é um omisso! E tenho dito!

  3. Não tem o menor cabimento dar passaporte diplomático para um “bispo” de uma igreja evangélica, mas não podemos esquecer que Edir Macedo e sua esposas tiveram passaporte diplomático em 2006, sob o governo Lula, e em 2011 com o governo Dilma.
    Ou seja, o governo atual só está mantendo uma tradição inaceitável…

  4. A TV Record é aquela que quando entrevista o presidente faz as perguntas que ele próprio mandou perguntar.
    O SBT vai na mesma linha.
    Não me surpreenderia se o Silvio Santos fosse agraciado com o tal passaporte.
    Voltamos à época da colonização, quando se agraciava os puxa sacos do rei com comendas e honrarias.

  5. O governo Lula concedeu em 2006 e a Dilma renovou. Bolsonaro apenas referendou o que os governos anteriores haviam feito.

  6. O governo Lula concedeu o passaporte e a Dilma renovou. Bolsonaro apenas referendou o que os governos anteriores haviam feito.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome