A inexplicada movimentação de balsas e equipamentos para mineração no rio Tapauá, AM

Enviado por mpaiva

Alerta Urgente! 15 balsas com equipamento de prospecção subiram o rio Tapauá, Purus, Amazonas

Por Miguel Aparicio

MORADORES DO RIO PURUS INFORMAM QUE NOS ÚLTIMOS DIAS QUINZE BALSAS ENTRARAM NO RIO TAPAUÁ, NO ENTORNO DAS TERRAS INDÍGENAS PAUMARI, BANAWA, ZURUAHA, DENI E DOS ISOLADOS HI MERIMÃ.

A notícia da entrada de 15 balsas com equipamentos de prospecção mineral na bacia dos rios Tapauá e Cuniuá chegou com contornos confusos, uma vez que até o momento nenhum órgão público local ou regional confirmou as informações com dados consistentes. Porém, fontes locais confirmaram a chegada de balsas com grupos geradores de alta capacidade, tubulações e maquinaria de mineração. “O local parece uma cidade tamanho movimento”, declararam testemunhas. Indígenas paumari presenciaram a movimentação das balsas na foz do rio Tapauá, nas proximidades da Terra Indígena Manissuã.

Nenhum dos povos indígenas da região teve acesso a qualquer processo de informação ou consulta. Na bacia dos rios Tapauá e Cuniuá há sete terras indígenas demarcadas: Paumari do Manissuã, Paumari do Lago Paricá, Paumari do Cuniuá, Banawa, Suruwaha, Deni e os isolados Hi Merimã, com uma população de mais de 1300 pessoas. O total das terras indígenas da bacia alcança os 2.726.000 hectares. Esta região do interflúvio Purus-Juruá concentra ainda um dos maiores índices de biodiversidade da Amazônia, com elevados indicadores no que diz respeito à flora (aqui está a maior concentração de Sapotaceae da bacia amazônica) e fauna (mais de 170 espécies de mamíferos e mais de 550 espécies de aves vivem nela).

Já em 2002 documentos da Coordenação da União das Nações e Indígenas de Rondônia, Noroeste de Mato Grosso e Sul do Amazonas (CUNPIR) e da Organização dos Povos Indígenas do Alto Madeira (OPIAM) manifestavam suas críticas veementes contra o Projeto Avança Brasil, que planejava a construção do gasoduto que conectaria Urucu com Porto Velho. O plano previa a construção de um gasoduto de 522 km de extensão, transportando cerca de 2,3 milhões de metros cúbicos diários de gás natural para termelétricas que abasteceriam Porto Velho e outras cidades de Rondônia. Os manifestos do movimento indígena apontavam na época diversas inconsistências no EIA/RIMA e mostravam uma profunda inquietação em relação aos impactos do empreendimento sobre as populações indígenas Paumari, Banawa, Suruwaha, Deni e Hi Merimã.

Até a presente data, representantes indígenas e da sociedade civil buscam informações mais precisas a respeito da intensa movimentação no rio Tapauá nos últimos dias. Não se sabe se a responsável pelo empreendimento é a Petrobrás ou alguma outra empresa de extração de petróleo e gás natural. Testemunhas da comunidade ribeirinha na foz do rio Tapauá disseram que as atividades estão iniciando a pleno ritmo no rio do Sol e no igarapé Branco, afluentes do alto rio Tapauá.

O Brasil é signatário da Convenção 169 da OIT, que protege o direito dos povos indígenas à consulta livre, prévia e informada, antes de serem tomadas decisões que possam afetar seus bens, seus territórios e seus direitos originários.

Enviada por Miguel Aparício para Combate Racismo Ambiental .

6 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

mpaiva

- 2014-02-26 15:45:27

Explicado (mas não justificado) o caso das balsas para mineração

 

"O Ipaam (Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas), órgão do governo do Amazonas, confirmou ao portal Amazônia Real que concedeu licença de instalação à Petrobras para realização de prospecção de gás ou petróleo até julho de 2014."

"A Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), do qual o Brasil é signatário, garante aos povos indígenas a consulta sobre decisões e empreendimentos que causem impactos sociais e ambientais em seus territórios.

A Coordenação Regional do Médio Purus da Fundação Nacional do Índio (Funai), cuja sede fica no município de Lábrea (a 703 quilômetros de Manaus), vizinho de Tapauá, diz que não foi consultada nem comunicada pela Petrobras antes da empresa iniciar a prospecção. O mesmo se aplica aos índios."

“A consulta a essas comunidades, com o direito de veto que lhe é garantido, não pode ser ignorada ou deixada para depois. Também é dever que sejamos informados, o parlamento, os representantes eleitos. O Estado brasileiro tem a obrigação de proteger sua população e seu patrimônio. Mas é falho, especialmente no Sul do Amazonas. Isso precisa ser urgentemente corrigido. O suposto desenvolvimento não pode ser para apenas alguns, que atropelam os que têm menos representação política e econômica”, declarou Janete Capiberide, que se destaca por sua atuação na Câmara por defender os direitos dos povos indígenas e populações tradicionais."

http://amazoniareal.com.br/petrobras-faz-pesquisa-no-entorno-de-terras-indigenas-do-amazonas-sem-consultar-a-funai-2/

carlos_ribeiro

- 2014-02-22 20:45:03

Parece estranho pq vc não foi

Parece estranho pq vc não foi comunicado com antecedência?

Vai ver pq não é da sua conta colega.

Faz um favor, vai dormir e só acorda na próxima eleição do Sarney, os outros no seu curral estão querendo sossego.

Cansa votar no Sarney por ordem do Lula

Ivan de Union

- 2014-02-22 17:03:57

Se nao me engano muitissimo,

Se nao me engano muitissimo, isso eh assunto do Exercito.

Marcos Antônio

- 2014-02-22 16:46:44

PF, Ministério Público, Abin,

PF, Ministério Público, Abin, Judiciário, Policias?

Ninguem fez nada?

Deve ser por que não saiu na folha, estadão ou no globo...

 

Paulo F.

- 2014-02-22 14:18:30

O plano previa a construção

O plano previa a construção de um gasoduto de 522 km de extensão, transportando cerca de 2,3 milhões de metros cúbicos diários de gás natural para termelétricas que abasteceriam Porto Velho e outras cidades de Rondônia.

E acabaria com a falta de energia elétrica, crônica, na região. Hospitais não teriam que terminar cirugias a luz provida por geradores de emergencia (quando os há) e no lugar de diesel , queimar-se-ia gás menos poluente. Mas certas ONGs decidiram que a região deve permanecer no paleolítico inferior,  Assim caminha a Humanidade.

Gão

- 2014-02-22 13:15:18

Invasão alienígena ?

   que urgência é essa ? Terras Indígenas não são de forma nenhuma obstáculo à exploração do sub-solo muito menos impedem a construção de gasodutos, inclusive mentiam muito sobre isso na campanha contra demarcação de terras, é bom lembrar que cerca de 10% do território brasileiro são de terras indígenas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador