Enquanto Vélez permanece no MEC, está proibido de nomear

Desgaste do ministro da Educação chegou ao ponto de ele ser proibido de nomear outros integrantes da sua pasta

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – O desgaste do ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, chegou ao ponto de ele ser proibido de nomear outros integrantes da sua pasta. A informação, divulgada pelo Estadão, é que a ordem partiu do Palácio do Planalto, após as suas últimas nomeações terem sido negadas por Bolsonaro.

Até o dia 15 deste mês, o Ministério da Educação registrava 13 mudanças de cargos de alto escalão. Entre os nomeados e imediatamente em seguida exonerados estavam auxiliares do ministro que o presidente Jair Bolsonaro determinou a saída após os conflitos com o escritor Olavo de Carvalho.

Ainda de acordo com reportagem do Estadão, antes da viagem da comitiva aos Estados Unidos, o mandatário teve “uma conversa dura” com Vélez, informando que ele, por enquanto, ficaria no cargo. Aliados de Bolsonaro pressionam para a saída definitiva de Vélez, mas o presidente resiste, averiguando de quem irá pedir a indicação para o Ministério.

Bolsonaro considera que o nome pode partir das bancadas evangélica e católica, entre eles o senador Izalci Lucas (PSDB-DF), relator do projeto Escola sem Partido. O consultor de educação no período da campanha do presidente, Stavros Xanthopoylos, também está sendo novamente cotado.

Outros estudados para substituir Vélez são o presidente da Fundo Nacional Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Carlos Alberto Decotelli, o ex-reitor da Universidade de Brasília (UnB) Ivan Camargo e o cientista político Antonio Flávio Testa, também da equipe de transição de Bolsonaro.

Por último, o mandatário também estaria analisando manter Vélez e inserir um número dois que faça a articulação e resolva a crise dentro da pasta.

2 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome