Governo do Rio vai buscar água na Floresta da Tijuca

Jornal GGN – De acordo com o secretário estadual do Ambiente do Rio de Janeiro, André Corrêa, o governo vai aumentar a captação de água dos rios que nascem no Parque Nacional da Tijuca. A medida está sendo encarada como alternativa para reduzir a dependência da capital fluminense do Sistema Guandu. “A gente vai fazer um balanço hídrico. Será que tem uma forma mais eficiente de tratar [a água do parque]? Isso vai ao encontro do que eu quero, aumentar a oferta hídrica de fontes que não são o Guandu”, disse.

Governo do Rio pretende buscar água na Floresta da Tijuca

Por Vitor Abdala

Da Agência Brasil

O governo do Rio de Janeiro planeja ampliar a captação de água dos rios que nascem no Parque Nacional da Tijuca, na capital fluminense, como alternativa para reduzir a dependência da cidade em relação ao Sistema Guandu. A informação é do secretário estadual do Ambiente, André Corrêa, durante vistoria ao Rio Carioca, que nasce no parque.

“Pela vegetação, o parque é um celeiro de água e tem várias minas que já abastecem algumas comunidades. A gente vai fazer um balanço hídrico. Será que tem uma forma mais eficiente de tratar [a água do parque]? Isso vai ao encontro do que eu quero, aumentar a oferta hídrica de fontes que não são o Guandu. O Guandu já abastece essa região, mas a gente pode aliviar o Guandu”, disse Corrêa.

Segundo ele, isso depende, no entanto, de um estudo de impacto ambiental, para evitar que as captações prejudiquem os corpos hídricos dentro do parque. O chefe da Parque Nacional da Tijuca, Ernesto Viveiros de Castro, diz que a Companhia Estadual de Águas, a Cedae, já faz captações dentro do parque, assim como moradores de comunidades do entorno.

“Já existem captações, muitas vezes precárias. Regularizar essa captação é interessante. Não resolve um problema na escala que a gente tem hoje, mas faz muito mais sentido adequar essa captação do que trazer água do Guandu para a cidade inteira”, disse.

Castro explicou que os rios do parque abastecem três bacias hidrográficas: a Baía de Guanabara, a Lagoa Rodrigo de Freitas e lagoas de Jacarepaguá. A Floresta da Tijuca, que integra o Parque Nacional, tem ligação histórica com o abastecimento de água do Rio de Janeiro. As primeiras captações para a cidade foram feitas em rios da região.

Na segunda metade do século 19, o Maciço da Tijuca já estava completamente devastado, já que serviu de espaço para cultivo de café. Em 1861, como forma de proteger os mananciais do Rio, o imperador Dom Pedro II resolveu reflorestar o maciço, revitalizando a Floresta da Tijuca.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

6 comentários

  1. Alô Alkmin! Tá sobrando esgoto aqui…


    Nada mais justo! Tem mesmo que utilizar as pequenas nascentes que, sem uso, correm inaproveitavelmente para o mar.

    Teresópolis é abastecido pelas águas das fontes do Parque Nacional da Serra dos Órgãos. Puríssima, não precisa de cloro. Deixa o esgoto para outros mais necessitados. Certamente ladeira abaixo…

    PS: Será que Campos do Jordão, Serra da Itatiaia não possuem fontes aproveitáveis????

      • Olá Ivan!

        Olá Ivan!

        Nos pontos altos da serra sempre tem chuva localizada e as fontes nunca secam! São destes milagres da Natureza! Pode não ter volume para atender a multidão de S. Paulo, mas ao atender a vizinhança, certamente alivia os outros sistemas.

        As nascentes das serras são puríssimas e não precisam do dispendioso sistema de purificação que é indispensável nas águas da baixada. Por culpa nossa que poluimos os rios e depois precisamos usar suas águas para viver.

  2. JARDIM BOTÂNICO

    O bairro Jardim Botânico recebe água da Floresta da Tijuca, captada pela CEDAE. Morei lá 15 anos e nunca faltou água, mesmo quando havia alguma interrupção no resto da cidade.

    E a bancada ruralista resolveu avacalhar com a proteção de mananciais através do novo Código Florestal. Não aprederam nada com D. Pedro II.

  3. recuperar nascentes e riachos nem pensar , só qurem obras!
    Já não “obraram” o suficiente?
    Perceberam que só falam em obras, dessanilização,etc.
    Quê tal apertar a turma de deputados ruralistas que
    tem horror a árvore e reclama da falta ou excesso da chuva!
    Elesquerem reservase matas ciliares fora de suas propriedades, porssio inventaram a tal de COMPENSAÇÃO NO MESMO BIOMA. Uma piada de mau gosto.
    Quando o fiscal chegar ele diz que sua resaerva está no estado visinho que tem o mesmo bioma.
    assim fica impossível!
    Outra bobagem foi esse tal de manejo florestal.
    tudo mentira e facilidade para a falsificação.
    Mão podemos tirar todas as árvores maiores de uma floresta nacional , pois , elas são geneticamente superiores as outras. e por serem altas disseminam menhor suas sementes.

  4. A hora é de reivindicar a expansão dos parques.

    Neste momento é que os bons ambientalistas devem reinvidicar a expansão dos parques. Como isto poderia ser feito?

    Simplemsente calculando a diferença de preço de se tratar água podres das atuais fontes e comparar com o custo de utilizar a água boa e saudável dos parques, com este dinheiro se deveria simplesmente desapropriar áreas e transforma-las em fontes de água clara e saudável para todos.

    É só mostrar para os usuários das grandes cidades a diferença entre uma e outra água, o pessoal ficaria feliz!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome