Integrantes do governo Bolsonaro adotam uso da máscara, mas em Israel

Políticos são obrigados a usar o item ao desembarcar no país, em viagem chefiada pelo chanceler Ernesto Araújo

Delegação brasileira chega a Israel - e, ao contrário do que ocorre em território nacional, são obrigados a adotar uso da máscara. Foto: Reprodução/Twitter ItamaratyGovBr

Jornal GGN – A comitiva brasileira que está em Israel se viu obrigada a adotar o uso da máscara a pedido das autoridades do país. Em solo brasileiro, é prática comum aos integrantes do governo Bolsonaro não usar a máscara em meio à pandemia de covid-19.

Segundo informações da Agência Brasil, a comitiva embarcou ontem rumo a Israel – inclusive, no embarque, nenhum integrante da comitiva usava a máscara de proteção, como é possível ver na foto publicada no perfil do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

Contudo, na chegada a Israel, todos os integrantes da comitiva adotaram o uso da proteção, que é sucessivamente recomendada por médicos e cientistas para conter a propagação do coronavírus.

Em pronunciamento após reunião com o chanceler israelense Gabi Ashkenazi, o chanceler Ernesto Araújo reconheceu que Israel “dá exemplo de vacinação” e está “liderando o caminho no combate à pandemia”.

Também estão previstos encontros da comitiva brasileira com dirigentes do Centro Médico Sourasky (conhecido como Hospital Ichilov), que estuda a eficácia do spray nasal EXO-CD 24 contra a covid-19, além de reuniões com representantes do Instituto Weizman de Ciência, que estuda o desenvolvimento de vacinas contra a covid-19, e do Centro de Pesquisa do Hospital Hadassah, que estuda o uso do medicamento Allocetra no tratamento da doença.

 De acordo com o Itamaraty, o ministro das Relações Exteriores brasileiro deve se reunir amanhã (8) com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Integram a comitiva o secretário especial de Comunicação Social, Fábio Wajngarten; o assessor especial da Presidência Filipe Martins; os deputados Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Hélio Lopes (PSL-RJ); o embaixador Kenneth Félix Haczynski da Nóbrega; o secretário de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde, Hélio Angotti Neto; e o secretário de Políticas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência e Tecnologia, Marcelo Marcos Morales.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora