Fiesp oculta quem paga o pato na campanha pelo impeachment

Jornal GGN – A Fiesp se recusa a divulgar os custos da campanha contra o aumento de impostos e a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff e também não revela de onde vieram os recursos.

A Federação, que é financiada em parte com recursos públicos do Sistema S, recebeu em 2015 R$ 15,6 milhões em Contribuição Sindical Patronal. Quem será que está pagando pelo pato?

Da Folha de S. Paulo

Fiesp não revela gasto com campanha a favor do impeachment de Dilma

Por Wálter Nunes

Financiada em parte com recursos públicos, a Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo) mantém sob segredo os custos da campanha “Chega de pagar o pato”, símbolo do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O enorme pato amarelo, de 12 metros de altura, está instalado em frente ao prédio da entidade na avenida Paulista. A campanha foi veiculada nos principais veículos de imprensa, incluindo a Folha.

Nos últimos dias a reportagem questionou a entidade sobre os valores empregados nessas campanhas, mas não obteve resposta.

Em 2015, a Fiesp recebeu R$ 15,6 milhões de Contribuição Sindical Patronal, segundo o Ministério do Trabalho.

O valor é pago uma vez por ano por toda empresa à federação à qual é filiada.

A agência responsável pela criação é a carioca Prole, que tem entre seus sócios o publicitário Renato Pereira, responsável pelas últimas campanhas do PMDB ao governo e à prefeitura do Rio.

O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, também peemedebista, concorreu ao governo de São Paulo em 2014, o que deve se repetir em 2018.

Leia também:  Guedes diz que se depender do governo, auxílio emergencial não será prorrogado

A Prole atende também ao Sesi-SP (Serviço Social da Indústria) e ao Senai-SP (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) de São Paulo, entidades ligadas à Fiesp.

Sesi e Senai são fiscalizados pelo Tribunal de Contas da União (TCU). O orçamento da Fiesp vem das contribuições dos sindicatos das indústrias e não passa por análise do tribunal.

O professor de direito administrativo da USP Gustavo Justino de Oliveira diz que, apesar de a Fiesp não ser enquadrada na mesma categoria do Sesi e do Senai, tem que se ser transparente.

“A Fiesp é mantida por meio do pagamento da Contribuição Sindical Patronal. Aplica-se o mesmo raciocínio a ela, uma vez que ela é beneficiário de recursos oriundos da cobrança de tributo.”

OUTRO LADO

A Fiesp disse à Folha que “não há recursos do Sesi e do Senai gastos em quaisquer das campanhas publicitárias mencionadas (pato e impeachment)”.

A federação acrescentou que a “prestação de contas se dá nos termos da legislação, aos órgãos de controle internos e aos seus filiados e passa por auditorias internas e externas”.

A Fiesp afirma que fechou parceria com a Prole com a justificativa de que “tem por decisão contratar a vencedora do mesmo processo de seleção (do Sesi e Senai)”.

Antes da Prole, a agência que fazia a propaganda da Fiesp, Sesi e Senai era a Black Ninja, do publicitário Duda Mendonça.

A Prole disse em nota enviada à Folha que “participou de processo licitatório juntamente com diversas outras agências, em condições idênticas de competição”. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

17 comentários

  1. Este homem é perigoso, assassino, financiou o golpe em 1964

    Todo brasileiro minimamente informado,  sabe que este presidente da Fiesp, Paulo Skaf, é um homem sórdido, perigoso, financiou o golpe militar em 1964.  Mandante de crimes nunca esclarecidos.  São Paulo, precisa por fim nesta vergonha nacional.  Acorda povo paulista!  As eleições estão aí, aprendam a votar!   Usem bom senso, pelo menos como resposta aos seus filhos sem escola e sem merenda!

     

  2. —Do caixa destinado aos Golpes de Estado ………

    Dinheiro que vem sendo acumulado desde o último golpe de estado fianciado pela Fiesp o de 1964.

    Este fundo tem uma reserva vultuosa.

    Em 64 fianciaram a Operação Bandeirantes.

    Mas o maior volume do dinheiro gasto no atual golpe de estado foi o destinado ao Caixa dois dos jornais, rádios, tvs paulistas.

  3.  
    Uma entidade patronal,

     

    Uma entidade patronal, mantida com dinheiro público e dinheiro da sonegação fiscal. Só faltava ter na presidência um tipo como esse dono de galpão de aluguel. Em passado recente, este mesmo valhacouto que ora patrocina esse golpe descarado. Foi um importante antro da conspiração contra o governo constitucional de João Goulart, e, um dos mantenedores civil da ditadura, inclusive, patrocinando diretamente um centro de torturas dos açougueros de 64.

    Esta organização FIESP, sempre se manteve em conluio com as grandes empresas de comunicações, e organizações de contra-informação do governo norte-americano. Espionanando, conspirando, no sentido de manter o país alinhado aos interesses do capital financeiro. O que fazem com proficiência e determinação.

    Nada temos a reclamar, muito pelo contrário. Devemos fazer o mesmo em termos de determinação e capacitação. Devemos inclusive, apreeder com os que sempre nos subjulgaram, observando e estudando suas estratégias e táticas bem-sucedidas, para revidar em contra-ataques precisos e definidores. Nós, sempre seremos muito mais numerosos, o que em princípio é um fator complicador. Entretanto, com dedicação e inteligência, a reversão dessa situação é factível e definidora. Basta uma olhadela na velha “lei do caso anterior”. A história da humanidade está repleta de encinança. Recorramos a ela, pois.

    Orlando

    • Em 1989 disseram que se Lula

      Em 1989 disseram que se Lula vencesse a eleição iriam embora do Brasil.

      Essas elites não odeiam só o povo brasileiro, odeiam o País,

  4. Bando de otários!

    A Fiesp tem como sócios/as um bando de otários.

    É o que posso imaginar.

    Afinal, Skaf não é um industrial.

    Vive de aluguel.

    E destina verbas da entidade (e do Sesi/Senai) para se promover e ser candidato nas próximas eleições.

    Bando de otários!

     

  5. Visão do Paraíso

    A obra de Sergio Buarque de Holanda espelha bem o que seria , é,  e será este país. Um lugar único, maravailhoso. Pode-se usar verbas oriundas de recursos públicos, de receitas recolhidas por sindicatos, para se fazer campanhas de interesse particular, para se fazer política em prol de alguns grupos, para se projetar em pré-campanha. Ninguém vai preso, e ainda se consegue um lugar de herói no Olimpo criado pela mídia. Que beleza. Mas vamos lutar contra a corrupção e contra a impunidade. Sim, sim, sim !

  6. patológico s kafkiano….
    tem

    patológico s kafkiano….

    tem de aprofundar esas investigações – niuma desas pode ter

    dinheiro  inclusive de grandes empreários pessoa física – um boilesen golpista,

    como aquele empresário da uilragás,em 64…

    ou dinheiro pentagonico  e o escanbau…

    com os dólares dos irmãos koch, representantes dos  interesses petrolíferos,

    que financiaim os mbls golpistas et caterva para tramarem e insuflarem o golpe desde 2011, 2013…

  7. Lei de acesso à informação

    Pelo fato de receber recursos públicos , não está sujeita à lei de acesso à informação ? 

    ALguém sabe ?

  8. O pato é financiado por

    O pato é financiado por diversas indústrias em busca da não aprovação da CPMF além de apoiar a incapacibilidade da presidenta Dilma de governar e tirar o país da crise. Ninguém quer golpe. As pessoas estão se reunindo contra o Brasil ir pro buraco… só isso. Não tem o que ocultar.

    • É mesmo, Claudinei?

      Que elucidativo o seu comentário. “Não tem o que ocultar e PNB de quem pergunta”. Agora mostra o seu contra-cheque por fazer esse comentário tão gratuíto.

    • É mesmo, Claudinei?

      Que elucidativo o seu comentário. “Não tem o que ocultar e PNB de quem pergunta”. Agora mostra o seu contra-cheque por fazer esse comentário tão gratuíto.

  9. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome