Le Monde: Museu de História Natural se recusa a sediar homenagem a Bolsonaro

O Le Monde evidencia o fato de que funcionários do prefeito de Nova York, Bill de Blasio, e o Museu, culpam Bolsonaro por favorecer a exploração de minas na floresta Amazônica.

Bolsonaro - Foto de Alan Santos/Agência Brasil

Jornal GGN – O jornal francês Le Monde, noticiou a recusa do Museu de História Natural, de Nova York, de sediar uma homenagem a Jair Bolsonaro. O presidente brasileiro recebeu um prêmio da Câmara de Comércio Brasil-EUA e o receberia em evento no Museu. Receberia.

O Museu anunciou, nesta segunda, dia 15 de abril, que cancelou a entrega do prêmio a Bolsonaro nas suas instalações. A Câmara anunciou no Twitter que o motivo era o respeito mútuo pelo trabalho e pelos objetivos de ambas as organizações que foi decidido que o museu não era o lugar ideal para o jantar de gala da Câmara de Comércio Brasil-EUA. ‘Este evento tradicional será realizado em outro lugar, na mesma data e hora’, acrescentou.

O Le Monde evidencia o fato de que funcionários do prefeito de Nova York, Bill de Blasio, e o Museu, culpam Bolsonaro por favorecer a exploração de minas na floresta Amazônica. Para eles, um museu dedicado à preservação da natureza não deve permitir que um político como Jair Bolsonaro entre em suas dependências. Em entrevista de rádio, na sexta-feira última, Blasio disse que Bolsonaro era ‘a pessoa com maior capacidade de influenciar o que está acontecendo na Amazônica’.

O próprio Le Monde informa que publicou, no dia 10 de abril, tribuna onde catorze representantes dos povos indígenas do Brasil denunciaram a política ambiental de Bolsonaro, acreditando que estavam à beira de um ‘apocalipse’.

Informa também que a Câmara de Comércio Brasil-EUA planeja entregar ‘ao presidente de extrema direita’ o prêmio ‘Personalidade do Ano’ no dia 14 de maio, em uma festa de gala que reúne mais de mil participantes. Todos os anos, lembra o Le Monde, a Câmara escolhe um brasileiro e um americano para a distinção oferecida, na frente de pessoas que pagam US$ 30 mil para participar. O novo local não foi anunciado.

Leia também:  PGR abre investigação sobre assessores de Bolsonaro na Câmara

Leia o original aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome