Trump propõe 1 trilhão de dólares em infraestrutura, por Rogério Maestri

Enquanto a Lava Jato destrói a engenharia brasileira Trump propõe 1 trilhão de dólares em infraestrutura

por Rogério Maestri

Enquanto a Lava Jato destrói a engenharia brasileira Trump propõe 1 trilhão de dólares em estradas, pontes, aeroportos e saneamento.

Parece que mais uma vez os golpistas andam na contramão da história, o recém eleito presidente norte-americano propõe aos norte-americanos um plano de reconstrução da infra-estrutura de 1 trilhão (não é bilhão, é trilhão mesmo) que contará com mais ou menos 140 bilhões de incentivos fiscais para alavancar parcerias público privadas com empresas de construção norte-americanas.

Para levar adiante este plano que segundo cálculos apresentados Economic Policy Institute já em julho de 2014, somente um investimento de US$ 18 bilhões em infraestrutura produz um aumento de US$28,00 bilhões de dólares e a criação de 216.000 empregos.

Como Donald Trump é um empresário da construção civil e entende bem do assunto, provavelmente este plano de 1 trilhão será realizado, porém é importante chamar atenção que para estes planos funcionarem devem ter empresas de construção de grande porte.

Ao mesmo tempo que uma saída Keynesiana tradicional e pouco vinculada ao liberalismo reinante, está se esboçando nos USA, no Brasil a Lava Jato faz tudo para que haja uma parada no setor da construção civil e correlatos (aço, cimento, etc).

Não adianta o governo golpista falar em Parceria Público Privada e obrigar ao setor produtivo tirar seu dinheiro dos bancos e passar para o investimento à medida que não teremos empresas de médio e grande porte para levar qualquer um destes investimentos. Imagine qual é à disposição de um empresário qualquer atacar uma obra pública de grande porte se a República de Curitiba olhando e não gostando dos seus preços coloque a diretoria toda na cadeia até que eles façam uma delação premiada! É mais fácil e muitas vezes mais seguro deixar o dinheiro no banco recebendo juros estratosféricos, afinal quem define o limite entre o sobre preço normal e o da corrupção são os brilhantes procuradores federais.

15 comentários

  1. pra você ver como o nível de mediocridade da massa golpista

    é alarmante: até o trump parece um estadista quando comparado ao sem-vergonha que se auto-proclama carlos magno.

    • É pior que nem tinha notado!

      Este comentário complementa a notícia. Mostra que a política internacional apesar de estar nivelando por baixo, ainda conseguimos ficar numa posição inferior.

  2. E o BNDES vai financiar essa

    E o BNDES vai financiar essa obras nos EUA a juros subsidiados e com vinte anos para pagar.

    Quem teve essa idéia de jerico?

  3. Há pouco tentei ouvir o

    Há pouco tentei ouvir o comentário de Jabor. Este pode levantar qualquer bola, mas em algum momento irá falar mal de Lula. Desta vez, pra variar, também meteu o sarrafo em Trumpcom vários adjetivos, começando por psicopata. Ao final, vamos ao Lula. Que o ex-presidente e o PT, impantaram uma ditadura, e que o resultado é o que estamos vendo. Enaltece os esforços do Governo atual para tirar o país da crise, etc.

    Ninguém precisa ser muto inteligente pra saber que se a maioria ouve rádio, é pela CBN que se tem a notícia trocada, pronta e acabada para dominar as mentes.

  4. “Essa Porra”

     

    Podem acreditar, quando o Conde Drácula voltar ao caixão(espero que seja breve), “Essa Porra” voltará ao estado em que os Portugueses encontraram quando aqui desembarcaram. A propósito, mudando de assunto e continuando no mesmo, quando vão começar a distibuir as passagens de ida para que a gente possa abandonar “Essa Porra”, Ame-a ou Deixe-A????

  5. Trump propõe 1 trilhão de dólares em infraestrutura, por Rogéri
    brasil.elpais.com

    União Europeia sugere estímulo de 50 bilhões de euros e põe fim à austeridade fiscal

    Claudi Pérez

    “Não sou fanático por austeridade”, disse Jean-Claude Juncker, o presidente da Comissão Europeia, na terça-feira. Nesta quarta, o Poder Executivo da União Europeia consumará uma guinada da sua política econômica que já foi adiada inúmeras vezes. Depois da austeridade receitada entre 2010 e 2013 (uma máquina perfeita de contração econômica nesses anos) e da política fiscal neutra desde 2014, a Comissão recomenda agora um estímulo de 0,5% do PIB da zona do euro, o que significa um pouco mais de 50 bilhões de euros (184,2 bilhões de reais), para impulsionar a medíocre recuperação continental. Bruxelas pede reformas que atraiam investimentos e levem a desonerações tributárias. Reivindica que os países com maior margem – Alemanha e Holanda à frente – gastem mais, e recomenda cautela a Espanha, França e Itália, as nações com maiores déficits e dívidas.

    Nassif, com a informação acima, o melhor jornal do país (sem trocadilhos para não ferir o cartel nacional que vai à justiça!!) mostra de que lado estão os golpistas que assomaram o poder descontituindo 54 milhões de votos. A favor do Brasil é que não é… A UE dá uma sonora banana no FMI e Banco Mundial ou não?

     

  6. A diferença é que lá a

    A diferença é que lá a política é sempre nacionalista, enquanto que aqui, neste governo golpista, é recolonialista!

  7.  
    Enquanto isso, pela banda

     

    Enquanto isso, pela banda de cá: lá se vai nóis, sendo empurrados pelos  coxinhas da lava-bunda a jato. Com a PEC no rumo da “ponte para o futuro.” Então! Só se for a ponte do futuro da PqP esse bando de golpistas sem vergonha nas fuças.

    Com estes grupos oligarcas que monopolizam o mercado econômico, lideram o cartel midiático da maneira mais tosca. A coisa é muito grave.  Não é normal que em poucas décadas, as elites de um país, se envolvam, uns patrocinando, outros aderindo descaradamente, sendo que alguns envergonhados apoiaram se omitindo. Ao cabo, as elites da nação brasilis, são participes sim, dos dois procedimentos golpistas recentes, naturalmente com as exceções de praxe. Muitos refugam, porém, as elites oriundas da casa-grande, embora tão retrógada e reacionária, ainda conta com enorme contingente, dispostos a restaurar e manter seus tempos de engenhos, e do café com leite, da velha republiqueta dos barões.

    A permanecermos sem uma resposta dura a essa elite de merda. Burra, é verdade, mas, determinada em impedir qualquer desenvolvimento autônomo do Brasil. Não demora, caso repitam o êxito na atual empreitada. Observem que no golpe de 64, havia o contraponto exercido por excelentes quadros militares com visão de Brasil. Coisa absolutamente inexistente entre as toscas lideranças atuais. Compostas de grupos embaraçados predominantemente a interesses antinacionais. Não poucos, de notória ignorância, como é o caso do Zé Serra, um tosco agente entreguista guindado ao posto de liderar as Relações Internacionais. Quê disparate! PqP da santa ignorância. Bando de cabeças-colonizadas, tira-sapatos subalternos aos mandantes externos.

    Portanto, este grupo governante, é de entreguistas absolutamente convictos em tornar o Brasil, no máximo, numa merda de colônia camuflada de país do tipo de um Porto Rico de língua portuguesa.  Se não houver brava resistência dos brasileiros, a alternativa restante, seria aproveitar a “ponte” do temer e adentrarmos de vez, de volta à Idade Média.

    Orlando

  8. “Enquanto a Lava Jato destrói

    “Enquanto a Lava Jato destrói a engenharia brasileira Trump propõe 1 trilhão de dólares em estradas, pontes, aeroportos e saneamento.”

     

    Troca o “Enquanto” por “Porque”.

    Trump ano passado afirmou, sem pudor algum, que brasileiros “roubavam” empregos dos americanos.

    Pode me chamar de simplista, mas a coisa é simples assim: o Brasil está sendo destruído para que americanos e europeus mantenham um vidão. Estamos juntos nessa com Iraque, Síria, todo o Continente Africano, o México, aliás, toda a América Latina etc. etc. Só que está ficando cada vez pior.

    Como diria Orwell, são os “browns” servindo e/ou morrendo pelos brancos. E os brancos já começaram o processo de “higienização” interna também, já que Trump pretende deportar/prender o máximo de imigrantes latinos.

    De todo modo, vendo toda essa insanidade totalmente fabricada e proposital acontecer no meu país, fico envergonhada. Há a minoria ignorante boçal e violenta, sempre há. Mas os homens e mulheres no Brasil estão todos reduzidos a pó. O que aconteceu com os homens de bem e nacionalistas deste país, que não fazem nada? Ou não há realmente nenhum homem de bem no poder, corajoso o bastante pra peitar o império? Pergunta retórica, é claro que não há… Não há ninguém com poder que se sensibilize com o que estão fazendo e farão com isso aqui. Com uma elite esmagadoramente racista, que despreza o próprio país e o povo, não há futuro, nem nação, nem luta, nem dignidade. É isso aí, estamos todos aqui ou perdidos em nossa covardia/perplexidade ou ignorância/idiotice, enquanto os políticos americanos e outros farão a festa às custas de nosso pré-sal.

    • Meu caro, se nos USA há presidentes que pensam nos …….

      Meu caro, se nos USA há presidentes que pensam nos empregos de seus eleitores, aplausos, se no Brasil há um monte de sacanas que permitem n´s sermos roubados pelos outros, o problema é nosso, em economia não há amizades há interesses.

  9. Não são os mexicanos que vão pagar pela ‘infraestrutura’?

    Ué, mas não são os mexicanos que vão pagar pela grande obra de ‘infraestrutura’ do Trump, o muro com o México? Incrivel como uma certa pseudoesquerda se deixou encantar com a linguagem sem sentido, incoerente, amorfa do neofascismo, deve ser saudade de ‘papai Stalin’, na falta dele vai ‘papai’ Trump mesmo. Parece que na batalha da linguagem o neofascismo está ganhando.

    • André, queres o que? Que somente fale do sexismo do Trump?

      É surpreendente quando não se fala de assuntos que realmente conduzem os destinos do mundo, como o sexismo de Trump e demais distorções de caráter do futuro presidente norte-americano, está se ficando encantado com o “papai” Trump.

      Reamente ficar encantado com a pacífica Hillary que é o máximo, mas afinal ela só mandou matar algumas centenas de milhares de pessoas no terceiro mundo, porém as baixas norte-americanas foram mínimas.

    • Caro André, quando respondi a tua observação não tinha ….

      Caro André, quando respondi a tua observação não tinha tempo para dar uma resposta correta, porém agora posso detalha-la bem melhor do que a anteior.

      Primeiro de tudo, temos que levar em conta que Trump foi eleito para presidente dos Estados Unidos da América, e não para presidente do México, logo se ele está pensando nos empregos dos seus eleitores e não doa mexicanos é a dura realidade da política, e pelo que eu saiba a solidariedade proletária não está nem no vocabulário de Trump, logo em termos de seus eleitores ele está fazendo o correto e os governantes do México que façam melhor para seus eleitores.

      Quem pensa em política como uma forma de satisfazer as necessidades de outros povos e não do seu, quando se está num sistema capitalista, nem pode ser chamdo de uma pseudo-esquerda, mas sim de um simplório e abobado.

      Se olhares no meu blog num artigo que escrevi antes deste (em 4/11/2016) denominado “Programa de recuperação da infra-estrutura norte-americana, juros reais nas alturas.” deixo claro neste artigo, que não foi promovido ao GGN, que quem vai pagar este programa de recuperação da infraestrutura norte-americana vai ser nós mesmos, pois conforme for o financiamento deste programa os juros no mercado internacional vai subir e vão tranferir esta conta para nós.

      O que fiz no artigo foi simplesmente uma comparação de duas políticas propostas e ainda não realizadas, uma tentando reverter a crise (nos Estados Unidos) e outra agravando a crise (no Brasil).

      Agora não é por reconhecer que uma tentativa de política econômica que pode dar certo em um dado país e outra que provavelmente dará errada que estou dizendo que o capitalismo norte-americano é fantástico com os países do terceiro mundo, porém não sou idiota ao ponto de achar ruim para o povo norte-americano que eles transfiram a sua crise para as nossas costas. É ruim para o povo brasileiro e mexicano, porém quem deve resolver os nossos problemas são os nossos governantes e não dos outros países.

      Política é uma arte de obter sucesso e poder e não de ser bonzinho e ganhar premios nobel da paz.

      Quanto ao grande Stalin, realmente ele recosntruiu um país destroçado duas vezes e não uma, logo não seja infantil e não confuda as coisas.

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome