Menor Quociente Viável de Sociopatia, por Dmitry Orlov

Enviado por Almeida

Menor Quociente Viável de Sociopatia (MQVS)

Por Dmitry Orlov

Da Rede Castor Photo

“Não há nazistas combatendo a favor da Ucrânia”. (Se você leu e acreditou, troque de óculos e olhe outra vez). São bandeiras nazistas e da OTAN, lado a lado.

Parece que ultimamente ando fazendo várias coisas hiperprodutivas: explicando ao pessoal como matar as quatro bestas do Império; revolucionando o modo como se alfabetizam falantes nativos e não nativos do inglês… Alguém acaba de escrever por e-mail, que já me converti num daqueles “comentaristas respeitáveis”. UAU! Se eu continuar assim, corro o risco de fazer “Contribuição Significativa para a Sociedade” (CSS). O que seria erro, não só para mim, mas para todos.

Passo cada dia mais tempo apagando comentários imbecis mandados para o blog. É atividade de bloguismo, correspondente a desgrudar moscas da tela da janela. (A proporção é de 1% de comentários refletidos, de gente que lê o escrito, para 99% de trolls imbecis.) Falando sério. É triste. Mas gostei de um, outro dia, de um ucraniano, que escreveu que o povo dele afogará todos os russos no próprio sangue deles (ucranianos). Bonitinho, mas deletei, mesmo assim, porque é discurso de ódio.

Mas me permitam explicar sobre a CSS e o que significa o título desse postado, hoje.

As Venkatesh Rao explica tão bem seu [blog] Ribbonfarm, uma pessoa enfrenta dois riscos opostos ao lidar com as vicissitudes da existência terrena: o risco de nada realizar e o risco de realizar algo não previsto na estratégia. Permitam-me resumir seu argumento.

Se você simplesmente vaga sem rumo pela vida, respirando oxigênio e comendo e excretando matéria orgânica, você mesmo assim chega a algum lugar. Estatisticamente, um marinheiro cego de tão bêbado que caminha de bar em bar, em média, enquanto vai tropeçando no seu vagar sem rumo para lugar algum, cobre a distância de √n [raiz quadrada de n] passos, para cada n passos que dê. É o que se conhece como caminhada randômica ou movimento browniano – que dá conta de moléculas acima de OºK (zero graus Kelvin), e talvez também de marinheiros bêbados. Mas a maioria de nós, seres sensíveis, queremos que nossa vida tenha uma pitada de sentido. E se o andar da nossa vida começa a parecer-se demais com uma caminhada randômica, nesse caso tendemos a nos pôr a nos perguntar perguntas difíceis, tipo “Que sentido tem isso?” e a beber demais. E isso torna nossos passos cada vez mais perto de randômicos. E há aí grave risco, porque esse tipo de marcha em espiral para o buraco acaba, inevitavelmente, com alguém a explicar-lhe “que sentido tem isso” e tudo que você tem de fazer, supostamente para seu próprio bem, por menos que jamais seja.

Leia também:  Caos em Manaus: Bolsonaro afirma que fez sua parte e volta defender uso de drogas ineficazes contra a Covid-19

Há também o perigo oposto. Se você mantém seus olhos fixos no seu objetivo e faz esforço concertado para dar n passos progressivos naquela direção para todos os n passos dados, você logo chega ante uma muralha, com um portão e um guarda junto ao portão que pede que você mostre a autorização, o grau, o nível, a qualificação ou o certificado, antes de permitir que você passe pelo portão. E o processo para obter autorização, grau, nível, qualificação ou certificado sempre terminará com alguém a dizer-lhe qual tem de ser seu objetivo.

O objetivo é, universalmente, acumular: dólares, ou divisas no uniforme, ou artigos publicados, ou vezes que você foi citado, ou pasta de maconha. Detalhes não interessam, mas o que interessa é que essas coisas têm praticamente coisa alguma, nécas, a ver com seu objetivo original. E por mais que muita gente racionalize que essas coisas são necessidades, ou meios para algum fim, é difícil convencer você que seria razoável consumir todas as suas energias na busca incansável por pasta de maconha para repor-se de volta na trilha para a meta inicial – qual era, mesmo?

Aí estão, pois, suas duas opções: marchar (digamos) sem sair do lugar; ou aceitar as instruções de marcha que lhe são dadas por outro – e marchar sem parar, até o fim da vida, só recolhendo pasta de maconha.

Mas Venkatesh, esperto como ele só, nos oferece uma terceira opção. Você sabe, há um limiar para a quantidade de progresso a ser alcançado em qualquer direção possível, antes de você chegar a muralhas. Se marcha randômica resulta em √n passos para cada n passos dados, você pode descobrir experimentalmente um limiar δ [delta] tal que, para cada n passos, você obtenha o equivalente em progresso a √n+δ passos em qualquer direção que você escolha andar, sem cair no radar de seja quem for. Essas duas limitações aparecem reunidas numa fórmula simples, que Venkatesh nos oferece:

Leia também:  TV GGN 20hs: como será o fim dos grupos de mídia nacionais

√n < C ≤√n + δ

onde “C” é a Contribuição para a Sociedade, que cada um faz. Os que se mantêm dentro dos parâmetros expressos por essa fórmula praticam o que se define como “Menor Quociente Viável de Sociopatia” (MQVS).

É conceito tremendamente poderoso, porque mostra que você pode fazer, sim, praticamente qualquer coisa que queira fazer. Basta que você faça número suficiente de coisas diferentes, e que despreze e desqualifique suficientemente todas elas a tal ponto que nenhuma delas corra o risco de fazer alguma Contribuição Significativa para a Sociedade (CSS), de ser percebida e potencialmente destruída pelos que protegem, ciumentamente, as próprias prerrogativas para determinarem, só eles, quais as contribuições válidas e quais as não válidas.

Tudo que você tem de fazer é fixar os olhos num ponto um pouco abaixo do que a média esperaria de você, e você está seguro.

Na prática, pelo menos para mim, isso significa que sempre que a coisa começar a parecer que estou caminhando para obter determinada habilitação para determinado trabalho, ou que começo a encaixar-me nas “qualificações exigidas” para um ou outro “empregado procurado”, ou que começo a me meter em coisa que exige registro, certificado, autorização ou licença, o que tenho de fazer é retroceder ou mudar completamente de rumo por algum tempo, até que todos se desinteressem completamente de mim. Ao fazê-lo, várias vezes aconteceu de eu ter desperdiçado oportunidade de ganhar mais dinheiro. Mas esse é o preço da liberdade.

Leia também:  Manaus terá de importar oxigênio da Venezuela para aplacar crise em hospitais

Por exemplo, vocês com certeza esperam que, na sequência, nesse blog, aparecerei falando do colapso dos EUA, ou sobre a Ucrânia, ou de como se deve ensinar língua inglesa, ou que lhes oferecerei pílulas de filosofia, como hoje. Façam seus jogos. Eu escreverei sobre outra coisa qualquer.

[*] Dmitry Orlov é um engenheiro russo-americano e escritor sobre temas relacionados ao declínio econômico, ecológico e político dos Estados Unidos. Orlov acredita que o colapso será o resultado dos orçamentos militares, enormes déficits do governo e um sistema político que não responde e declínio da produção de petróleo. Orlov nasceu em Leningrado (agora São Petersburgo) e se mudou para os Estados Unidos com 12 anos. Tem bacharelado em Engenharia de Computação e Mestrado em Lingüística Aplicada. Foi testemunha ocular do colapso da União Soviética durante os ano 1980-90. Entre 2005 e 2006 escreveu uma série de artigos sobre o colapso da União Soviética publicada em Peak Oil. Em 2006 publicou o Manifesto Orlov on-line, “A Nova Era da Vela”. Em 2007, ele e sua esposa venderam seu apartamento em Boston e compraram um veleiro, equipado com painéis solares e seis meses de fornecimento de gás propano e capaz de armazenar grande quantidade de produtos alimentícios. Chamou “cápsula de sobrevivência”. Continua a escrever regularmente no seu blog “Clube Orlov” e no EnergyBulletin.Net

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome