Na seca e sem luz?, por Rodrigo e Miguel Martins

Na seca e sem luz?

por Rodrigo Martins e Miguel Martins 

Da Carta Capital

O racionamento de água é inevitável. O de energia, cada vez mais provável

Em janeiro, a Savyon, empresa de tecelagem com 250 funcionários no Bom Retiro, Centro de São Paulo, organizou um show-room para apresentar sua nova coleção de malhas aos clientes. Por conta da falta d’água, os convidados de Renato Bitter não puderam usar o banheiro durante a reunião de negócios. Após o constrangimento, o empresário decidiu investir 15 mil reais na compra de duas caixas-d’água de 10 mil litros, além de contratar o abastecimento diário de um caminhão-pipa. O temor agora é um possível racionamento de luz, com inevitável impacto sobre a produção. Não há geradores com capacidade suficiente para manter ativas as máquinas de sua planta. “Falaram que não haveria falta d’água, mas ela é uma realidade. Podem prometer, mas é difícil confiar que a oferta de energia não será afetada.”

O cenário é realmente desolador. Há tempos o Brasil sofre com o desaquecimento do comércio internacional. Em 2014, a produção industrial recuou 3,2%, puxada pela retração no consumo. O preço das commodities está em queda. A crise hídrica no Sudeste é o empurrão que faltava para a economia descer a ladeira. “Esse cenário, combinado ao racionamento duplo de água e energia, tem tudo para arrastar o País para um longo ciclo recessivo”, avalia Antonio Corrêa de Lacerda, professor da PUC de São Paulo e ex-presidente do Conselho Federal de Economia.

Por si só, as condições da economia brasileira não são nada promissoras. Ao se incluir na conta um cenário de racionamento de água e energia, as estimativas ficam ainda mais negativas. A LCA Consultores projeta estagnação em 2015, mas estima que um corte de 10% no fornecimento de energia poderia gerar uma queda de 0,3% a 0,5% do Produto Interno Bruto. “Usamos como parâmetro os setores mais afetados na crise energética de 2001. É mais difícil dimensionar o impacto da falta d’água, pois nunca passamos por uma crise tão severa de abastecimento”, explica Francisco Pessoa Faria, economista da instituição. O Banco Itaú, por sua vez, divulgou na segunda-feira 2 uma previsão de retração de 0,5% da economia nas condições atuais. Acrescentou, porém: um “racionamento conjunto de água e energia elétrica teria um efeito adicional sobre o crescimento do PIB de menos 0,6 ponto porcentual”.

Responsável por 30% da riqueza nacional, o estado de São Paulo, administrado pelo PSDB há 20 anos, deve liderar o País no caminho recessivo. Ao longo de 2014, o governador Geraldo Alckmin garantiu reiteradas vezes que não faltaria água em 2015. Passado o período eleitoral, continuou a negar a gravidade da crise. Resultado: o Sistema Canteira, responsável por abastecer 9 milhões de habitantes nas regiões metropolitanas de São Paulo e Campinas, está à beira do colapso, com 5,2% de sua capacidade, incluídas as duas cotas do volume morto.

Desde a outorga para explorar o reservatório, em 2004, a Sabesp, estatal que controla o abastecimento de 364 municípios paulistas, recebe alertas da Agência Nacional de Águas sobre a necessidade de buscar novas fontes de captação. Segundo o Ministério Público Estadual, a empresa lucrou 12 bilhões de reais com o sistema desde então, dos quais quase 4 bilhões foram para o bolso de acionistas. A distribuição de milionários dividendos deu-se sem os investimentos necessários para preservar o Cantareira, registram os promotores.

Alckmin ignorou ainda um plano de racionamento elaborado por técnicos da Sabesp em janeiro de 2014. À época, a empresa sugeria um rodízio de 48 horas com água e 24 horas sem abastecimento. A demora na adoção da medida cobra a fatura hoje. No fim de janeiro, Paulo Massato, diretor da companhia, alarmou a população ao sugerir um rodízio de dois dias com água para cinco dias de torneiras secas. Oficialmente, a Sabesp não declarou qual será o regime a ser adotado.

A situação tem gerado uma queda de braço entre a prefeitura da capital e o governo do estado. O prefeito petista Fernando Haddad tem planos de contingenciamento preparados para diversos cenários, mas espera uma posição de Alckmin sobre qual será a política de racionamento. Por ora, a recomendação é de que todos os equipamentos municipais, entre eles escolas, creches e hospitais, reduzam em 20% o consumo. Na volta às aulas na quarta-feira 4, algumas escolas adotaram medidas que fogem ao bom senso, entre elas impedir as crianças de escovar os dentes. “Diante da falta de informação, algumas escolas tomaram medidas extremas por conta própria”, justifica Haddad.

Leia também:  TV GGN 20h: Esquerda, direita, centrão: os rumos apontados pelas eleições

A prefeitura defende um período de rodízio igual para todos os paulistanos, para não gerar um desequilíbrio no abastecimento. Há o temor de que regiões atendidas pelos sistemas Alto Tietê e Guarapiranga tenham mais água disponível na comparação com aquelas no perímetro do Cantareira. O risco de distúrbios e levantes populares não é descartado.

Como a lei garante prioridade ao abastecimento humano, a agricultura e a indústria tendem a ser duramente afetadas. Apenas no setor de hortifrútis, a restrição de água pode afetar 50% dos produtores. Responsável por 60% do PIB do estado, a indústria prevê queda na produção, redução de investimentos e demissões. Na região de Campinas, o cenário é mais grave. Uma resolução do Departamento Estadual de Água impõe redução de 30% na captação industrial caso o Cantareira opere com menos de 5% de sua capacidade.

Um levantamento realizado pela Federação das Indústrias de São Paulo detalha as expectativas do empresariado. De 413 companhias consultadas, 67% afirmam temer o racionamento e 54% não têm fontes alternativas. O setor de serviços, que há meses convive com o abastecimento instável, improvisa formas de driblar a crise. Restaurantes da capital passaram a usar copos e pratos descartáveis. A higienização das mãos é realizada com álcool em gel. Somente as empresas do ramo de abastecimento parecem vislumbrar um 2015 promissor.

Segundo a Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção, as vendas de caixas-d’água em São Paulo aumentaram 50% no último ano. As empresas de caminhão-pipa também aproveitam a oportunidade. Proprietário da companhia A Predileta, Edmilson Gusmão viu seu faturamento crescer 30% em janeiro. Os 48 caminhões da firma atendem, sobretudo, complexos residenciais e comerciais em Alphaville. Com contratos assinados para os próximos seis meses, Gusmão teme não ter condições de aceitar novas encomendas, graças à baixa de 30% no nível de seu poço artesiano em Santana do Parnaíba. “O preço pode aumentar, pois teremos de captar água em fontes mais distantes.”

Em um restaurante especializado em pamonhas na Rodovia dos Bandeirantes, no interior paulista, o encanador Oswaldo Barbosa desenvolveu um sistema de captação de chuva no qual calhas são utilizadas para direcionar a água do telhado a duas caixas de 6 mil litros. “Captamos essa água para refrescar o telhado, pois o calor tem sido muito forte no verão.”

A prefeitura de São Paulo teme, porém, a proliferação de doenças por causa do aumento do armazenamento de água em recipientes destampados. O número de casos de dengue registrados na capital paulista triplicou nas três primeiras semanas de janeiro em comparação ao mesmo período do ano passado, segundo a Secretaria da Saúde.

Segundo Paulo Canedo, coordenador do Laboratório de Hidrologia da Coppe-UFRJ, os impactos seriam bem menores se o racionamento fosse decretado há um ano. “No fim de 2013, havia todos os indícios da crise, mas Alckmin preferiu confiar em São Pedro. Agora, não há como sair da crise sem sofrimento.” Na sua avaliação, a situação do Rio de Janeiro e de Minas Gerais é mais confortável, mesmo assim recomenda a adoção imediata de medidas de racionamento.

Ao menos 88 municípios mineiros têm sentido na pele a falta de água. A nova direção da Copasa, a companhia de saneamento do estado, alerta que a situação de 31 cidades metropolitanas, entre elas Belo Horizonte, é “extremamente preocupante” e orientou a população a reduzir o consumo em 30%. No Rio de Janeiro, as atenções estão voltadas para quatro reservatórios do Rio Paraíba do Sul. Eles integram o Sistema Guandu, responsável pelo abastecimento de 12,3 milhões de habitantes, três quartos da população. Dois deles atingiram o volume morto, e a ANA voltou a recomendar a diminuição da vazão do rio, dos atuais 140 para 110 metros cúbicos por segundo. Apesar dos sinais de alerta, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, do PMDB, descarta, por ora, um racionamento. “É temerário. Se não restringir o consumo, o Rio corre o risco de chegar em 2016 com uma situação semelhante à de São Paulo hoje”, emenda Canedo.

O engenheiro Leo Heller, professor da UFMG e relator das Nações Unidas para o Direito à Água e ao Saneamento, reconhece a inevitabilidade do racionamento e critica a forma como as medidas têm sido planejadas. “O corte de abastecimento indiscriminado pode ser desastroso nos bolsões de pobreza, além de atingir creches, asilos, hospitais, penitenciárias. É preciso proteger as populações vulneráveis.”

Leia também:  Guedes diz que se depender do governo, auxílio emergencial não será prorrogado

Dona de uma pequena venda em Itapevi, região metropolitana de São Paulo, Roseane Acácio sofre com a falta de água diariamente. Localizada em um ponto alto da cidade, sua casa tem sido afetada pela redução da pressão da água, estratégia utilizada pela Sabesp desde meados de 2014. A região é atendida pelo Sistema Alto e Baixo Cotia, que opera com menos de 30% da capacidade. A escassez na cidade antecede a crise hídrica: moradores convivem com o problema há pelo menos dois anos. A situação agravou-se nas últimas semanas, gerando protestos de moradores. Em razão do investimento para montar seu negócio, a família não tem recursos para comprar novas caixas-d’água. “Tivemos de improvisar quatro tonéis de 250 litros nos cômodos da casa.”

Diante da crise, a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura manifestou preocupação com a segurança alimentar. “Pequenos produtores podem quebrar, com impactos sobre o preço dos alimentos”, explica Alan Bojanic, representante da FAO no Brasil. “Essa crise demonstra a necessidade de investimentos em tecnologias para economizar água na agricultura e proteger os mananciais.” A Comissão Pastoral da Terra também teme a escalada da violência no campo. Apenas em 2013, foram registrados 93 conflitos por água em 19 estados, o maior número da série histórica iniciada em 2002.

Os impactos na economia ocorrem em todos os estados do Sudeste. O secretário de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais, Altamir Rôso, prevê dificuldades para a agricultura e setores industriais que fazem uso intensivo da água, como mineração e siderurgia. “Temos de ser realistas. Se faltar água, é bem possível uma retração no PIB mineiro em 2015.” No Rio, os produtores rurais acumularam perdas de 100 milhões de reais no último trimestre de 2014. A estiagem prolongada provocou a morte de 2 mil cabeças de gado nas regiões norte e noroeste do estado.

Além do temor de um racionamento de água e energia, os empresários queixam-se do elevado preço pago pela indústria brasileira por eletricidade. O custo médio subiu de 360,85 reais por megawatt-hora, em dezembro, para 403,8 reais, em fevereiro. A média internacional é o equivalente a 275 reais, segundo um ranking de 28 países monitorados pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro. “Diante da perspectiva de um aumento nas bandeiras tarifárias de energia e de reajustes cobrados pelas operadoras, a energia pode encarecer até 40% ao longo deste ano”, afirma Cristiano Prado, gerente de Competitividade Industrial e Investimentos do Sistema Firjan. “Isso trará impactos diretos sobre a produção, pois a energia é o nosso principal insumo.”

A escassez de chuvas em janeiro aumentou o risco de apagões. O volume de chuvas sobre os reservatórios de hidrelétricas do Centro-Oeste e do Sudeste corresponde a 38% da média histórica, o pior índice para o mês desde 1931. De acordo com o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, o risco de faltar energia nessas regiões aumentou para 7,3%, acima do limite de segurança estabelecido pelo governo federal, de 5%. Apesar do alerta, o relatório do CMSE, divulgado na quarta-feira 4, assegura que no sistema elétrico “há sobra estrutural de cerca de 7.300 MW médios para atender à carga prevista”.

Desde o apagão que deixou 3 milhões de brasileiros sem luz em 19 de janeiro, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, evita falar em racionamento. O blecaute foi atribuído a falhas técnicas. Braga prometeu lançar um programa de eficiência energética, com incentivos para os consumidores trocarem lâmpadas e equipamentos eletrônicos por modelos mais econômicos. A letargia do governo não inspira, no entanto, confiança. “Esperamos que, nos próximos 60 a 90 dias, possamos ter um conjunto de ações”, anunciou no fim de janeiro. Na quarta-feira 4, voltou a negar o risco de apagões: “No momento, podemos garantir o suprimento de energia para o País”.

Leia também:  Portaria reconhece estado de calamidade pública no Amapá

A redução do nível de dois reservatórios instalados no Rio Paraíba do Sul já forçou o desligamento de duas hidrelétricas. Como as usinas tinham baixa participação na geração de energia para o sistema, o Operador Nacional do Sistema Elétrico não teve dificuldade para remanejar energia de outros polos geradores. Não há clareza, contudo, sobre o que aconteceria se hidrelétricas de maior porte tivessem de parar a operação.

Há meses a Usina de Três Marias, na região central de Minas, funciona com apenas uma de suas seis turbinas. As demais são ligadas apenas três horas por dia. Com capacidade de 396 MW, a hidrelétrica gera, atualmente, 36 MW em média. Mesmo assim, o reservatório, que integra a Bacia do Rio São Francisco, está com 10% de sua capacidade. A represa de Furnas, ao sul do estado, também fechou o mês de janeiro em alerta, com apenas 9,46% de sua capacidade. A potência instalada da hidrelétrica é de 1,2 mil MW, suficiente para abastecer uma cidade com 2 milhões de habitantes. Duas turbinas estão paradas e a geração foi reduzida a um terço.

Na avaliação de especialistas, o racionamento de energia também seria inevitável. A água disponível nos reservatórios das hidrelétricas no Sudeste, principal reserva do sistema, é suficiente para a geração de energia por apenas um mês, estima Luiz Pinguelli Rosa, diretor da Coppe-UFRJ e ex-presidente da Eletrobras. No fim de janeiro, Pinguelli Rosa enviou uma carta ao ministro de Minas e Energia, na qual pedia a adoção de medidas para diminuir o consumo no País. “Desde 2008 o nível dos reservatórios tem caído. Se o racionamento tivesse sido adotado há dois anos, o impacto seria bem menor. Bastaria reduzir 5% da oferta. Agora, o corte pode ficar entre 10% e 20%.”

Para suprir o déficit das hidrelétricas, as usinas térmicas têm operado a pleno vapor desde 2013. Nos 12 meses encerrados em novembro do ano passado, as termoelétricas responderam por 22% da energia produzida no Sistema Interligado Nacional, mais que o dobro do período anterior, segundo a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica. Atualmente, elas geram algo em torno de 17 mil MW por dia, diante de uma capacidade total de 21,6 mil MW no SIN. “Se não chover muito, dificilmente as térmicas darão conta do recado”, afirma Pinguelli. “E as previsões meteorológicas não são nada animadoras.” Assim como a água e a energia, o otimismo no País tornou-se um bem escasso.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

20 comentários

  1. Rodizio de água

    O crescimento do PIB brasileiro desde de 2014 está sendo afetado pela falta de água. Agora com o rodízio não haverá necessidade nenhuma de reacionamento enegertico. Milhares de indústrias em SP terão de diminuir a produção, demitir empregados, porque não terão água.

  2. Honestidade intelectual

    Nassif,

    Por enquanto, de concreto, e como, é a falência do fornecimento de água potável para milhões de paulistas, e na garupa as inevitáveis situações críticas sem solução possível, condições sanitárias razoavelmente satisfatórias, comércio e indústrias, escolas e outros serviços em ritmo normal, etc… Sem nada disto, o nome correto é caos.

    Em relação à falta de energia, é interessante que seja feita uma abordagem tecnicamente correta sobre tal possibilidade, com fartas opiniões dos dois lados da questão. Ler “Desde o apagão que deixou 3 milhões de brasileiros sem luz em 19 de janeiro…” equivale a dizer que o sargento garcia pegou o zorro, argumento imbecil. 

    Situações como estas pressupõem um mínimo de honestidade intelectual por parte de quem se mete a escrever sobre elas.

    • “de concreto, e como, é a

      “de concreto, e como, é a falência do fornecimento de água potável para milhões de paulistas, e na garupa as inevitáveis situações críticas sem solução possível, condições sanitárias razoavelmente satisfatórias, comércio e indústrias, escolas e outros serviços em ritmo normal, etc… Sem nada disto, o nome correto é caos”:

      Alfredo, o nome disso eh “emigracao em massa”.  Ou pros outros estados ou pra outros paises.  Sao Paulo se afunda.

      De nota:  estao dizendo que a seca da California eh a maior de milhares de anos.  (mas nao li o item e nao saberia onde o vi, acho que foi no Huff)

  3. Crise hídrica de São Paulo prevista há 1 ano…

    Esse post é para justificar a crise de São Paulo?   É a repetição do que assisto na mídia há algum tempo,  desde que não mais foi possível ocultar a verdadeira calamidade. Apagão?  Há anos não sei o que é falta de energia. Houve sim, recentemente um problema que deixou alguns lugares sem energia. Moro no Rio e o meu bairro não foi afetado nessa ocasião. Apesar da grande estiagem desse ano, não acredito em apagão. Estão msiturando alhos com bugalhos e a intenção é confundir e não esclarecer.

  4. Em quem acreditarue

    A “Carta Capital” é sempre apontada como uma revista séria. Mas lendo essa matéria, percebe-se que em nada se difere de “Veja”. Prática o mesmo jornalismo tendencioso. Difere apenas em ser pró-governo.

    Ao longo no texto, o jornalista não pouca Alckimin, que não merece a menor clemência, ressalte-se. Basta dizer que temos a primeira crise hídrica na história da humanidade com água. Água presenta na Bilings, no rio Tietê e Pinheiros, Inaproveitáveis em sua quase totalidade por falta de um probrama sério de despoluição e preservação. Sem contar o fato de não haver na cidade de São Paulo sistemas de captação de água que armazem a  chuva que desaba por toda a cidade. Só se aproveita, basicamente, a chuva que cai na Cantareira. 

    Igualmente, condenável é a nossa nobre e reeleita Presidente Dilma, visto que compete a ela cuidar da geração e distribuição de energia. Algo que em quatro anos ela não fez.  Em matéria de energia elétrica, tudo que fez foi anunciar uma redução nas tarifas dos consumidores domésticos. Fato que alardeou com imensa alegria em rede Nacional. Garantindo que havia energia em abundância no País.

    Vale observar que a inconstância no volume de chuvas vem ocorrendo desde 2010, pendendo sempre mais para escassez. Tal Fenômeno que vinha Comprometendo os níveis dos reservatórios das hidrelétricas inclementemente. Na ocasião do anúncio de Dilma, 2013, muitos especialistas alertaram para o perigo da medida, Estimular o consumo com o quadro tão instável nos reservatórios nas hidrelétricas poderia ser perigoso. Eis os dados da ONS, sobre a situação dos reservatórios da Região Sudeste, sabidamente uma das maiores consumidoras de energia, dado ao volume de atividade econômica e populacional..

    2013 JanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOutNovDezSE/COpercentual37,4645,4854,1362,4562,9063,7560,8355,0648,7145,0541,6243,182014 JanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOutNovDez  SE/COpercentual40,2834,6136,2638,7737,4236,3334,3630,2625,3018,6816,0119,36                  

    Os números deixam claro que em 2014 os reservatórios iniciaram uma queda constante, ficando num perigoso patamar abaixo de menos de 30% a partir de setembro.

    A partir desse momento, iniciar uma campanha pedindo economia ou uso racional da energia elétrica era o caminho mais sensato. Mas havia a eleição. Dane-se a sensatez, portanto. Tal como Alckimin, Dilma prefiriu o caminho da demagogia. E prefiriu bradar que tudo estava  sob controle.

    Até Janeiro de 2015. O mês do apagão, ao qual se atribuiu inúmeras explicações, que perderam o sentido, quando o nobre ministro da pasta que cuida da produção de enegia, disse que contava com a providência Divina, para evita o Pior. 

    E todos esses fatos, curiosamente, o repórter da Carta Capital omitiu. Não citou em nenhum momento o nome de Dilma, cuja foto deveria estar ao lado de Alckimin, visto serem os dois responsáveis por essa situação patética que São Paulo atravessa.

    Fica difícil acreditar em qualquer veículo de comunicação desse jeito.

    E as perguntas inevitaveis: Em uma eventual regulamentação da Mídia, como serão tratados veículos como Carta Capital, que abraçam o governismo de forma tão deslavada? Receberão a mesma dureza destinada aos considerados “Golpistas”?

    A escassez, como se vê, não é só de água… é de descência e honestidade intelectual por parte de TODOS os veículos de comunicação.

     

    • “Prática o mesmo jornalismo

      “Prática o mesmo jornalismo tendencioso. Difere apenas em ser pró-governo”:

      Aqui estao as mencoes a “governo” no item:

      1-Ao longo de 2014, o governador Geraldo Alckmin garantiu reiteradas vezes que não faltaria água em 2015

      2-A situação tem gerado uma queda de braço entre a prefeitura da capital e o governo do estado

      3-Apesar dos sinais de alerta, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, do PMDB, descarta, por ora, um racionamento

      4-De acordo com o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, o risco de faltar energia nessas regiões aumentou para 7,3%, acima do limite de segurança estabelecido pelo governo federal, de 5%

      5-A letargia do governo não inspira, no entanto, confiança  (esse eh o paragrafo do qual o Alfredo reclamou por sua deshonestidade)

      Explique pra nos de onde voce tirou essa porcaria de assunto seu ou pelo menos nao finja que leu antes de comentar.

    • Meu caro,
      Teu comentário, na

      Meu caro,

      Teu comentário, na minha modesta opinião, ia até bem. A desídia quanto a questão é energia também deve ser sobrelevada, e foi, pela revista. Esta, entretanto, pecou em não nominar a presidente.

      O arremate é que foi de lascar. Regulação da mídia não tem, nada a ver, seu escopo não é  CONTEÚDO. Isto seria censura, categoria vedada pela Constituição. A reforma seria daria apenas na dimensão econômica, ou seja, na concentração de mídias, tanto patrimonial como espacial(territorial).

      A Carta Capital, nesse sentido, não receberá nenhuma “dureza” porque, ah coitada, não faz parte de conglomerados midiáticos. 

      • Não é bem assim…

        Isso é o que dizem… agora. Não era esse o discurso inicial. Acochambrou-se o discurso, para soar mais palatável. Prova disso é que até agora o governo não apresentou uma forma clara de como será essa tal regulamentação.

        Mesmo porque um dos pontos nevrálgicos não é a questão do poderio financeiro dos grandes grupos, mas como o o poder público aplicará suas verbas publicitárias na mídia de maneira geral.. 

        E nesse ponto entra a Carta Capital, que, embora pequena, nos ultimos 14 anos, amealhou mais de 40 milhões de verbas de estatais. Valores nada desprezíveis… E é justamente nesse ponto que ponho em xeque a revista, usando como base a matéria aqui apresentada.

        A matéria, claramete, esquece o interesse público, ao deixar de lado os erros da Presidente. Assume um discurso governista. Faz isso por convicção ou por interesse econômico?

        Como disse, fica difícil crer em qualquer órgão de comunicação com tantos interesses econômicos em questão. 

        Um bom passo para isso, seria disciplinar de forma mais clara e objetiva o uso das verbas publicitárias de estatais e governamentais, antes mesmo de se tocar na questão dos veículos de comunicação. Com certeza isso provocaria mudanças.

        De qualquer forma, mantenho o arremate, pois ele põe em cheque a credibilidade do conteúdo, na medida em que não dá nomes aos responsáveis pela crise energica.

        A leitura de qualquer texto não deve se limitar ao que se apresenta na superfície, é necessário ver o que há por trás dele;  ver que temas transversos ele apresenta ou oculta.

        Sem dúvida, esse texto em sua omissões e execrações fala bem mais do que a falta de água e energia; ele fala também do tipo de mídia com que convivemos atualmente. E nos faz perguntar: “Em aquem acreditar”…

        • Não é o que dizem agora,

          Não é o que dizem agora, Marcio, é a CONSTITUIÇÃO. Vá lá e confira. A desconcentração de mídias, ou regulação segundo alguns, já foi feita na Inglaterra, França. Alemanha; enfim, em todos os países ditos avançados. Por que também no Brasil? Por que temos que ficar na mão de 3 famílias?

          Não existe essa de “distribuição” de verba publicitária, A Carta Capital vende  espaços para publicidade e as estatais compram. Assim faz a VEJA, Isto é, Época….Por que a sanha só contra a revista do Mino? Por que não se alinha as demais no oposicionismo desvairado? 

          Conteúdo, meu caro, é da LIVRE escolha de cada um. Detesto a VEJA. O que faço? Choro pelos cantos, lasco o martelo no dedo, clamo por Zeus e Odin? Nada disso. Simplesmente NÃO LEIO! 

          Se continuares com essa obsessão de censor vais pirar. Democracia é muitas vezes suportar o insuportável.

           

    • A revista Carta Capital tem

      A revista Carta Capital tem também de jogar contra o governo do contrário não vende a revista para o oposição. Está jogando nos dois lados.

  5. nem pensar

    se houver racionamento de energia ou falta de energia deixo de apoiar o governo.

    deixar faltar agua e energia e muita incompetencia.

    espero que seja boato.

    • Água è de competência dos

      Água è de competência dos governos estaduais. Já energia elètrica, aí sim, é do governo federal. O racionamento de água é certo, ode energia não sei, mas seria interessante a explicação de alguém que conhece a fundo o sistema. Que eu saiba ele è interligado de norte a sul e tem as termoelétricas e algumas turbinas de belo monte e outras hidrelétricas que entram em operaçâo no decorrer dos próximos meses. Ainda não sei se isso seráo suficiente para evitar o racionamento de energia, com a palavra a ONS.

  6. Já nessa fase de quase

    Já nessa fase de quase tragédia, encaro como pueril inserir no debate político esse problema da égua e da energia, os dois insumos mais básicos para a humanidade. Acredito que o tempo das discussões passaram. E passaram enquanto nós nos angalfinhávamos nesse aparentemente eterno embate “nos contra eles ou eles contra nós”. Fomos, sim, todos irresponsáveis. Com mais ou menos ênfase, mas fomos. 

    Se em vez de aprendermos com a desídia que foi a falta de gestão na questão da água  e ficarmos mais centrados em explorar isso politicamente, por que não evitarmos que se repita na energia? Aproximadamente 70% desta  se origina de hidroelétricas, ou seja, dependem também da água. 

    Claro que em termos de premência o problema da água para abastecimento é bem maior. Mesmo porque há, no caso da energia, fontes alternativas, a exemplo das termoelétricas, eólicas e fissão do átomo. Mas estas são muito mais caras e não tem a capacidade de suprir um calamitoso colapso total, ou em níveis muito alto, da gerada diretamente pela dinâmica da água.

  7. Bem feito !!
    Esse empresário

    Bem feito !!

    Esse empresário deve ter votado no PSDB nos último 20 anos, portanto ,não tenho nenhuma pena dele.

    Tenho pena sim dos seus funcionários, coitados, que devem está passando sufoco

  8. Mesmo com o “apagão”, no dia

    Mesmo com o “apagão”, no dia seguinte todos nós consumidores estávamos ligando nossas lâmpadas, chuveiros, ventiladores, máquinas de lavar(exceção de São Paulo pela falta d’água) ar-condicionados, sem nenhuma restrição, então não há crise de energia. Ponto final.

  9. Energia Nuclear

    Essa energia ajudaria muito, mas somos incompetentes para usá-la.

    Usinas eólicas então, nem pensar, porque não pensamos o país e sim interesses (térmicas dão mais lucro).

    A usina de ondas do Pecém, que poderia ser de alguma alternativa, esquecida.

    Em suma, somos uma negação em planejamento.

    • Brasil ultrapassa Alemanha em expansão de energia eólica em 2015

      Com uma expansão prevista de 6 gigawatts (GW) da capacidade instalada de energia eólica em 2015, o Brasil passará a ocupar a segunda posição em expansão de energia eólica no mundo, atrás apenas da China, e superando a Alemanha, que em 2013 ficou na frente do Brasil com mais 3,2 GW de energia eólica.

      Segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), o Brasil vai adicionar em 2014 mais de 2 GW, elevando para 5 GW o total de capacidade instalada. Atualmente, o país tem cerca de 200 parques eólicos em operação.

      Em relação ao potencial de geração de energia eólica, o país ocupava a 15ª posição em 2013 e deverá alcançar a 10ª este ano. Em 2015 deverá chegar à 7ª posição do ranking mundial.

      Veja fotos de parques eólicos em operação e em obras pelo Brasil.

      O grande potencial do setor no Brasil tem atraído investidores de países como Espanha, Bélgica, Portugal e Itália, e contribuído para reduzir o custo da energia eólica. O próximo leilão de energia eólica, previsto para o dia 28 de novembro, já tem 708 projetos inscritos, totalizando mais 700 megawatts na matriz energética brasileira. 

      “O vencedor ganha um contrato de 20 anos. É um contrato de longo prazo, por isso o sucesso”, afirma Maurício Tolmasquim, presidente da EPE.

      [video:https://www.youtube.com/watch?v=PZRRQHMZiLs%5D

      No final de 2012, o setor eólico representava cerca de 2% de toda a capacidade instalada no Brasil. Até o final de 2023, essa fatia deverá chegar a 11%. O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) tem contribuído para o país alcançar essa meta, investindo na expansão de parques eólicos no país, principalmente nas regiões Nordeste e Sul.

      Linhas de Transmissão

      Para que a energia produzida pelos parques eólicos seja, de fato, distribuída pelos centros consumidores, é necessária a instalação de linhas de transmissão. Para evitar que os parques eólicos fiquem prontos antes das ligações, o governo federal tem antecipado os leilões. “Já planejamos e licitamos linhas para escoar a energia a ser produzida. Estamos licitando agora para entrar em operação em 2018”, informa Tolmasquim. Os estados que estão nessa lista de investimentos são Ceará, Piauí, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas Sergipe, Bahia e Rio Grande do Sul.

      http://www.pac.gov.br/noticia/22d0c0bd

  10. Tão subindo

    Segundo o ministro de ME para haver racionamento os reservatórios devem estar abaixo de 10%. No SU/CO, região crítica, estavam com 17.43% em 23/01 e hoje com 18;75%, segundo o ONS(www.ons.org.br).  No sul com mais de 50%, norte com mais de 35% e nordeste com mais de 16%. Com a checada das chuvas, deverão melhorar, inclusive no nordeste onde as pessoas aguardam as águas a partir de 19 de março, dia de São José. Diferente da água de beber do sistema Chorareira, que no auge das chuvas em São Paulo, está com 7%.

  11. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome