Operação de Israel vai continuar “o tempo que for necessário”, diz Netanyahu

A ação de Israel irá continuar na Faixa de Gaza e nem recuar até que o país se sinta seguro em relação ao Hamas, informou o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Netanyahu diz que ofensiva vai continuar em Gaza (Gideon Markowicz/EPA/Agência Lusa/Direitos Reservados)

Netanyahu diz que ofensiva vai continuar em GazaGideon Markowicz/EPA/Agência Lusa/Direitos Reservados

“Prometemos, desde o início, o regresso à calma para os cidadãos de Israel, e continuaremos a agir até que tenhamos atingido esse objetivo. Isso levará tanto tempo quanto necessário e utilizaremos toda a força exigida”, declarou Netanyahu à imprensa em Telaviv.

“A operação continua. O Exército continua a atuar com todas as suas forças para levar a bom termo as suas missões, o regresso à calma, a segurança para os cidadãos de Israel, apenas provocando danos à infraestrutura terrorista”, acrescentou. “As nossas Forças Armadas estão prestes a conseguir a neutralização dos túneis de Gaza”.

Durante o dia de hoje (2), o Exército israelense anunciou a retirada de soldados das cidades de Beit Lahiya, no Norte da região. Com essa medida, veículos internacionais de comunicação chegaram a noticiar que a operação israelense estaria chegando ao fim.

A operação israelense, que começou 8 de julho, causou mais de 1,6 mil mortos do lado palestino, entre eles 296 crianças e adolescentes, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Do lado israelense, foram mortas 63 pessoas.

Desde ontem (1º), Israel já tinha decidido que não fecharia um acordo com o Hamas para pôr fim às hostilidades, mas que atuaria por própria iniciativa até estarem cumpridos todos os objetivos.
Enquanto não existe um cessar-fogo, o Egito procura mediar uma solução para os conflitos entre Israel e o Hamas, na Faixa de Gaza. Para o presidente egípcio, Abdel Fattah Sissi, a proposta egípcia representa uma “possibilidade real” para o fim dos confrontos.

A iniciativa egípcia, apresentada dias depois do início da ofensiva israelense, previa um cessar-fogo seguido de negociações. Foi aceita por Israel, mas rejeitada pelo Hamas, que exigia como condição prévia o fim do bloqueio em vigor desde 2006, a abertura da fronteira com o Egito e a libertação de prisioneiros por Israel.

 

* Com informações da Agência Lusa

 

28 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cesar Ferreira

- 2014-08-04 00:06:00

PARA VOCÊ QUE É A FAVOR DE ISRAEL.

Uma resposta a Henri Schipper.

1– O líder do Hamas vai a TV e fala que usa escudos humanos… e você não acredita nem nele. Você sabe mais.

“BBC: Mas o Hamas é acusado de deliberadamente colocar em perigo as vidas dos palestinos ao usá-los como escudos humanos.
Khaled Meshaal: Isso é mentira. O Hamas está se defendendo, está sacrificando a sua própria liderança em consideração por seu povo. O único responsável pela morte de palestinos é Israel, que usa (jatos) F16 e armas ocidentais e americanas. Quando o Hamas ou qualquer outro membro do movimento de resistência se defende contra os ocupantes, estão protegendo o seu próprio povo. Permita-me voltar à comparação com de Gaulle. Ao lançar um apelo pela resistência, o general francês queria destruir o seu povo ou proteger os franceses da ocupação nazista? Estamos fazendo o que qualquer um faria se submetido a essa opressão.”

http://www.pragmatismopolitico.com.br/2014/07/entrevista-lider-hamas-bbc.html


 
2 – A Liga Árabe, que sempre é contra Israel, se coloca a favor de Israel e contra o Hamas. Mas você manja muito mais que todos eles e ignora esse fato.

Israel é contra a existência dos palestinos e você ignora esse fato.

3 – A mídia usa fotos do conflito na Síria e as coloca como sendo de Gaza. Mas para você ainda são crianças de Gaza.

Isso quer dizer o quê? Que a UNICEF mente ao dizer que cerca de 300 ciranças foram mortas por bombaredeios israelenses até o momento?

4 – Desde 1948, quando Israel foi fundado, mais de 11 milhões de muçulmanos foram mortos em guerras e conflitos. Desses, 35 mil foram em confrontos com Israel. O resto foram em confrontos entre eles mesmos. Mas isso não te interessa. Só te interessa quando Israel está envolvido.

Entra na conta desses 11 milhões as guerras lá apoiadas ou promovidas pelos EUA?

5 – O filho do fundador do Hamas vive refugiado nos EUA. E diz que a organização criada pelo seu pai é terrorista e visa somente a destruição de Israel. Mas você continua achando que manja do tema mais do que o cara que está lá desde o começo.

Falácia óbvia, não há como usar isso como argumento a não ser que assuma a prióri que um esteja do lado certo e o outro do lado errado.

6 – Você ignora o fato que se Israel quisesse acabar com Gaza faria isso em questão de minutos. E você ainda usa a palavra genocídio.

Qual seria a reação do mundo civilizado se matassem dois milhões de pessoas em questão de minutos? Acha mesmo razoável cogitar isso como livre arbítrio para Israel?

7 – Você se diz anti-Israel, anti-sionista. Fala em boicotar o que vem de Israel. Mas do seu PC que foi criado em Israel você não vai abrir mão. Só dos doces e iogurtes feitos lá.

Se Israel não existisse os computadores e iogurtes não existiriam? Já ouviu o termo "egocentrismo"?

8 – Mais de 170 mil pessoas foram massacradas na Síria. E você não reclamou, não se manifestou, não fez passeata. Nem um post no seu Facebook. E você ainda se diz a favor da vida e da humanidade.

Os EUA estiveram por um triz de destruir aquele país como fizeram com a Líbia, mas na última hora recuou. E não foi por causa de protestos de nós mortais. Mas porque os Russos deslocaram uma frota para o mediterrâneo e publicaram uma carta no York Times falando abertamente, pra quem sabe ler nas entrelinhas, o que ia acontecer se ocorresse o ataque contra seu aliado.

9 – Você só acessa o Google para ver algo sobre Oriente Médio quando Israel se cansa de levar mais de 2000 foguetes por mês durante anos e resolve acabar com a brincadeira. Nesse momento você se torna o maior entendido do Oriente Médio.

É típico dos fracos de espírito prejulgar os outros. Ninguém tem autoridade pra dizer sobre como os outros pensam ou quais as preocupações que devem ter.

10 – Você vai contra o único país democrático de uma região 100% ditatorial. E vive em um país democrático e nunca sairia de um.

Falso, oriente médio inclui Turquia, Líbano e Irã. E onde esses países são 100% ditaduras?

11 – Você acha lindo o Brasil aceitar a diversidade e fazer parada gay. Você é contra a homofobia. Mas só em Israel se aceita gays. Nos outros lugares do Oriente Médio a maioria deles são mortos ou expulsos.

Mais uma falácia. Nenhum aspecto positivo pode ser usado como argumento para eximir aspectos negativos.

12 – Você viveria como você é em Israel. Mas seria obrigado a viver nos moldes deles se cruzasse a fronteira. Mas você ignora isso, afinal você não vai para lá mesmo...

Não iria mesmo para Gaza, mas não exatamente porque acho os costumes deles arcaicos, se é que me entende.

13 – Você defende que Israel acabe com sua invasão na região e quer que devolva para os palestinos. Mas nem sabe a origem do povo palestino e nem sabe que naquela terra nunca houve um governo palestino ou árabe. E mesmo se tivesse e você achasse certo devolver para quem estava no início, você deveria sair do Brasil, devolver para os índios e procurar sua origem.

Outra falácia. Todo oriente médio viveu estágios onde estados nacionais não se faziam presentes. Mas era assim também na Itália e Alemanha, por exemplo, que surgiram como estados nacionais apenas na segunda metade do século 19. Ou seja, menos de 100 anos antes da reivindicação de um estado palestino decorrente da saída dos ingleses em 47.

Boa parte dos brasileiros são descendentes dos índios, minha tataravó era índia “pegada no laço” como conta minha mãe. Naturalmente miscigenação por gerações para formar um povo com raízes numa terra não faz parte da sua lógica.

14 – Você defende um grupo que amarra bombas no seu corpo e se explode por um ideal e por virgens no céu.

Não defendo fazerem isso e me deprime viver num mundo onde pessoas acreditam em mitologias infantis, e falo de todas as religiões. Mas lembre-se, eles não precisavam se matar antes. Só depois de 47 é que passaram a usar esse recurso suicida. Antes só os kamikazes faziam isso, e pelo que sei japoneses não eram muçulmanos.

15 – Você defende um grupo que te mataria só pelo fato de você não ser como eles.

Falácia evidente, ocidentais vivem abertamente entre os palestinos.

16 – Você ignorou os padres crucificados no Iraque e a expulsão de todos cristãos de lá. Afinal você está aqui tranquilo.

Sou da opinião que radicais, principalmente radicais invasores, não prevaleçam.

17 – Você diz que sabe sobre a história do Oriente Médio, mas a única coisa que fez até hoje foi ler uma manchete aqui, um textinho ali, Wikipédia, e acha que é pós-graduado sobre a região.

Você falou muito, não deu uma única referência e ainda quer criticar com argumento de autoridade.

18- Para mim você não é humanista. Você é um antissemita, oportunista, alienado, que acorda de manhã e acredita no que lhe convém. O meu sentimento por você é pena.

Lógica... Se não apoiar o Estado de Israel é ser antissemita e existem judeus que não apoiam Israel, seriam judeus antissemitas?... Enfim, também posso dizer que você é um alienado que acredita no que lhe convém.

---
 

Cesar Ferreira

- 2014-08-03 20:04:31

...

...

A resposta será um pouco longa, mas infelizmente opinar tentando demonstrar o raciocínio do argumento obriga a isso.

Não conhece Sam HArris pelo visto.

A partir do momento que vi o vídeo e analisei a lógica do discurso dele eu passei a conhecê-lo, ou melhor, a conhecer o pensamento contido naquele vídeo. E te digo, a tentativa de se mostrar defensor da racionalidade e ao mesmo tempo exibir argumentos escancaradamente falaciosos é péssimo indicador do quilate do sujeito. Ou seja, sei que muitos admiram canastrões, mas não é o fato de haverem legiões de acéfalos admiradores deles que os farão menos canastrões. E nossa mídia está cheia desses exemplos.

Sobre os escudos humanos, o que acontece na palestina não é uma guerra convencional, é uma guerra politica, o numero de baixas civís é usado como fatura politica contra Israel.

Desde quando existe isso de guerra não ser política? Toda guerra é em última análise uma disputa de poder. E por que o número de vítimas civis não deve ser reclamado e usado contra Israel? O que é uma atitude muito diferente dos absurdos como propaga esse Sam Harris e outros que chegam a dizer que palestinos amarram crianças no local de lançamento dos foguetes só para aumentar o número de vítimas. E o que me deixa puto com isso nem é uma simpatia a causa palestina, mas o atentado a inteligência humana. Porque contar esse absurdo implica em pensar que eu sou burro o suficiente para acreditar que o palestino não é um ser humano. E não no sentido de bondade, mas no sentido de raciocínio... Pense, se o Hamas fizessem isso, você sendo um pai palestino faria o quê? Elegeria o Hamas? Continuaria morando lá?

A luta do Hamas é para salvar a posse do território de Gaza, e obviamente a lógica disso é resistir permanecendo lá. Já os Israelenses querem justamente um êxodo desses territórios. Ou seja, a lógica genial de Sam Harris e todos os cúmplices dessa propaganda sórdida é dizer que os palestinos ficam em Gaza porque querem e por isso não tem culpa de matarem tantos civis. Óbvio que dizer isso simplesmente vai revelar o cinismo. Então fazem uso dessa história estapafúrdia de que palestinos amarram crianças nos locais para aumentar o número de vitimas como se já não houvesse vitimas suficientes provocadas pelas bombas jogadas em escolas e hospitais. Ou seja, acusam os palestinos de serem fanáticos por números e recordes. Simplesmente imbecil o raciocínio.

E me desculpe, mas qualquer um com dois neurônios que visse aquele cartaz estilizado da propaganda israelense com os dizeres “Nós usamos armas para proteger pessoas, eles usam pessoas para proteger armas” é capaz de perceber qual lado está fazendo marketing com as vítimas.

Se Israel quisesse já teria exterminado todos os palestinos, como disse Sam HArris no video, diferente dos "Árabes" que se pudessem já o teriam feito.

Pelo visto você também acha normal o pensamento psicopata de que matar 2 milhões de pessoas em Gaza em questões de minutos é mera questão de livre arbítrio. Óbvio que exterminar os palestinos do dia pra noite é inexequível. Mas um processo lento de cerco e extermínio por êxodo e mortalidade pela baixa expectativa de vida imposta é perfeitamente exequível em algumas décadas sem incorrer em riscos sérios de retaliação pelo resto do mundo dito civilizado. E é isso que estão fazendo pragmaticamente, é só ver o mapa da contração dos territórios palestinos desde 47.

Segundo, se os árabes desejam exterminar o Estado de Israel a história mostra que é difícil condená-los por isso. Mas naturalmente o sentido que pretende não é em termos de Estados inimigos, mas sim que árabes intrinsecamente odeiam judeus por diferenças culturais... Nem vou argumentar que sabemos que antes da criação de Israel os árabes e judeus viviam bem e que existem comunidades judaicas minoritárias vivendo na Síria e Irã (https://jornalggn.com.br/blog/antonio-ateu/os-mitos-sobre-o-conflito-entre-israel-e-palestina). O que preciso dizer é que árabes odiarem judeus não prova que o inverso não seja verdadeiro.

aliancaliberal

- 2014-08-03 16:48:41

Não conhece Sam HArris pelo

Não conhece Sam HArris pelo visto.

Sobre os escudos humanos, o que acontece na palestina não é uma guerra convencional, é uma guerra politica, o numero de baixas civís é usado como fatura politica contra Israel.

Se Israel quisesse já teria exterminado todos os palestinos, como disse Sam HArris no video, diferente dos "Árabes" que se pudessem já o teriam feito.

Zélia

- 2014-08-03 14:04:41

(Sem título)

Zélia

- 2014-08-03 13:51:24

É só ligar a  TV para

É só ligar a  TV para vomitar... a cobertura política que estão fazendo do maior genocídio do século XXI é pífia, é nojenta, é um abuso!

Fim da dominação dos meios de comunicação!!!

jns

- 2014-08-03 05:36:55

Não houve sequestro

O soldado foi morto durante um confronto c o o Hamas.

A informação inverídica é a senha para Israel dar continuidade aos ataques aos palestinos.

Cesar Ferreira

- 2014-08-03 04:18:40

A Propaganda Sórdida dos Escudos Humanos.

O vídeo do tal de Sam Harris (https://www.youtube.com/watch?v=r27KAFDSfbU) diz fazer análise imparcial, mas começa já caracterizando a guerra como sendo defensiva. Depois fala que os Palestinos querem matar todos os judeus. Só esquece de raciocinar que se ele estivesse num campo de concentração na Alemanha nazista iria desejar, sem hipocrisia, o mesmo para os alemães.
Também se esquece de falar que os palestinos não tinham esse ódio antes de 1947.
Depois, pra cair a máscara, fala a que veio, ou seja, propagar a conversa sórdida dos escudos humanos. Repare que as fotos mostram combatentes e crianças juntos, mas não em posição de escudo. Então para transformar essas fotos em “prova” apresenta sequencialmente ilustrações de palestinas grávidas desenhadas em posição de escudos. Uma manipulação óbvia...

Fato 1 - Não há na história da humanidade um único caso de um povo usar seus filhos como escudo. O que é totalmente lógico já que numa guerra encarniçada a última coisa que faria sentido é usar filhos como escudos uma vez que o inimigo não dá a mínima pra vida deles.

Fato 2 - O conceito "escudos humanos" no sentido aqui usado, foi inventado pelos americanos na guerra do Vietnã para se inocentarem do morticínio que faziam nos seus bombardeios indiscriminados e desde então vem usando essa mentira como propaganda de guerra sem nunca ter se provado que isso realmente aconteceu em algum caso.
 
Fato 3 - Nenhum órgão oficial de direitos humanos, ONU inclusive, denunciou um único caso de escudos humanos desse tipo. Podem pesquisar. Claro, vídeos manipuladores e sórdidos como esse vão achar aos montes. Mas fontes confiáveis e jornalismo sério esqueçam.

How the Term ‘Human Shield’ is Used to Justify State Sponsored Massacres

Cesar Ferreira

- 2014-08-03 04:10:25

Propaganda Sórdida.

Esse tal de Sam HArris diz fazer análise imparcial, mas começa já caracterizando com sendo guerra defensiva. Depois fala que os Palestinos querem matar todos os judeus. Só esquece de raciocinar que se ele estivesse num campo de concentração na Alemanha nazista iria desejar, sem hipocrisia, o mesmo para os alemães.
Também se esquece de falar que os palestinos não tinham esse ódio antes de 1947.
Depois, pra cair a máscara, fala a que veio, ou seja, propagar a conversa sórdida dos escudos humanos. Repare que as fotos mostram combatentes e crianças juntos, mas não em posição de escudo. Então para transformar essas fotos em “prova” apresenta sequencialmente ilustrações de palestinas grávidas desenhadas em posição de escudos. Uma manipulação óbvia...

Fato 1 - Não há na história da humanidade um único caso de um povo usar seus filhos como escudo. O que é totalmente lógico já que numa guerra encarniçada a última coisa que faria sentido é usar filhos como escudos uma vez que o inimigo não dá a mínima pra vida deles.

Fato 2 - O conceito "escudos humanos" no sentido aqui usado, foi inventado pelos americanos na guerra do Vietnã para se inocentarem do morticínio que faziam nos seus bombardeios indiscriminados e desde então vem usando essa mentira como propaganda de guerra sem nunca ter se provado que isso realmente aconteceu em algum caso.
 
Fato 3 - Nenhum órgão oficial de direitos humanos, ONU inclusive, denunciou um único caso de escudos humanos desse tipo. Podem pesquisar. Claro, vídeos manipuladores e sórdidos como esse vão achar aos montes. Mas fontes confiáveis e jornalismo sério esqueçam.

How the Term ‘Human Shield’ is Used to Justify State Sponsored Massacres

 

joe

- 2014-08-03 03:59:07

  Conflito Israel X Hamas: a
 

Conflito Israel X Hamas: a verdade

 

Henri Schipper

Alguns pontos que percebi nessas semanas desde que Israel resolveu se levantar contra o grupo terrorista Hamas:

1 – O líder do Hamas vai a TV e fala que usa escudos humanos… e você não acredita nem nele. Você sabe mais.
2 – A Liga Árabe, que sempre é contra Israel, se coloca a favor de Israel e contra o Hamas. Mas você manja muito mais que todos eles e ignora esse fato.
3 – A mídia usa fotos do conflito na Síria e as coloca como sendo de Gaza. Mas para você ainda são crianças de Gaza.
4 – Desde 1948, quando Israel foi fundado, mais de 11 milhões de muçulmanos foram mortos em guerras e conflitos. Desses, 35 mil foram em confrontos com Israel. O resto foram em confrontos entre eles mesmos. Mas isso não te interessa. Só te interessa quando Israel está envolvido.
5 – O filho do fundador do Hamas vive refugiado nos EUA. E diz que a organização criada pelo seu pai é terrorista e visa somente a destruição de Israel. Mas você continua achando que manja do tema mais do que o cara que está lá desde o começo.
6 – Você ignora o fato que se Israel quisesse acabar com Gaza faria isso em questão de minutos. E você ainda usa a palavra genocídio.
7 – Você se diz anti-Israel, anti-sionista. Fala em boicotar o que vem de Israel. Mas do seu PC que foi criado em Israel você não vai abrir mão. Só dos doces e iogurtes feitos lá.
8 – Mais de 170 mil pessoas foram massacradas na Síria. E você não reclamou, não se manifestou, não fez passeata. Nem um post no seu Facebook. E você ainda se diz a favor da vida e da humanidade.
9 – Você só acessa o Google para ver algo sobre Oriente Médio quando Israel se cansa de levar mais de 2000 foguetes por mês durante anos e resolve acabar com a brincadeira. Nesse momento você se torna o maior entendido do Oriente Médio.
10 – Você vai contra o único país democrático de uma região 100% ditatorial. E vive em um país democrático e nunca sairia de um.
11 – Você acha lindo o Brasil aceitar a diversidade e fazer parada gay. Você é contra a homofobia. Mas só em Israel se aceita gays. Nos outros lugares do Oriente Médio a maioria deles são mortos ou expulsos.
12 – Você viveria como você é em Israel. Mas seria obrigado a viver nos moldes deles se cruzasse a fronteira. Mas você ignora isso, afinal você não vai para lá mesmo...
13 – Você defende que Israel acabe com sua invasão na região e quer que devolva para os palestinos. Mas nem sabe a origem do povo palestino e nem sabe que naquela terra nunca houve um governo palestino ou árabe. E mesmo se tivesse e você achasse certo devolver para quem estava no início, você deveria sair do Brasil, devolver para os índios e procurar sua origem.
14 – Você defende um grupo que amarra bombas no seu corpo e se explode por um ideal e por virgens no céu.
15 – Você defende um grupo que te mataria só pelo fato de você não ser como eles.
15 – Você ignorou os padres crucificados no Iraque e a expulsão de todos cristãos de lá. Afinal você está aqui tranquilo.
16 – Você diz que sabe sobre a história do Oriente Médio, mas a única coisa que fez até hoje foi ler uma manchete aqui, um textinho ali, Wikipédia, e acha que é pós-graduado sobre a região. Para mim você não é humanista. Você é um antissemita, oportunista, alienado, que acorda de manhã e acredita no que lhe convém. O meu sentimento por você é pena.


Imagem

Por que as pessoas odeiam Israel?

Dennis Prager, escritor e palestrante

"Nós vivemos em um mundo mau. Não é nenhuma novidade. O mundo anda muito ruim desde que foi inaugurado. Foi por isso que Deus o destruiu e recomeçou do zero Dennis_Pragerx.jpg(com um espetáculo iniciando a nova experiência, é preciso dizer). A partir de uma perspectiva moral, observem o mundo desde o ano 2000: a Coreia do Norte continua a ser um país que é, inteiro, essencialmente, um enorme campo de concentração. O Tibete, uma das culturas mais antigas da humanidade, continua ocupado e sendo destruído pela China. A Somália não existe mais enquanto país; trata-se de um estado anárquico em que o mais cruel e o mais forte (geralmente o mesmo) prevalece. No Congo, entre 1998 e 2003, cerca de 5.5 milhões de pessoas foram mortas – quase o mesmo número de judeus que morreram no Holocausto. Na Síria, cerca de 170 mil pessoas foram mortas nos últimos três anos e milhões perderam os lares. No Iraque, quase toda semana vemos assassinatos em massa causados por bombas terroristas (agora, uma ordem para mutilação genital feminina também em massa está em vigor no tal califado). No México, desde 2006, aproximadamente 120 mil pessoas foram mortas nas guerras do tráfico travadas no país. O Irã, uma ditadura teocrática que defende o genocídio, está prestes a conseguir fabricar armas nucleares. Comunidades cristãs no Oriente Médio são aniquiladas; o massacre de cristãos é rotina na Nigéria.
É claro que o século 20 foi ainda mais sangrento, mas estamos apenas no 15º ano do século 21. Não obstante, mostrar o quanto o mundo é terrível para com tantos habitantes não é meu objetivo. O que quero demonstrar é que, apesar de tanta maldade e sofrimento, o mundo concentrou maciçamente a atenção nos supostos malfeitos de um país: Israel. O que torna tal fato tão digno de nota é que Israel está entre os países mais humanitários e livres do planeta. E o que é pior: é o único país do mundo sob ameaça de aniquilação. Este é o único caso da História em que os povos dos países livres tomaram as dores de um estado policial contra um estado livre. É impossível apontar qualquer outra ocasião na História Moderna – a única ocasião histórica em que existem sociedades livres – na qual, em uma guerra entre um estado livre e um estado policial, o estado livre foi considerado o agressor. É porque uma situação como a de Israel e dos inimigos do país nunca ocorrera antes.
A questão é, claro, por quê? Por que em uma época na qual um shopping center do Quênia é bombardeado, na qual terroristas islâmicos massacram cristãos na Nigéria e milhares de pessoas morrem na Síria, o mundo está preocupado com uns 600 palestinos mortos como resultado direto de lançarem milhares de mísseis com a intenção de matar tantos israelenses quanto possível? Por que essa obsessão contra Israel desde a fundação do país e, em especial, desde 1967? Não pode ser ocupação. A China ocupa o Tibete e o mundo não presta a menor atenção. E a criação do Paquistão, que ocorreu ao mesmo tempo da criação de Israel, deu origem a milhões de refugiados muçulmanos (e hindus). Mesmo assim, ninguém presta atenção ao Paquistão, tampouco. Há apenas duas explicações para essa anomalia moral. A primeira é uma predileção quase mundial pelos valores e ideias esquerdistas. Segundo esse viés de pensamento, os ocidentais estão quase sempre errados ao combater países ou grupos do Terceiro Mundo; e a parte mais fraca, especialmente se não for ocidental, é quase sempre rotulada de vítima quando combate um grupo ou país mais forte, em especial se este for ocidental. O esquerdismo substituiu o “bem e mal” por “rico e pobre”, “forte e fraco”, e “Ocidental (ou branco) e não-Ocidental (ou não-branco)”. Israel é rica, forte e ocidental; os palestinos são pobres, fracos e não-ocidentais. A única outra explicação possível é Israel ser judeu. Não existe qualquer outra explicação racional, pois a ideia fixa, assim como o ódio por Israel, não são racionais. Israel é um país particularmente decente. Ele é miúdo, é mais ou menos do tamanho de Nova Jérsei, é menor do que El Salvador e, enquanto existem mais de 50 países muçulmanos, existe apenas um país judeu. Israel deveria ser admirada e apoiada, mas não odiada a ponto de existirem dúzias de países cujas populações querem ver Israel aniquilada o que, mais uma vez, é um fenômeno singular. Nenhum outro país do mundo jamais foi escolhido para ser exterminado. Por mais difícil que seja para as pessoas modernas e pouco religiosas aceitarem, o judaísmo de Israel é a razão maior para o ódio a ela dedicado. Ironicamente, este fato, bem como a obsessão pelos judeus antes da existência de Israel, confirma para este observador o papel divino que os judeus desempenham na História. Poucos judeus se dão conta desse papel e um número ainda menor o deseja. Mas, a não ser pela influência da esquerda, não há outra explicação para a animosidade contra Israel". Tradução: Claudia Costa Chaves

 

Miguel Couto

- 2014-08-03 02:18:26

Documentário: Occupation 101

Ocupação 101: Você não entenderá o porque do genocídio de palestinos, até assistir a este vídeo.

[video:https://www.youtube.com/watch?v=H8CUdOZayu4 align:center]

ruyacquaviva

- 2014-08-03 01:40:58

Concordo

Aliás, quando os nazistas massacravam as populos judeus, eles usavam as mesmas desculpas que Israel está usando para massacrar os palestinos. Os nazistas também diziam que combatiam terroristas e que esses terroristas escondiam-se no meio da população.

Israel está promovendo o mesmo tipo de genocídio que os nazistas promoveram na Segunda Guerra Mundial.

lenita

- 2014-08-03 01:10:24

E os EUA prontamente

E os EUA prontamente solicitando ao congresso permissão p/ enviar mais dinheiro (armas) à Israel. Depois os americanos não sabem pq o mundo os odeia tanto.

aliancaliberal

- 2014-08-03 01:00:01

Sam Harris: “Por que não

Sam Harris: “Por que não critico Israel?”

[video:https://www.youtube.com/watch?v=r27KAFDSfbU]

 

wendel

- 2014-08-02 23:55:26

Ele já dizia................................

"...Pois são como túmulos caiados de branco, que por fora parecem bonitos, mas por dentro estão cheios de ossos de mortos e de podridão" (Mt 23:27).

Motta Araujo

- 2014-08-02 23:21:32

Mas é inacreditavel essa

Mas é inacreditavel essa narrativa do ""sequestro de um oficial""israelense por palestinos, sequestro em um campo de batalha? Sequestro se faz em tempos de paz na vida civil, numa guerra há prisioneiros, mortos e feridos, não há "sequestrados".

Motta Araujo

- 2014-08-02 23:18:18

Não dá para acreditar em

Não dá para acreditar em estoria nenhuma dos algozes, quem viu esse oficial ser sequestrado? E se ele foi alvo de fogo amigo, desabamento, explosão ou mesmo de atiradores palestinos, afinal é ou não é uma guerra? Em guerra é crime um lado aprisionar soldado de outro? Quer dizer que só Israel pode matar e prender, sendo atacante? Francamente.

aliancaliberal

- 2014-08-02 23:11:32

Sam Harris - Por Que Não Critico Israel (LEGENDADO)

Sam Harris - Por Que Não Critico Israel (LEGENDADO)

[video:https://www.youtube.com/watch?v=r27KAFDSfbU]

 

 

Pedro Penido dos Anjos

- 2014-08-02 22:42:23

Posso ser sintéco?   Ad &

Posso ser sintéco?

 

Ad & mentiu e confessou sem sofrer nenhum tipo de tortura.

 

Ponto?

 Ou não?

 

Como é que é que chama-se aquele filósofo lá da USP cujo nome começa com GÊ?

 

Pois é, nas ruas já estou sentindo esses resultados.

Zélia

- 2014-08-02 22:28:24

https://www.youtube.com/watch

https://www.youtube.com/watch?v=SkK87QGCQcE

 

VEJAM ISSO!!!!!!

 

Suas análises políticas são ótimas se você tem problema em concordar com esse video, leia Anthony Sutton, Myron Fagan, WIlliam Guy Carr, Carrol Quigley

veranis

- 2014-08-02 21:58:57

massacre sem fim

Com certeza irá continuar até que o último prédio desabe ou que o último palestino caia morto, o que vier primeiro.

mauricio moreira

- 2014-08-02 21:40:17

BOICOTE ISRAEL SIONISTAS !!!!

 Nada justifica esse genocidio e afirmar que esta havendo um conflito e a mesma coisa que afirmar que o holocausto foi um conflito !!!!

wendel

- 2014-08-02 21:16:57

Imbecil.........................

Alexis, este imbecil só tem immportancia quando nos o citamos! Como há muito não tem a mínima importância para nós, sugiro que faça o mesmo!

Desde quando era porta-voz do General Fiqueiredo, e fêz a hilária entgevista com o mesmo na rede de televisão, foi que mostrou a verdadeira cara de capacho!!!

Então................

Manoel Teixeira

- 2014-08-02 20:59:28

Pelo fim dos contratos militares entre o Brasil e iSSrael

Contra os contratos militares entre o Brasil e iSSrael. Assine a petição em http://www.peticaopublica.com.br/psign.aspx?pi=BR73606.

alexis

- 2014-08-02 20:58:28

Boa notícia para Alexandre Garcia

Alexandre Garcia, na CBN, reclama do "absurdo" interesse dos brasileiros e do Governo na massacre na Palestina, considerando que morre mais gente no trânsito do Brasil ou nos assassinatos em favela, etc. (ele não diz que Brasil possui 50 vezes mais habitantes).

Vamos acompanhar a massacre a ver se o número de mortos já desperta o interesse deste "colonista" global.

wendel

- 2014-08-02 20:50:21

A tal solução que o Egito

A tal solução que o Egito apresentara nada mais é que a saída dos palestinos da Faixa de Gaza, pura e simplesmente plra que Israel possa completar seus planos da "Grande Israel" com a conivência dos EUA e da maioria dos outros países, inclusive árabes!

Alem do mais, estão oferencendo indenizações para os que sairem,  pois dinheiro para eles não é problema, e o dinheiro sem lastro, impresso pelo Banco Central, estara sempre disponível, como agora!

A população norte-americanos, alienada como sempre, irá acreditar em tudo que a imprensa judaica noticiar, e no fim ainda sairão como bem feitores e humanitários.

Tendo em vista terem eles arrazado com todo o patrimômio da população palestina, transformando-os em mendigos, possivelmente muitos aceitarão, muito embora a valentia e o nacionalismo daquele povo me faça ainda ter orgulho por eles!!

Quanto ao músico britânico Brian Eno, nossa forte admiração, pois a comunidade de artistas, músicos e cantores, estão em sua maioria, mudos, o que é uma vergonha.

Deveríamos era boicotar seus discos, aí veriam o quanto são covardes em não tomarem uma atitude. 

 

 

 

Jair Fonseca

- 2014-08-02 20:42:02

O grande músico britânico

O grande músico britânico Brian Eno escreveu carta aberta aos amigos americanos para dizer a eles como se sente pelo apoio do "Ocidente", a começar pelos Estados Unidos, aos massacres em Gaza, depois de ver imagens de um palestino carregando um saco plástico com carne sangrenta. Era o cadáver de seu filho, morto aos 4 anos de idade. A carta foi divulgada na primeira página do importante jornal The Independent. Segue também vídeo com a fala do músico em protesto de rua, em Londres, em 2009.

http://www.independent.co.uk/voices/comment/brian-eno-on-the-israelgaza-crisis-how-can-you-justify-images-such-as-this-9643916.html

[video:https://www.youtube.com/watch?v=NekORBeP8K0]

Fábio de Oliveira Ribeiro

- 2014-08-02 20:40:32

  1677 mortos378 crianças207
1677 mortos. 378 crianças. 207 mulheres.  74 idosos. 19 trabalhadores médicos.   Para cada morto 10 novos terroristas em Gaza, 8 novos terroristas na Cisjordânia e alguns terroristas na Europa e nos EUA. Israel queria uma guerra eterna e conseguiu. Bom trabalho Benjamin Netanyahu, você é o cara (mas isto não é um elogio). 

jns

- 2014-08-02 20:34:37

senha

ISRAEL NÃO VAI NEGOCIAR OUTRO CESSAR-FOGO

Um oficial israelense desaparecido em Gaza, vítima de um ataque do Hamas às Forças de Defesa de Israel, foi, provavelmente, morto na manhã de sábado quando a operação de guerra de entrou no seu 26 º dia.

Os militares israelenses na sexta-feira citaram indícios ue o oficial, segundo-tenente Hadar Goldin, 23 anos, estava preso em Rafah, uma cidade no sul da Faixa de Gaza. 

Dois outros soldados foram mortos no ataque, elevando o número de mortes militares israelenses a 63.

O anúncio foi feito pouco depois de um cessar-fogo humanitário acordado entre Israel e o Hamas que entrou em colapso duas horas de ser lançado.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e o presidente dos EUA, Barack Obama condenaram o Hamas pelo rapto do oficial israelense.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador