Lula diz que Dilma não pode esperar o fim da Lava Jato para virar a página

Jornal GGN – Semanas após disparar criticas ao governo Dilma Rousseff (PT), o ex-presidente Lula se reuniu em Brasília com a sucessora e ministros petistas, para planejar uma saída para a crise política que tem desgastado o Planalto nos últimos meses.

Segundo informações do Estadão, Lula avaliou que a tormenta, com direito a uma impopularidade histórica para Dilma, está mais relacionada às dificuldades na economia do que à Operação Lava Jato. O Valor escreveu, nesta quarta-feira (15), que a presidente enxerga de maneira oposta: que os obstáculos a sua administração devem-se a um Congresso arredio com as investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal.

De qualquer maneira, Lula teria aconselhado uma virada de página imediata, afirmando que o “ajuste fiscal não pode ser um fim em si” e que Dilma precisa se preocupar em explicar suas metas de governo à população ao invés de tentar apaziguar a crise com o Congresso agora.

O Estadão também publicou que Lula está preocupado com a última ação da Lava Jato, com foco nos políticos – alguns, em tese, aliados do governo, como Fernando Collor (PTB). A análise é que a Operação deve se estender ao longo do mandato de Dilma, com tendência a “piorar” o cenário de crise em função de denúncias de corrupção, e que não é possível aguardar um desfecho para começar a governar.

“‘Você não tem que ficar falando de Lava Jato’, esbravejou Lula, de acordo com dois participantes da reunião no Alvorada. ‘Você tem que governar, ir para a rua, conversar com o povo, divulgar os seus programas. Não pode ficar só nessa agenda de Lava Jato e ajuste fiscal'”, acrescentou o Estadão.

Leia também:  Witzel é responsável pela crise da água no Rio, por Bernardo Mello Franco

O ex-presidente também pediu união na defesa das ações da equipe econômica e elogiou o desempenho de Michel Temer (PMDB) na articulação política, 

Também participaram do encontro de mais de quatro horas no Alvorada os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil), Edinho Silva (Comunicação Social), Jaques Wagner (Defesa), Miguel Rossetto (Secretaria-Geral), o governador de Minas, Fernando Pimentel, e o presidente do PT, Rui Falcão. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

19 comentários

  1. Observe os participantes da

    Observe os participantes da reunião.

    Que coisa pouca hiem. Que pobreza.

    Esse aí é o NÚCLEO DURO do Governo Dilma. Repare na pobreza de gente!

     

    Com essa galerinha, se sair alguma coisa, vai ser por sorte.

    O Governador de Minas estava presente? Pra que?

     

    Não da mais para esconder!

  2. Então quer dizer que 2 desses nomes da reunião

    ficam vazando para a imprensa exatamente o que acontesse nas reunões? At´que o Lula está preocupado com o Collor e que ele fica esbravejando nas reuniões.

    Caramba , a Dilma e o Lula deveriam tomar mais cuidado com quem eles chamam para fazer reunião ,ainda mais para falar de crise.

    Essa nossa imprensona não vale o que come.

  3. Estadão não é fonte
    Estadão não é fonte confiável. Sempre dramatizando a relação Lula e Dilma, com uns toques mediúnicos.
    Uma coisa o jornal acertou: daqui para frente o clima no Congresso vai piorar. O PGR bateu de frente com a quadrilha do finado PC Farias. Collor, Cunha e Renam, todos do mesmo bando.
    Dilma tem que ir pra rua. Está agora inaugurando ponte em SC. Tem que criar pauta positiva, fora da bagaça que vai virar o Congresso.

  4. o Lula quer que a Dilma vá

    o Lula quer que a Dilma vá para a rua, mas o que ela tem para mostrar em tempos de ajuste em cima dos trabalhadores? Isenções e incentivos para os de sempre enquanto arrocha o resto? Lenga lenga economica não enche barriga e nem paga as contas (que estão na hora da morte); ou ela vai entrar no velho papo delfinico do “esperar o bolo crescer’?.

  5. “Lula avaliou que a tormenta,

    “Lula avaliou que a tormenta, com direito a uma impopularidade histórica para Dilma, está mais relacionada às dificuldades na economia do que à Operação Lava Jato.”

    Que bom.

    Por um momento iludi-me pensando que só eu constatei isso.

     

  6. Se a Dilma acha mesmo que sua impopularidade

    não vem da sua política econômica brilhante combinando inflação alta causada por aumento de preços controlados+desemprego+juros alto+perda de direitos trabalhistas enquanto o congresso ganha parlashopping+aumento gordo do fundo partidário + aumento de verba, a situação é mais feia do que parece.

  7. Bola de cristal!…

    Incrível como essa imprensa aposta na idiotice de seus leitores. Segundo um participante, segundo uma fonte que não quis se identificar, segundo alguém que ia passando e ouviu e por aí vai….Eles entram até no pensamento….um horror!…

  8. O que mais me invoca no

    O que mais me invoca no jornalismo é esse tal de “sigilo da fonte”. Por que? Ora, porque nos faz refém do órgão noticioso o supremo árbitro do que devo ou não saber. Ou, pior, simplesmente me repassa o que for mais conveniente para ele em termos políticos, econômicos ou o que seja. Em suma: pode mentir, 

    No caso em tela, reservo-me o direito de avaliar que essa matéria ou foi forjada ou então manipulados os dados fornecidos não se sabe por quem. 

  9. Engraçada essa história de

    Engraçada essa história de que “esbravejou Lula, de acordo com dois participantes da reunião no Alvorada.”

    Primeiro que realmente não acredito que Lula tenha “esbravejado”, mas pode ter sido, numa situação normal entre amigos e aliados ter colocado, mesmo que de forma incisiva (normal entre pessoas íntimas) as suas posições.

    Outra, que não acredito que algum dos presentes relacionados na dita reunião tenha tido a absurda ingenuidade de ir relatar o teor dessa reunião justamente com o tal de “Estadão”, um jornal de pouquíssimo rigor ético e inimigo escancarado do governo e do PT.

    Olha aí quem participou da reunião: Aloizio Mercadante (Casa Civil), Edinho Silva (Comunicação Social), Jaques Wagner (Defesa), Miguel Rossetto (Secretaria-Geral), o governador de Minas, Fernando Pimentel, e o presidente do PT, Rui Falcão.

    Será que algum deles seria tão ingênuo de ir municiar o inimigo? Ou podem ter sido ludibriados por alguém de sua relação pessoal ou então é simplesmente, como de praxe o “Estadão” fazendo um jornalismo canalha.

     

     

     

  10. “Defesa das ações da equipe econômica”

    “O ex-presidente também pediu união na defesa das ações da equipe econômica” 

    Aqui no Brasil ou na Grécia, com ou sem Dilma/Lula, não teremos futuro se isso continuar!

    Uma equipe econômica imposta pelo cartel financeiro internacional, que controla os BCs e manipula o povo através da mídia e dos think tanks pra mandar um governante eleito “Tomar no C” quando fica insatisfeito com os juros que recebe.

    Como diz Maria lucia Fattorelli na Carta: “A divida pública é um mega esquema de corrupção institucionalizado”

     

  11. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome